Logo Jornal OVALE

notícias

A hora do sono é sagrada e dormir é uma travessia cheia de mistérios. Não há, até o momento, teoria científica que explique o porquê do sono ser tão importante para os humanos. Há um consenso de que o sono é benéfico, mas não se sabe como e porque ele começou a fazer parte da evolução humana. Contudo, sabemos que o estado adormecido é o mais vulnerável de uma pessoa. Tão vulnerável que o fotógrafo Pierre Verger foi capaz de fotografar diversas pessoas sem que elas percebessem. Seja por esgotamento mental e físico ou mera preguiça, as imagens do francês capturaram indivíduos em um estado raro: dentro do reino dos sonhos. Em cartaz até novembro no Sesc São José dos Campos, as imagens da mostra foram produzidas no período entre as décadas de 1930 e 1950, ou seja, durante a saída do fotógrafo da França rumo ao mundo, até os anos posteriores ao seu encontro divisor de águas com a cidade de Salvador, em 1946, onde viveu até sua morte. A entrada é gratuita. "Dorminhocos" ou "Dormeurs" traz 98 fotografias que mostram pessoas ao redor do mundo dormindo em locais públicos, em países como China, México, Brasil, entre outros. Conhecido pelos seus trabalhos que registraram a diáspora africana, muitos deles no Brasil, a exposição traz fotografias menos conhecidas de Pierre Verger. "As fotografias mostra o olhar de espontaneidade do corpo e sobre a banalidade do cotidiano. Ele estava em busca de pessoas que não queria posar para a câmera", afirma o especialista em História da Arte, Raphael Fonseca, curador da mostra. Trazendo pluralidade de etnias e nacionalidades, Verger consegue levantar a discussão sobre quais são as razões de dormir em locais públicos. Dentre as possibilidade, estariam os momentos de repouso nos intervalos do trabalho, lazer, extremo cansaço e até mesmo não possuir uma casa para dormir. A mostra passou pela Caixa Cultura no Rio de Janeiro no ano passado e pelo Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo neste ano. O curador da exposição descobriu as fotos de Pierre Verger durante sua pesquisa sobre a retratação da preguiça na arte brasileira. "Há obras em que podemos notar que há um cunho de preconceito na retratação do caipira e do baiano como um corpo 'preguiçoso', em outros casos, vemos que os artistas utilizam cenas para enaltecer o momento de descanso que indivíduo tem o privilégio de ter", disse Fonseca..  
Antônio Fernández Montoya, El Farru, carrega toda a tradição do Flamenco desde que nasceu. De sangue cigano, assim como as origens da dança na Espanha, El Farru faz parte de uma verdadeira dinastia da dança, com 80 de Bailaor (nome que se dá aos bailarinos de Flamenco) desde os dois anos de idade, El Farru é neto de um dos mais importantes nomes do Flamenco da Espanha, El Farruco, Antônio Montoya Flores. Este, por sua vez, é filho de La Farruca, bailarina que ganhou o apelido depois de ganhar um concurso de Flamenco no estilo farruqueiro. Antônio sempre soube que tinha um nome para honrar e defender. Filho mais novo entre seus irmãos, se apresentava com sua família desde muito pequeno, mas subiu aos palcos para uma apresentação solo pela primeira vez aos 15 anos. "Quando estava no palco, os olhares eram de quem sabia que eu era neto de alguém e irmão de alguém. Era uma pressão imensa. Imagine você ser filho do Ronaldinho, por exemplo", explica Fernández. Apesar do nervosismo que fazia até suas sombrancelhas doerem, como diz o cigano, a pressão nunca o fez se intimidar. Pelo contrário, a expectativa do público e da sua própria família o moldaram para chegar próximo da perfeição. "Essa pressão te ajuda a nunca, nem por um momento, relaxar", diz o bailaor, que também é músico e compositor. Imponente, assim como seus bailaores, o Flamenco é acompanhado de palmas ritmadas e do som da bandurria, um tipo de violão especial. O Flamenco surgiu na região de Sevilha, e tem ganhado diversas interpretações durante os anos, com modelos clássicos e modernos. Para Antônio, o Flamenco é carrega uma emoção singular e é capaz de se expressar em qualquer parte do mundo, através "de la verdad". "Nosso avô nos ensinou a sermos partidários da verdade. E a verdade de hoje não é a mesma de amanhã. A maneira de se expressão através da dança muda a cada dia", pontua. Neste domingo, Antônio apresenta um espetáculo com convidados no Teatro Municipal de São José dos Campos, às 18h. A apresentação vai encerrar o Festival de Flamenco, que tem início no sábado com programação no teatro e no Centro Cultural Clemente Gomes, na sede da FCCR (Fundação Cultural Cassiano Ricardo). Sobre o espetáculo, El Farru não dá muitos detalhes: nem ele sabe o que vai acontecer. "Se há verdade nessse espetáculo, nem eu posso te adiantar o que vai acontecer. Porque de certa maneira, nem eu sei", ri o cigano. SERVIÇO. Festival de Flamenco 14 e 15 de setembro Teatro Municipal de São José dos Campos e Centro Cultural Clemente Gomes (Parque da Cidade). Ingressos à venda no site festivalflamenco.com.br 50% de desconto para sócios do Clube OVALE..  
