Repúdio

Sessão Extra: Câmara rejeita moção contra Bolsonaro por veto a distribuição de absorvente

Moção apresentada por duas vereadoras de Taubaté manifestava repúdio ao veto do presidente à distribuição gratuita de absorvente menstrual para estudantes de baixa renda de escolas públicas e pessoas em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema

Da RedaçãoPublicado em 13/10/2021 às 22:14Atualizado há 13/10/2021 às 22:14
O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) (Alan Santos/PR)

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) (Alan Santos/PR)

Bolsonaro

A Câmara de Taubaté rejeitou nessa quarta-feira (13) uma moção de repúdio ao veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à distribuição gratuita de absorvente menstrual para estudantes de baixa renda de escolas públicas e pessoas em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema.

Clique e faça parte do nosso grupo no WhatsApp e receba matérias exclusivas. Fique bem informado! Acesse: https://bit.ly/ovale-agora-10

Repúdio

A moção havia sido proposta pelas vereadoras Talita Cadeirante (PSB) e Elisa Representa Taubaté (Cidadania). No texto, elas alegaram que "a justificativa incoerente do veto pela ausência de indicações de fontes para o custeio do programa tornou clara a verdadeira orientação da decisão: o descaso com os direitos básicos à saúde e dignidade das mulheres".

Moção

Caso a moção de repúdio tivesse sido aprovada, o texto seria enviado para Bolsonaro e também para o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que preside o Congresso Nacional - caberá ao Congresso analisar o veto ao projeto.

Votação

A moção recebe quatro votos favoráveis: Coletor Tigrão (Cidadania), Diego Fonseca (PSDB), além de Talita e Elisa. Os votos contrários foram nove: Alberto Barreto (PRTB), Boanerge dos Santos (PTB), Jessé Silva (PL), Dentinho (PSL), Moisés Pirulito (PL), Nunes Coelho (Republicanos), Bobi (PSDB), Serginho (PP) e Vivi da Rádio (Republicanos).

Sem votar

Neneca (PDT) e Richardson da Padaria (DEM) registraram abstenção. Douglas Carbonne (DEM), Marcelo Macedo (MDB) e Edson Oliveira (PSD) estavam na sessão, mas não votaram. O presidente da Casa, Paulo Miranda (MDB), só votaria em caso de desempate.

Assuntos

Siga OVALE nas redes sociais
Copyright © - 2021 - OVALE
Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade
Distribuído por:
Desenvolvido por: