notícias

Em visita ao Vale do Paraíba nesta sexta-feira (18), o governador João Doria (PSDB) reafirmou a intenção de vacinar toda a população adulta de São Paulo até o dia 15 de setembro e prometeu, ainda este ano, lançar o trem intercidades na região. O tucano esteve em Taubaté para uma série de inaugurações e liberações de obras, e, durante o evento, anunciou o investimento de R$ 136 milhões em rodovias da RMVale. Durante seu discurso, Doria afirmou que o estado de São Paulo já atingiu 52 milhões de doses, e voltou a prometer vacinação da população adulta. "Até 15 de setembro, São Paulo terá feito a vacinação de todos os paulistas, brasileiros e estrangeiros com mais de 18 anos que residam no estado", disse o tucano. O governador também disse acompanhar a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19, no Senado Federal, e que há convicção de que "houve um desleixo muito claro" do governo Jair Bolsonaro (sem partido) na condução da pandemia. "Teremos mais dois ou três meses pela frente, mas, como cidadão, me sinto representado pela CPI até o presente momento", afirmou. TRANSPORTE. Durante o evento, o governador aproveitou para dizer que pretende, ainda este ano, lançar a concessão do trem intercidades, um pleito previsto para a região. "Será uma concessão privada, vamos lançar esse projeto [ainda esse ano]. É um sonho de pelo menos três décadas, e agora vai ser materializar." Doria afirmou que a etapa do projeto que passa pelo Vale do Paraíba deve ser lançada próxima a da região metropolitana de Campinas. "Não é barato e não é rápido, mas precisa ser iniciado e precisamos fazer agora nesse segundo semestre, tanto aqui [na RMVale] quanto em Campinas", declarou. A tendência é que haja paradas em São José e Aparecida..
O pico de internações atingido pela RMVale em junho soma um aumento de mais de 80% em relação ao máximo de pessoas com a Covid-19 que foram hospitalizadas em unidades da região em 2020. Os dados constam em levantamento produzido pela Info Tracker, plataforma de acompanhamento da Covid-19 desenvolvida pela USP (Universidade de São Paulo) e pela Unesp (Universidade Estadual de São Paulo). Os dados indicam que o maior registro de leitos ocupados na região, em 2020, foi no dia 13 de agosto, quando 324 pessoas estavam internadas no Vale. Contudo, em 2021, o dia 5 de junho somou 591 pessoas internadas -- em um aumento percentual de 82%. Até 17 de junho, permaneciam hospitalizadas ao menos 568 pessoas com a doença. Para a médica e secretária de Saúde Rosana Gravena, de Jacareí, o indicador é diretamente relacionado com o atraso na imunização dos brasileiros. "A demora da vinda da vacinação para o Brasil fez aparecer novas cepas, com transmissibilidade muito maior e que são mais graves", explicou. "Agora está melhorando, mas nós ficamos muito tempo com 150% de ocupação. Tinha gente no respirador e do lado de fora, pessoas sendo acompanhadas, mas esperando vaga. Quando morria um, ou tinha alta um, caía para 95%", contou. Outro indicador da plataforma é relativo ao tempo de internação, cuja média se encontra em 18 dias no Vale. Até 2020, o período era de oito dias. Infectologista em São José dos Campos, Lucas Darrigo apontou que o tempo se relaciona com o acometimento de pessoas mais jovens nesta fase da pandemia. "Quando o jovem adquire uma forma grave ele fica mais tempo internado porque resiste mais às consequências da Covid e à insuficiência respiratória, então aumentando o tempo de internação acaba aumentando o número de pessoas internadas também", esclareceu. O médico reforçou ainda a necessidade da manutenção de medidas restritivas. "As pessoas deixaram de acreditar nas medidas de prevenção, perderam o medo da doença de uma maneira muitas vezes infundada, muitas vezes até estimulada por algumas autoridades".