Seu nome é uma combinação de palavras que juntas podem significar "Dona de um Destino Amargo". Inspirada no poema épico Homero, Amara Moira teve o poder de escolher seu nome depois da transição. "Gosto de pensar que o amargo não é necessariamente um gosto ruim", afirma a travesti em entrevista a OVALE. Doutora, escritora, professora e transsexual, Amara Moira é o exemplo de que, por mais que as oportunidades para minores sejam minadas, sempre haverá alguém para resistir e subverter as regras. Neste sábado, ela participa de uma mesa literária na FLIM (Feira Litero Musical) no Parque Vicentina Aranha, em São José dos Campos. No domingo, ela participa do Piquenique Literário. que vai analisar seu livro "E Se Eu Fosse Pura". Quando pequena, aprendeu a ler sozinha ainda muito pequena e na adolescente conheceu as escritoras Clarice Lispector e Agatha Christie, obras que a tiravam fora da zona de conforto, mais do que uma distração. A literatura e o ato de escrever a fez descobrir-se, aos poucos, mais à vontade consigo mesma. "Sempre fui muito isolada. Os livros foram uma companhia e me fizeram ter contato com realidade das quais nunca seria inserida", conta Amara. O sentimento de solidão continuou crescente, que Amara preencheu na prostituição ao mesmo tempo que concluía seu doutorado em Literatura na Unicamp. Nesse período, Amara escreveu seu livro contando suas experiências e rotina durante o tempo em que trabalhou como prostituta. Doutora e professora, Amara deixou de ser objeto de estudo em sala de aula para ganhar voz frente aos alunos. Abandonou sua posição privilegiada de homem branco e bissexual para questionar tudo a sua volta. "Na universidade, me aceitaram como trans, mas não como feminista". EDUCAÇÃO. Amara conta que antes de sua transição, conseguia posições para lesionar Literatura em escolas importantes. Agora, como mulher trans, esse espaço não pode ser ocupado por ela. Esse impedimento fez com que a escritora refletisse sobre sua posição como educadora. "Eu não poderia ficar só sentada atrás de uma mesa cheia de livros, consumindo e escrevendo artigos científicos. Eu preciso reivindicar uma mudança no espaço acadêmico, não só para mim, mas também para os negros, nordestinos. Presenciei no meio acadêmico atitudes inaceitáveis de discriminação"..  
