Internações

Internações por Covid caem 88% no Vale do Paraíba na última semana

Número de internações por Covid-19 no Vale do Paraíba na última quinta (14) é oito vezes menor do que pico de 2021, registrado em 27 de maio, com 698 hospitalizações

Xandu Alves
15/10/2021 às 17:18.
Atualizado em 15/10/2021 às 17:18
Leito de UTI (Rogerio Santana/Divulgação RJ)

Leito de UTI (Rogerio Santana/Divulgação RJ)

Mais vacina, menos hospital.

O avanço da vacinação contra a Covid-19 no Vale do Paraíba -- 61% da população com imunização completa -- provoca um efeito colateral, e muito positivo. A queda na quantidade de pacientes graves pela doença.

Clique e faça parte do nosso grupo no WhatsApp e receba matérias exclusivas. Fique bem informado! Acesse: https://bit.ly/ovale-agora-10

De acordo com a plataforma SP Covid-19 Info Tracker, de pesquisadores da USP e da Unesp, a região chegou na última quinta-feira (14) ao terceiro menor patamar de internações de toda a pandemia: 80 pessoas hospitalizadas -- 24 em UTI e 56 na enfermaria. Só perde para os 76 e 77 internados de 21 e 22 de setembro, respectivamente.

Para se ter ideia de quanto a vacinação beneficiou a RMVale, as 80 internações da última quinta são oito vezes menores do que o pico de hospitalizações de 2021, registrado em 27 de maio: 698 pessoas hospitalizadas -- 381 em UTI e 317 na enfermaria.

A última semana registrou as mais baixas taxas de ocupação de leitos de UTI de toda a pandemia, com ocupação de 24 pessoas na quinta (14). Na véspera, a quantidade havia sido de 23.

SÃO PAULO

No estado, a média diária de casos notificados e de hospitalizações por semana epidemiológica caiu ao nível mais baixo deste ano.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI está em 31% em São Paulo. São 2.244 pacientes internados em UTI em todo o estado.

“O número de pacientes internados nas unidades de terapia intensiva hoje é de 2.244. No dia primeiro de abril, eram 13.150 pessoas internadas, portanto, [são] quase 11 mil pessoas internadas a menos. Isso é o resultado da vacinação, e esses dados são similares aos que tivemos em maio e junho de 2020, antes do pico da primeira onda da Covid-19”, disse Jean Gorinchteyn, secretário estadual de Saúde.

.

Siga OVALE nas redes sociais
Copyright © - 2021 - OVALETodos os direitos reservados. | Política de Privacidade
Desenvolvido por
Distribuido por