O Vale do Paraíba ultrapassou na última semana a marca de um milhão de doses aplicadas das vacinas contra a Covid-19. No entanto, o ritmo de imunização ainda é lento diante da necessidade de controlar a pandemia do coronavírus, que já contaminou mais de 266 mil pessoas na região. Dados oficiais da vacinação divulgados pelas prefeituras e pelo governo estadual mostram que o Vale pode levar até dois anos para completar as duas doses da imunização em 75% da população, quando a pandemia pode ser controlada, segundo especialistas. No total, a região acumulava na quinta-feira (17) um total de 1,116 milhão de doses aplicadas de vacinas contra a pior doença do século, que já condenou à morte 5.755 moradores da região. “Podemos controlar a pandemia mesmo sem vacinar toda a população. Quando atingida a cobertura de 70% a 75%, a queda na incidência foi percebida até no grupo que ainda não tinha completado o esquema vacinal”, disse Ricardo Palacios, diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, sobre o estudo em Serrana, cidade que recebeu vacinação em massa contra a Covid-19. “Tivemos redução de casos sintomáticos em geral de 80%, independente de tomar a vacina, e redução de internação de 86% e de 95% nos óbitos. Efeitos diretos e indiretos da vacina”, completou o médico. Segundo ele, a redução de casos em pessoas que não receberam a vacina indica a queda da circulação do vírus, o que só é possível com a vacinação em massa. “Foi possível comprovar a proteção de populações não imunizadas, como crianças e adolescentes. Isso reforça a vacinação como uma medida de saúde pública, e não somente individual”, disse. RMVALE A imunização começou em 20 de janeiro deste ano na RMVale. A região acumula 801,7 mil vacinas aplicadas em primeira dose, o que corresponde a 31% da população. Na segunda dose, a região aplicou 315,2 mil vacinas (12% dos moradores). No Vale, o percentual de 75% da população representa 1,93 milhão de pessoas. Considerando os 315 mil vacinados em segunda dose, até o momento, ainda faltam 1,61 milhão de moradores para obter a imunização completa. Para que esse público seja alcançado, no atual ritmo de 2.226 vacinas por dia, em média, serão necessários 723 dias, quase dois anos completos. LENTO. O ritmo de vacinação em primeira dose contra a Covid-19 no Vale do Paraíba é 200% maior do que na segunda dose, considerando o último mês. De acordo com dados das prefeituras e do governo estadual, a região saltou de 508 mil para 801,7 mil vacinas aplicadas em primeira dose, um crescimento de 57,7% no intervalo de um mês. No mesmo período, a segunda dose passou de 263,7 mil para 315,2 mil, um aumento de apenas 19,5%. Para piorar o quadro, a segunda dose havia registrado crescimento nos dois últimos meses da comparação, acima até do percentual de primeira dose: 94% e 108% contra 74% e 76%. Uma das explicações é que a vacina da Fiocruz/AstraZeneca exige três meses de separação entre as doses. A outra é a falta do vacinado para receber a segunda dose, o que compromete a imunização.
Após quatro meses de queda consecutiva nas exportações, o Vale do Paraíba registra em maio a primeira alta do ano no montante vendido ao exterior, segundo dados oficiais do Ministério da Economia. As empresas da região exportaram US$ 1,14 bilhão em maio, o dobro do mês anterior (US$ 574 milhões) e 141,6% de aumento na comparação com maio do ano passado, quando as exportações ficaram em US$ 472,2 milhões. Em 2020, maio foi o mês mais afetado pela crise econômica derivada da pandemia do coronavírus. O período registrou o mais baixo montante de exportações da região em 2020. O resultado de maio deste ano pode sinalizar para uma tendência de aumento nas exportações nos próximos meses. O principal motivo é que os principais países importadores da região, como Estados Unidos, China e nações europeias, já estão em trajetória de controlar a pandemia em seus territórios. “Para a economia retornar é preciso primeiro controlar a pandemia. A vacinação é a chave para a recuperação econômica”, salienta Edson Trajano, economista e pesquisador do Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais), da Unitau (Universidade de Taubaté). A exportação de US$ 1,14 bilhão em maio de 2021 é o maior valor para um único mês desde abril de 2019, quando a região vendeu ao exterior US$ 1,37 bilhão. SALDO. Com o resultado, a RMVale fechou os cinco primeiros meses do ano com saldo de US$ 3,58 bilhões nas exportações, 10% a mais do resultado do mesmo período do ano passado, de US$ 3,25 bilhões. As empresas ainda importaram US$ 2,79 bilhões de janeiro a maio deste ano, resultando em um superávit de US$ 787 milhões no ano. O valor ainda ficou abaixo (-37,7%) do desempenho de 2020, quando a região fechou os cinco primeiros meses com superávit de US$ 1,26 bilhão. A boa notícia é que o superávit de maio foi 193% superior ao resultado de 2020: US$ 447,5 milhões contra US$ 152,4 milhões. Foi ainda o primeiro mês do ano com superávit maior do que o mesmo mês de 2020.