Wesley Safadão é um fenômeno. Por onde passa, evoca o bordão "Vai, Safadão!" de sua plateia. Com todo seu carisma e energia, Safadão promete tirar o público do Vale Music Fest do chão. O evento que começou nesta sexta com a presença de Anitta, vai manter o astral lá em cima com o show de Safadão neste sábado. O músico, que ficou conhecido primeiro no nordeste, cantava na banda Garota Safada, que foi fundada pela sua mãe, a Dona Bill, em 2003. Com o grupo, Safadão chegou a realizar 25 shows por mês e lançou cinco discos. Apesar de ficar bem à vontade nos palcos, sua carreira de cantor aconteceu por acaso. Safadão cantou pela primeira vez depois que um integrante do grupo não compareceu a um show e acabou virando vocalista oficial da banda. "Quando cantei pela primeira vez, era muito jovem e não tinha a dimensão do que poderia conquistar. Graças a Deus, a minha família e meus fãs estou vivenciando um momento muito especial na minha carreira", disse o cantor em entrevista exclusiva a OVALE. Desfilando seu visual repaginado já há alguns anos, com cabelos curtos e topete alinhado, Safadão tem se aproximado cada vez mais de outros estilos brasileiros além do forró. O músico ja fez parcerias com Anitta, com a dupla Matheus e Kauan, Kevinho e outros. "Não quero me limitar a um gênero específico, essa mistura de ritmos mostra que, com harmonia, tudo se encaixa. O público gosta demais e para nós cantores, trás muito aprendizado. Todo mundo ganha", completou o cearense. Wesley Safadão vai lançar em breve seu novo DVD, gravado no Rio de Janeiro no fim de agosto. O regitro aconteceu duranteo festival Garota Vip e gosta todo o poder de levantar a plateia que só Safadão tem. Depois do show em São José, o cantor vai embarcar em uma turnê para os Estados Unidos. "Estou muito confiante que essa turnê será ainda melhor que a última, os estrangeiros amam nossa música e nossos ritmos. Fazer os brasileiros que moram lá matarem a saudade é uma honra enorme para mim", finaliza..
Cover de Tim Maia e show de comédia serão a atração desta semana no Shopping Center Vale, em São José dos Campos. Na segunda-feira (16), a banda "16 Toneladas" sobre ao palco do Center Vale Music Tributos, a partir das 19h30, com entrada gratuita. Sucessos como “Do Leme ao Pontal”, “O descobridor dos Sete Mares”, “País Tropical”, “Taj Mahal” fazem parte do repertório que busca reviver o melhor da música nacional e internacional, cantada por artistas e bandas locais. Durante o show, os clientes poderão resgatar cupons de descontos em restaurantes da Praça de Alimentação utilizando o aplicativo de celular do shopping. Já na terça-feira (17), Jeffinho Farias, humorista de “A Praça é Nossa”, Valdeci Proença, do “The Noite”, e Daniel Murillo, ícone na arte da improvisação vão participar do "SóComédia", que também acontece na Praça de Alimentação. Jeffinho Farias iniciou sua carreira em 2008, fazendo apresentações em ruas, praças e espaços alternativos. Portador de deficiência visual, em pouco tempo foi convidado a participar de programas humorísticos na Rede Globo. Viaja o Brasil com sua peça de “Ponto de Vista” e é ator integrante do clássico humorístico “A praça é nossa”, do SBT. Valdeci Proença deixou a carreira de bancário para se dedicar ao sonho de ser um grande comediante. Portador de nanismo, transforma em humor as situações do dia a dia de um anão. Eleito astro do ano pela COBLAC (Corte Brasileira de Letras, Artes e Ciência) de Sorocaba, em maio de 2018, é integrante fixo do programa “The Noite”, do SBT. Daniel Murillo começou sua carreira em 2009 e desenvolveu técnicas únicas e imprevisíveis de atuação e improvisação. Foi integrante fixo do quadro “Maratona do Humor”, no programa Tudo É Possível, da Record TV. É considerado um ícone para os humoristas da nova geração e àqueles que estão ingressando no meio cômico nacional.
