Exportação

Ilhabela e São Sebastião assumem liderança das exportações no Vale com petróleo

Na contramão de São José dos Campos, Ilhabela e São Sebastião se tornam as maiores exportadoras da região na esteira da ascensão do petróleo

Xandu Alves
20/05/2022 às 23:25.
Atualizado em 22/05/2022 às 10:10
Petróleo. Tebar em São Sebastião, no Litoral Norte (Divulgação)

Petróleo. Tebar em São Sebastião, no Litoral Norte (Divulgação)

O petróleo é nosso.

Ao contrário de São José dos Campos, a cidade de Ilhabela, no Litoral Norte, tomou impulso na balança comercial do Vale do Paraíba com a ascensão do petróleo bruto como principal produto de exportação.

A faixa territorial que a ilha ocupa a beneficiou no comércio exterior de commodities, tornando o município de 35 mil habitantes a potência exportadora da região em 10 anos.

Clique e faça parte do nosso grupo no WhatsApp e receba matérias exclusivas. Fique bem informado! Acesse: https://bit.ly/ovale-agora-34

Em 2013, a cidade registrou exportações de US$ 315,4 milhões e apenas 3,9% do total exportado pela região naquele ano, com um total de US$ 5,40 bilhões.

No ano seguinte, a venda ao exterior de petróleo por meio do terminal da Petrobras no Litoral Norte fez com que Ilhabela passasse a registrar exportação de US$ 1,41 bilhão em 2014, 347% de crescimento na comparação com o ano anterior.

A participação da cidade no total do comércio exterior da região saltou para 17,8% e não parou mais de crescer.

Em 2018, a cidade reportou US$ 4,29 bilhões em exportações no ano e representou nada menos do que 36% do total do Vale, roubando de São José dos Campos a liderança do ranking regional.

No primeiro quadrimestre de 2022, a cidade do Litoral Norte acumula US$ 1,35 bilhão em exportações, praticamente 100% de petróleo, e uma participação de 35% no total do Vale.

São José fechou o mesmo período com US$ 647,5 milhões exportados e 8,9% do total da região, bem abaixo de Ilhabela.

A maior cidade do Vale também foi ultrapassada neste ano por São Sebastião, que vendeu ao exterior US$ 803,3 milhões e quase tudo em petróleo bruto.

LIDERANÇA

Com as duas cidades liderando o comércio exterior da RMVale, o petróleo bruto saltou de 2,8% do total exportado pela região em 2012 para 60,9% em 2022. De janeiro a abril deste ano, a região vendeu US$ 2,35 bilhões em óleos e combustíveis minerais contra US$ 365,2 milhões em aeronaves e US$ 222,2 milhões em veículos, produtos que outrora dominavam a pauta exportadora da região.

Há 10 anos, os veículos representavam 16% e as aeronaves 54% do total exportado pelas empresas da RMVale. Os carros ainda tiveram um passado mais glorioso, com 30,5% das exportações regionais em 1997, primeiro ano da série histórica do Ministério da Economia sobre a balança comercial da região.

Desde então, veículos e aeronaves vêm perdendo protagonismo na cesta de produtos mais exportados no Vale. O petróleo faz o caminho inverso e aumenta cada vez mais a participação na balança comercial.

Siga OVALE nas redes sociais
Copyright © - 2021 - OVALETodos os direitos reservados. | Política de Privacidade
Desenvolvido por
Distribuido por