ConvênioTaubaté e Campos do Jordão assinaram na sexta-feira (18) um convênio para a abertura de 40 novos leitos para o tratamento de Covid-19 no hospital do município da Serra da Mantiqueira. Serão 26 leitos de enfermaria e 14 leitos de UTI.Parceria“Ele [o prefeito Marcelo Padovan, do PSDB] tem 40 leitos vazios em Campos do Jordão, ele não tem autorização para cuidar Covid. Então a gente pega nossa equipe, leva para lá, e usa o hospital de Campos do Jordão para atender Covid. Tem que fazer alguma atualização, acho que em um mês a gente já esteja começando a funcionar em Campos”, explicou o prefeito de Taubaté, José Saud (MDB).Operação“Isso vai deixar as pessoas de Campos lá, que hoje usam o HMUT [Hospital Municipal Universitário de Taubaté]. As pessoas de São Bento [do Sapucaí] e Santo Antônio [do Pinhal], que também usam o HMUT, eles ficam lá em Campos. E a gente, se tiver cheio aqui, também consegue usar os leitos de lá. Não tenha dúvida de que toda a região ganha com isso”, completou Saud.Atendimento“Um novo recurso, onde a Prefeitura põe recurso, o governo do Estado também, para desafogar o número de pacientes na região. Ninguém fica sem atendimento, estamos avançando na imunização e em paralelo cuidando do número de leitos. Com esse novo hospital na Mantiqueira, vamos desafogar municípios no entorno. Tudo que for necessário para manter a assistência hospitalar na região vamos continuar fazendo”, disse o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marcos Vinholi.
A Justiça de São José dos Campos determinou que seja feita uma perícia técnica para verificar se houve alguma irregularidade na auditoria de 2019 do transporte público, realizada pela Prefeitura.A decisão atende pedido da Defensoria Pública, que desde janeiro de 2019 contesta judicialmente os últimos dois reajustes da tarifa de ônibus no município – em meio ao processo, a Prefeitura chegou a ser impedida, momentaneamente, de aumentar o valor da passagem em 2019 e 2020.Caso a perícia aponte alguma irregularidade, a Prefeitura pode ser obrigada a rever o percentual dos reajustes. Não há previsão de quando o estudo será concluído – sequer foi definida a entidade que fará a análise.Questionada pela reportagem, a Prefeitura informou que iria analisar a decisão que determinou a realização da perícia.REAJUSTES.Em janeiro de 2019, a pedido da Defensoria Pública, a Justiça impediu a Prefeitura de aplicar o reajuste previsto à época, que variava de 4,26% a 4,88% e era acima da inflação acumulada (3,02%): a tarifa passaria de R$ 4,10 para R$ 4,30 para usuário comum; de R$ 4,70 para R$ 4,90 para empresas; e para R$ 4,90 para quem paga em dinheiro.De abril de 2019 a janeiro de 2020, após o Tribunal de Justiça autorizar apenas a reposição da inflação, a tarifa foi de R$ 4,20 para usuário comum e dinheiro e de R$ 4,84 para vale-transporte.Em janeiro de 2020, a Prefeitura também precisou recorrer ao TJ para poder aplicar um aumento de 7,3% na passagem de ônibus. Desde então, a tarifa é de R$ 4,50 no passe comum, de R$ 5,20 no vale-transporte e de R$ 5 no dinheiro. Dúvida sobre participação popular foi o impasse que chegou a impedir reajustes O fator que chegou a impedir momentaneamente os reajustes da tarifa em 2019 e 2020 foi a dúvida sobre a participação popular no processo. A legislação da época exigia que uma comissão representativa da comunidade acompanhasse a auditoria, mas o papel foi desempenhado pelo (Conselho Municipal de Mobilidade Urbana), que tem maioria de representantes ligados ao poder público.