A partir deste ano, o ECAD – Escritório Central de Arrecadação e Distribuição dos Direitos – adotou novas regras para o cálculo e distribuição dos valores aos autores musicais no segmento da TV por assinatura. Os vários canais passaram a ser categorizados de acordo com a audiência – baixa, média ou alta. Andó, Antonio Scapellini, autor de mais de 50 músicas, gravadas por Simonal, João Nogueira e Benito di Paula, entre tantos outros, foi um dos compositores de “Tormento D´Amore”, tema de abertura da novela “Terra Nostra”, exibida no Viva. O pagamento de março, último realizado, relativo às tantas execuções, foi de R$ 15. E o que deixa o Andó e a todos sem entender rigorosamente nada é que os resultados do Viva são sempre muito bons. Os das novelas melhores ainda. A reexibição de “Terra Nostra” foi um sucesso. Não é estranho? TV Tudo Mercado O Fox Sports contratou o comentarista Marcelo Capretz, que estava no SBT – Sorocaba. Um estudioso. E que se coloca de forma bem diferente do até agora pitoresco Carlos Alberto, ex-jogador. Gravando – 1 A Band já deu início às gravações dos 13 episódios desta primeira temporada do “Planeta Startup”, programa com apresentação de Ana Luísa Médici e a participação de Tallis Gomes, Dani Arruda e Amure Pinho, como jurados. Reality de empreendedorismo, com estreia anunciada para o dia 26, às 22h45. Gravando – 2 “Me Poupe”, na área das finanças, que terá à frente a jornalista Nathalia Arcuri, também está com seus trabalhos em estágio bem avançado. No ar a partir do dia 30, na mesma faixa das 22h45. Preocupação O bom desempenho da Record no horário e a estreia do “Se Joga”, na Globo, no final do mês, têm levado a direção do SBT a estudar mudanças na faixa da tarde. Do jeito que está, com desempenho abaixo do esperado, é bem complicada a situação do “Fofocalizando”. Verso e reverso A favor do “Fofocalizando” o fato de ser muito intensa a busca pelas suas ações de merchandising. Mal ou bem, sempre fecha no azul. Mas contra ele há o aspecto que quase tudo já foi tentado para melhorar a sua audiência e nada parece ter surtido efeito até agora. Misturança Em mais uma da série, agora será a vez do governador do Rio, Wilson Witzel, aparecer no quadro “Dois Dedos de Prosa”, do “Programa do Ratinho”, no SBT. A entrevista, já gravada, será exibida nesta sexta-feira. Faltou ela Entre estreias e mudanças, a Band acabou movimentando várias peças do seu jornalismo. Merecida e das mais acertadas, por exemplo, a oportunidade oferecida a Cynthia Martins no “Band Notícias”. Mas Fabiana Panachão, que também é excelente, continua esquecida. Imoralidade Nem sei se a TV Globo tem poderes de interceder nisso, mas o recurso de venda de mando de jogos, frequentemente usado no campeonato brasileiro e abençoado pela CBF, é uma das maiores sem-vergonhices do futebol. É quase que vender o resultado. Estreia A TV Aparecida estreia nesta sexta-feira, às 20h, a segunda temporada do reality show musical “Revelações Sertanejo”. Apresentado por Amanda Françozo, terá 12 episódios e exibição semanal, com seis fases no total. Ensaio Bastidor do ensaio da cena de “A Dona do Pedaço”, no ar neste sábado, em que Maria da Paz (Juliana Paes) fica sabendo por Téo (Rainer Cadete) que Josiane (Agatha Moreira) está perdendo toda a sua fortuna com os investimentos. Maria decide ajudar a filha, mas Josiane reage negativamente e se mostra agressiva. (Crédito: Paulo Belote/TV Globo) Bate – Rebate · Neste sábado, em mais uma rodada do campeonato italiano, tem Inter de Milão e Udinese na Rede TV!... · ... Transmissão a partir das 15h45, com narração de Silvio Luiz e comentários de Paulo Sérgio. · “Pancas, a cidade das pedras” é a nova série de reportagens do “Jornal da Record...” · ... Estreia na segunda-feira, com os repórteres Fábio Menegatti e Edgar Luchetta visitando o município distante 180 km de Vitória, conhecido como a cidade dos esportes de aventura. · Não há uma decisão ainda na Rede TV! se alguém irá ocupar a vaga de Val Marchiori no “Tricotando”... · ... Está tudo indicando que não. · Houve uma reviravolta bem importante no “Roda Viva”, da Cultura, após a entrada de Daniela Lima na sua apresentação... · ... O programa passou a trazer só convidados com importância... · ... Na segunda-feira, por exemplo, será a vez do ex-presidente Michel Temer. · “Música na Band”, nesta sexta, 22h45, vai apresentar o show “Origens”, de Paula Fernandes. C´est fini A segunda temporada da série “Filhos da Pátria”, protagonizada por Alexandre Nero e Fernanda Torres, será exibida entre 8 de outubro e 10 de dezembro, sempre às terças-feiras. Diferentemente da primeira, em que eles viviam no Brasil de 1822, agora os personagens estarão em uma nova época: os anos de 1930, na Era Vargas. Boston
Dos portugueses, o escritor Valter Hugo Mãe é um dos mais brasileiros. Ele afirma que, se fosse impedido de entrar no Brasil nunca voltaria para seu país natal inteiro. Apesar de ter nascido na Angola, viveu na cidade de Porto, em Portugal, desde pequeno. Em turnê pelo Brasil, o escritor lançou recentemente no país três títulos inéditos de uma vez só, "O Nosso Reino", "As Mais Belas Coisas do Mundo" e "Contos de Cães e Meus Lobos". Todos eles com uma coisa em comum: a reflexão sobre a solidão. Aqui, no Brasil, Valter Hugo Mãe pode não se sentir tão só assim. Perdeu as contas de quantas vezes veio ao país e já não se considera forasteiro. "Não sou um estrangeiro normal. Passei aqui muito tempo, li muitos dos seus autores, vi os filmes, ouço a música. Sou uma espécie de brasileiro afetivo", afirma Mãe em entrevista a OVALE. O autor é um dos grandes nomes que participará da FLIM (Feira Litero Musical), que tem início nesta sexta-feira no Parque Vicentina Aranha, em São José dos Campos. Abrindo o festival, Valter compõe uma mesa literária ao lado da escritora Conceição Evaristo, escritora que ganhou o Prêmio Jabuti "Olhos D'Água", que já foi traduzido por diversos idiomas. Neste ano, a FLIM tem como tema central o conceito dos diversos "Tus". Itinerante, Valter consegue sintetizar os diversos tipos de português que existem em seus escritos. Conhecido pelos livros "O Filho de Mil Homens" e "A máquina de fazer espanhóis", Valter transita não só pelas camadas de uma língua, mas também pelos gêneros. Escreve poesia, romance, para adultos e para os pequenos. Em 2007, recebeu o Prêmio Literário José Saramago, das mãos do próprio autor. "Por vezes, tive a sensação de assistir a um novo parto da Língua portuguesa", disse Saramago sobre Valter Hugo Mãe. MENSAGEM. Como todo o poeta, Valter tem a sensibilidade de entender nossa gente. Ao analisar a situação atual do país, ele lista uma série de desejos que espera que a população alcance. "Quero ver este país livre, não explorado, cumprindo sua promessa de paridade e respeito", diz o escritor. Atualmente, o autor está trabalhando em um novo livro, que será ambientado na Amazônia. Tendo o Brasil como objeto de inspiração, Valter afirma que, em sua última visita, encontrou-se com diversas pessoas angustiadas. "Temem pelo futuro, temem pelos filhos". "Mesmo em tempo de crise, Portugal é um lugar de muitíssimo maior justiça social do que o Brasil em tempo de esplendor. O Brasil tem um trabalho longo de integração das pessoas das periferias", completa o autor. .