O governo José Saud (MDB) pretende utilizar a sobra do empréstimo do LED para custear pelo menos 12 obras de infraestrutura urbana e saneamento em Taubaté. A mudança na destinação dos R$ 8,149 milhões foi autorizada pela Câmara em março. Dessas 12 obras, três já foram licitadas. Uma delas é o fechamento da cratera de 20 metros de diâmetro por 8 metros de profundidade aberta em março na Rua Argentina, na região central. O contrato, que custará até R$ 2,3 milhões, é disputado por duas empresas, a RT e a Ideal. A obra tem prazo previsto de três meses: 95 metros de tubos de aço tipo Armco serão substituídos por aduelas de concreto. As outras duas obras licitadas já tiveram os resultados homologados e foram vencidas pela Verdebianco Engenharia: o fechamento da cratera que se abriu em fevereiro no Mourisco custará R$ 358 mil; e a execução do gabião no Córrego do Convento Velho, no Jardim Santa Clara, custará R$ 489 mil. A primeira tem prazo de execução de 60 dias, e a segunda de 90 dias. PACOTE. Do restante do pacote, cinco obras estão em fase do orçamento. A relação tem: a limpeza do parque do Campos Elíseos; a pavimentação de 700m de avenida no Piracangaguá/São Gonçalo, estimada em R$ 800 mil; a ligação da tubulação existente com aduelas na região do Mercatau, estimada em R$ 100 mil; o barramento do Jardim do Lago 1, que deve custar R$ 1 milhão; e o binário da Avenida Nove de Julho – nesse caso, será feita uma adaptação na Rua Dino Bueno. Outra obra do pacote está em fase de projeto: a execução de um gabião na Estrada da Baracéia, onde ocorreu um desmoronamento de meia pista. O custo estimado é de R$ 500 mil. As outras três obras estão em fase de estudo. São elas: a manutenção da rede de tubos de aço de águas pluviais; a ligação da rede de água do Campos Elíseos com aduelas da Juca Esteves; e a manutenção de viadutos, como o da CTI, estimada em R$ 1,5 milhão. Em resposta a questionamentos da Câmara, o secretário de Obras, Rodrigo de Oliveira Rodrigues, ressaltou que a Prefeitura tem até dezembro de 2021 para utilizar essa verba, que foi emprestada pela Caixa Econômica Federal.
Ao final da primeira rodada da Copa América, realizada no Brasil, os quatro jogos dos dois grupos tiveram um total de 10 gols marcados, até a última segunda-feira. No entanto, na quarta, o Ministério da Saúde confirmou 52 casos de Covid-19 relacionados a organização da Copa América. Ou seja, o número de contaminados pela doença que muitas vezes pode ser letal foi cinco vezes maior do que o número de gols na competição. Será que valeu a pena? Ainda de acordo com os dados do ministério, entre os infectados, 33 são jogadores e membros de delegações e os outros 19 estão entre prestadores de serviços contratados pela Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol)para realização da competição. Até o momento, a Seleção Brasileira não contou com diagnósticos positivos para a doença. Mas a Venezuela, por exemplo, adversária da estreia da seleção, teve 13 membros contaminados. O atacante Marcelo Moreno, da seleção boliviana e também do Cruzeiro, artilheiro do time da Bolívia nas Eliminatórias, é um dos que testou positivo. Vale lembrar que, inicialmente, a Copa América seria realizada na Colômbia e na Argentina. O primeiro país desistiu da disputa. E, há poucos dias do início, os argentinos também desistiram. E, assim, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não pensou duas vezes antes de aceitar receber os jogos, mesmo com uma média de quase 2.000 mortes diárias. Muitos jogadores ficaram contrariados com o torneio. A seleção da Argentina, por exemplo, prefere treinar em uma bolha montada em Ezeiza, onde eles consideram mais seguro do que ficar no Brasil.. POSIÇÃO. O técnico Tite revelou se sentir "desconfortável" com os privilégios do futebol em meio à pandemia de Covid-19. Para o comandante da Seleção Brasileira, o mundo da bola acaba levando vantagem sobre outras pessoas na vacinação. "Eu fico torcendo para que não tenhamos nenhum caso em nossa comissão, esse é meu sentimento. Tenho a opinião de que o futebol é privilegiado em relação a isso, eu me sinto desconfortável. O futebol é privilegiado em relação a tantas outras pessoas que precisam de vacina. Aqui não estamos falando de política, mas de saúde. As pessoas precisam de vacina para para voltar a seus empregos e voltar a dignidade", afirmou. Em abril, a Conmebol recebeu 50 mil doses de vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac. O imunizante está disponível às seleções que disputam a Copa América e às equipes que participam da Libertadores e Sul-Americana..