Assim, naturalmente, meio que sem querer mesmo, acabou se criando na Band o chamado “Núcleo MasterChef”. Oficialmente, o departamento não existe com esse nome, uma vez que é conhecido como núcleo de realities, porém, nem precisava. Além dos títulos derivados do formato tradicional, como “Para Tudo”, “Profissionais” e o novo “A Revanche”, todos os seus integrantes, agora, terão programas solos. Erick Jacquin já está com o “Pesadelo na Cozinha” em sua segunda temporada. Para o ano que vem, se nada mudar, Paola Carosella e Henrique Fogaça também terão os deles. "Lado C" e "Mistérios do Pantanal", respectivamente, ambos apostando no ramo da culinária. Até onde isso será bom ou ruim, só o tempo dirá. O fato é que a criatividade ou o poder de pensar em produtos diferentes, na Band, parece que só vai até a página 2. Ou não consegue sair da cozinha. Que tal pensar num restaurante? Numa dessas... TV Tudo Perigo na área Por outro lado, nos interiores da Band são fortes os comentários que os programas anunciados para Ivan Moré e Hélio de la Peña correm risco de não saírem do papel. Ambos já foram deixados para o ano que vem. Por outro lado Também já estão em estudos novas mudanças na direção da Band. A saída de André Luiz Costa, do jornalismo para o digital, com a chegada de Rodolfo Schneider, foi só a primeira delas. Vem aí uma mexida no Artístico. Na ativa Felipe Bueno, ex-repórter da Band-SP, está de volta à ativa. O profissional foi contratado pela Record TV-RS justamente num momento importante para o futebol gaúcho. Contratações Depois de “O Outro Lado do Paraíso”(Globo) e “Jesus”(Record), Valentina Bulc acertou sua volta às novelas. Após participações discretas, a jovem atriz terá uma personagem de destaque em “Salve-se Quem Puder”, substituta de “Bom Sucesso” na faixa das 19h. Cirilo Luna, que esteve em “Verão 90” e “Shippados”, também assinou para esta novela. (Crédito Divulgação) Cancelada Por favor, quem leu aqui de uma entrevista do Boris Casoy com Sergio Moro, nesta quinta, em Brasília, por favor apague. O ministro cancelou. Ficaram de remarcar, mas bem lá na frente. Confirmada “Êta Mundo Bom!” será a substituta de “Por Amor”, no “Vale a Pena Ver de Novo”. Novela de Walcyr Carrasco e Maria Elisa Barredo, com as participações de Flávia Alessandra, Sérgio Guizé, Camila Queiroz, Eliane Giardini, Elizabeth Savala, Bianca Bin, Eriberto Leão, Rainer Cadete e Débora Nascimento nos principais papéis. Foi ao ar, pela primeira vez, em 2016. Não para Vivian de Oliveira, que adaptou “Os Dez Mandamentos” para a Record, entre outros trabalhos, está agora mergulhada em dois roteiros para o mercado internacional. “Também tenho o projeto de um livro infantil, que estou terminando de escrever. A ideia é que meu filho de 10 anos, Benjamin, faça as ilustrações”, informa a autora. Negócio fechado A DAZN fechou mesmo a compra do NBB, basquete profissional brasileiro, para exibir nas suas plataformas e em algumas TVs. Band e ESPN entre elas. Valores não revelados. O apetite desta empresa é algo a ser acompanhado. Fim de jogo Em meio à polêmica do beijo gay que não foi ao ar, das personagens de Bia Arantes e Anajú Dorigon, as autoras Duca Rachid e Thelma Guedes entregaram o último capítulo da novela “Órfãos da Terra”. Os momentos finais vão girar em torno de Dalila, personagem de Alice Wegmann. “Órfãos” terá seu encerramento no dia 27. Categoria Depois de criar uma obra de arte para a abertura do “Bora São Paulo”, de todas as manhãs, na Band, João Carlos Martins se superou em compor uma outra para o “Band Notícias”, jornal das 22 horas. Algo muito acima dos padrões. Coringão O diretor Caco Milano vai contar no cinema a história da criação do Corinthians. Está previsto para dezembro o início das filmagens de “O Time do Povo”. Cotados para o elenco, Sérgio Guizé, Bianca Bin, Toquinho, Péricles, Neuza Borges e Oscar Filho. Thiago Rocha, da Rede TV!, fará uma participação. Tô na minha Tino Marcos não definiu um período (mês) ou evento para retomar os seus trabalhos na Globo. “Tô só curtindo o tempo sem trabalho, pra cuidar da família, principalmente. Minha intenção é voltar ao trabalho na