Confira, abaixo, uma lista de perfis de pessoas ligadas no mundo da culinária, que sempre trazem dicas interessantes para quem é ligado no tema e busca conhecer novos pratos, além de aprender novas dicas importantes. 1 - Chef Ju Lima Ela bomba nas redes sociais. Eu tive a honra de ter estudo e me formado com esta mulher forte e tão determinada. Com cerca de 400 mil seguidores, ela compartilha receitas diariamente. Chef Ju Lima é mineira de Belo Horizonte. Tem apenas 26 anos e muitas histórias para contar. Se formou em duas faculdades, administração e logo depois decidiu seguir seu coração e se mudou para Paris para estudar gastronomia na Le Cordon Bleu Paris. Ela define a si mesma como uma churrasqueira com especialidade em culinária francesa que aprendeu muita coisa cozinhando em casa com o pai. Ju Lima está no time Rafa Costa e Silva na terceira temporada do Mestre do Sabor. 2- Paola Carosella Paola Florencia Carosell, DIVA da gastronomia, chef de cozinha, empresária, escritora e youtuber. Ela ainda foi jurada do programa MasterChef, onde ganhou ainda mais destaque na área gastronômica. Natural da Argentina, de ascendência italiana, Paola foi naturalizada brasileira. É dona de um restaurante e de um café, e tem mais de 4 milhões de seguidores no Instagram, onde compartilha receitas e dicas especiais, além de outros conteúdos. Uma personalidade e tanto da culinária! 3- Tasty Demais  O Tasty Demais é um dos maiores perfis culinários do Brasil - e não é para menos! São milhares de receitas publicadas, das mais variadas possíveis. Tem dicas práticas, pratos elaborados e muitas opções de preparo, para muitos eventos diferentes. Os vídeos publicados no Instagram (o mais seguido desta lista) são bastante explicativos e têm todo o passo a passo das receitas, então é só se jogar nas publicações! 4- Receitas de Pai O perfil do Diego Assalve é perfeito para os mais variados momentos: jantares especiais, receitas rápidas, doces, salgados, pratos elaborados e preparos simples de poucos ingredientes. São muitas receitas disponíveis para os milhares de seguidores - isso sem falar no YouTube, que tem mais de 8 milhões de inscritos. O perfil ainda tem muitas dicas práticas e didáticas, que ajudam na hora da dúvida e oferecem muita inspiração! Vale muito a pena conferir e seguir o perfil se você curte receitas acessíveis. 5- Food Network Brasil Com receitas completas e dicas práticas para a cozinha, este é o perfil oficial do canal Food Network no Brasil. Os preparos publicados no perfil são de dar água na boca e podem ajudar muito quando você está perdido para escolher a receita do dia. Ainda são publicadas várias dicas interessantes, desde a melhor forma de confeitar um cupcake até uma tabela de medidas bem útil para o dia a dia. São doces e salgados ótimos para dar um up na sua cozinha!