Globo ‘no ano que vem’”, declarou o repórter à coluna. Tino garantiu ainda que não está desenvolvendo nenhum projeto para plataforma digital, contrariando informações de bastidores. Última gravação Leandro Hassum fará nesta quinta-feira a última gravação da primeira temporada do programa “Tá Pago”, exibido na TNT. E já acontecem as negociações para a segunda edição. Bate – Rebate · SBT está atrás, mas ainda não fechou com ninguém para substituir Marcelo Parada na direção do departamento comercial... · ... Guilherme Stoliar e José Roberto Maciel estão à frente desta busca. · Milton Neves renovou seu contrato com a Band... · ... Larissa Erthal também. · Evidente que na Record ninguém abre sobre o elenco de “A Fazenda”... · ... Mas já existe a segurança que será um dos mais “complicados” dos últimos tempos. · TNT vai fazer a transmissão do 71º Emmy Awards no próximo dia 22... · ... A apresentação de toda a cerimônia será de Dane Taranha e Michel Arouca. · ... Como já foi antecipado, Carol Ribeiro e Hugo Gloss ficarão encarregados do tapete vermelho. · Vamos acertar: sobre a próxima novela de Gilberto Braga na Globo, ele está adaptando o livro A Feira das Vaidades (Vanity Fair), escrito por William Thackeray. C´est fini Adriana Garambone e Gil Coelho fecharam com a Record para o elenco de “Gênesis”. Os dois se juntam a Zécarlos Machado, Juliana Boller, Rafael Sander, Flávio Galvão, Igor Rickli, Oscar Magrini e Carlo Porto. Grava em novembro. Boston
O programa "Vai Que Cola", que começou para dar holofote ao talento do humorista Paulo Gustavo, criou asas e ganhou vida própria depois de 7 anos de sua estreia. Com personagens carismáticos e talentos novos, a sitcom tipicamente brasileira ganhou status de "Sai de Baixo", ainda que passando somente no canal de TV por assinatura. Não poderia ser diferente: o humor escrachado e caricato se une à liberdade de expressão que não seriam bem recebidas na TV aberta, o que não impede o público de conhecer a obra. Com imensa popularidade, "Vai Que Cola" ganhou seu primeiro longa metragem em 2015, expandido o universo do cenário rotatório da série. Visto por 300 milhões de espectadores, uma sequência era inevitável: a turma da pensão da Dona Jô volta às telonas para "Vai Que Cola 2", que estreia nos cinemas nesta quinta-feira. Apesar de perder Paulo Gustavo, estrela do primeiro filme, a obra tem um punhado de histórias cativantes para explorar, personagens direto do subúrbio do Rio de Janeiro. "A gente aproveita o que foi construído em sete temporadas e volta no tempo para mostrar como tudo aquilo começou", disse o diretor César Rodrigues em entrevista promocional. Dessa vez, o filme conta as origens de cada personagem, desde Jéssica, interpretada por Samantha Schumtz e todos seus namoricos, desde Velna, personagem de Fiorella Mattheis, com seus inúmeros disfarces. "Quando você pensa que já viu todas as loucuras do Vai Que Cola, você está errado. No filme, a gente se solta mais do que na série. É como um cachorro que saiu para passear", conta Samantha, em meio a risadas. O destaque fica para o personagem Ferdinando e sua saída do interior para a cidade grande. De acordo com o ator Marcus Majella, o personagem vai beijar dois homens no filme. "E aqui não vai ter ninguém para censurar", afirma o ator, referindo-se ao episódio da semana passada, em que o prefeito Marcelo Crivella (PRB) mandou retirar livros que continuam imagens de dois homens de beijando da Bienal do Livro. No filme, as loucuras de Ferdinando são ainda mais amplificadas. Seus sonhos absurdos vão ficar vívidos na tela dos cinemas, ainda mais saindo da mente de sua versão mais jovem. "Como ele transita entre a fantasia e a realidade, no cinema, ao contrário da série, a gente consegue ver como ele pensa", afirma Majella. Sem economizar nas risadas, o filme ainda conta com a participação de Serginho Malandro, que reencena o clipe de "Lua de Cristal", da Xuxa, com Ferdidando. Assim como na série, o telespectador não vai ficar sem os improvisos que acontecem na série ao vivo. "Toda a cena em que Maicól e Ferdinando se encontram foi improvisada", disse o ator Emiliano D'Ávila..