notícias

Fake news? A vereadora Vivi da Rádio (Republicanos) usou a tribuna na sessão de Câmara dessa terça-feira (24) para negar que tenha espalhado ‘fake news’ contra a também vereadora Loreny (Cidadania), que concorre à Prefeitura de Taubaté. Vivi apoia o outro candidato que disputa o segundo turno, José Saud (MDB). Áudio Vivi se pronunciou após vazar na internet um áudio que ela teria enviado a um dirigente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Taubaté. A conversa teria ocorrido no sábado passado (21). Prejuízo a comerciantes “A gente não pode deixar essa menina ganhar em Taubaté, essa menina vai querer prejudicar todos os comerciantes. Você sabe como funciona o PT, você sabe como funciona essa linha PSOL. Você precisa trabalhar todo mundo para votar contra ela. Vai por mim, depois vocês vão estar desesperados”, diz Vivi no começo do áudio. Na realidade, nem o PT e nem o PSOL apoiam Loreny no segundo turno. Baixaria “Preciso de vocês militando comigo agora. Essa menina quer implantar banheiro unissex nas escolas, ideologia de gênero para nossas criancinhas, a liberação de aborto, de drogas nas escolas. Se vocês não vierem na luta junto comigo, e a gente perder essa eleição, depois eu não consigo ajudar”, conclui Vivi no áudio. Sem divulgação Na tribuna, Vivi afirmou que fez essa fala para um “amigo pessoal”. “Me perguntou sobre ela [Loreny] e eu falei sobre o que eu defendo e o que ela defende”, justificou. Ataques Também na tribuna, o vereador João Vidal (PSB), que coordena a campanha de Loreny, lamentou os ataques à candidata do Cidadania. “As agressões que a vereadora [Vivi] fez por áudio à minha colega e amiga Loreny foram chateantes”, afirmou. “Nós temos oferecido o silêncio às agressões que têm acontecido à candidata. Uma mulher, jovem, sofrendo os mais variados ataques”, completou.
Prazo A Câmara de São José dos Campos aprovou nessa terça-feira (24) a prorrogação, por mais 90 dias, do prazo de conclusão das CEIs (Comissões Especiais de Inquérito) do Alvará e da Escola Interativa. CEI do Alvará A CEI do Alvará investiga supostas irregularidades na emissão de alvará de construção de uma usina incineradora no governo Carlinhos Almeida (PT). É composta por: Sérgio Camargo (PSDB), que é o presidente; José Dimas (PSDB), que é o relator; e também por Juliana Fraga (PT), Maninho Cem Por Cento (Solidariedade) e Lino Bispo (PL). Dos cinco, apenas Juliana e Lino foram reeleitos para a próxima legislatura. CEI da Escola Interativa A CEI da Escola Interativa, programa também implantado no governo Carlinhos, é composta por: Marcão da Academia (DEM), que é o presidente; Juvenil Silvério (PSDB), o relator; e também por Amélia Naomi (PT), Walter Hayashi (PSC) e Zé Luís (PSD). Os cinco foram reeleitos. Estoque Essas duas e mais outra CEI, sobre a contratação de serviços de arquitetura em unidades de saúde, foram instauradas na mesma data, 18 de agosto de 2020. Blindagem A CEI da Escola Interativa foi proposta em junho de 2017. As outras duas, em outubro de 2018. Desde então, os pedidos serviram para blindar o governo Felicio Ramuth (PSDB), já que impediam a abertura de uma comissão para apurar atos praticados na gestão tucana – pelo regimento interno, apenas três comissões podem funcionar ao mesmo tempo. Arquivamento A CEI que apurava possíveis irregularidades na contratação de serviços de arquitetura em unidades de saúde no governo Carlinhos já foi arquivada em outubro, após não identificar nenhuma falha no caso.
Neutralidade O PT e o PSDB anunciaram que não irão apoiar nenhum candidato no segundo turno da eleição para a Prefeitura de Taubaté – os postulantes são José Saud (MDB) e Loreny (Cidadania). Sem apoio “Não vamos apoiar oficialmente nenhum candidato e toda a militância está livre para votar em quem achar melhor”, disse o prefeito Ortiz Junior, que é presidente do PSDB em Taubaté. No primeiro turno, a legenda concorreu com Eduardo Cursino. Nota do PT 1 Já o PT, que concorreu com Salvador Khuriyeh no primeiro turno, emitiu uma nota em que afirma que “as duas candidaturas levadas ao segundo turno não apresentam programas que representam os interesses dos trabalhadores, das trabalhadoras e do povo que mais necessita de serviços públicos com qualidade, defendem o enfraquecimento do papel do Estado e que retira direitos do povo trabalhador, com terceirizações e precarizações de serviços públicos”. Nota do PT 2 A nota diz ainda que “ambos os projetos não buscam a defesa dos mais pobres, não apresentam propostas objetivas e de redução das desigualdades, de combate aos preconceitos, não constroem uma educação com valores cidadãos, tampouco combatem a violência de gênero, o racismo e a homofobia. Não representam as necessidades reais do povo e por consequência não representam o Partido dos Trabalhadores”. Nota do PT 3 O PT conclui que, diante desse cenário, “decidiu não fazer a indicação formal de apoio a nenhuma das candidaturas postulantes à Prefeitura de nossa cidade, liberando a nossa militância para o voto de acordo com a consciência e a opção individual de cada filiada ou filiado. Declaramos que seguiremos no campo da oposição propositiva, ajudando a fiscalizar as atuações dos eleitos e lutando pelos direitos dos que mais precisam”. Apoio a Saud O PSC, que concorreu com Chico Oiring no primeiro turno, definiu apoio a Saud no segundo turno. A formalização deve ser feita nessa terça-feira (24). Nota do PSOL 1 O PSOL, que já havia antecipado que não apoiaria nenhum candidato no segundo turno, emitiu nessa segunda-feira (23) uma nota para confirmar a neutralidade. Nota do PSOL 2 A nota diz que “as ideias programáticas que o PSOL defende não estão representadas por nenhum dos candidatos”, e que, “em um contexto como esse, a eleição se torna muito mais uma questão de veto do que de voto”. Nota do PSOL 3 “Entendemos que o candidato do MDB é um representante direto das oligarquias taubateanas, que há vários mandatos domina a Prefeitura. Seu partido, além do papel nefasto cumprido na presidência com o governo Temer, hoje é uma das bases de sustentação do governo Bolsonaro no Congresso, e não à toa, as forças de extrema direita hoje o apoiam, demonstrando uma perigosa aproximação da sua candidatura às milícias digitais perigosas da política. Assim, recomendamos que os filiados do PSOL não depositem nenhum voto nesta candidatura no segundo turno das eleições municipais, não sendo cabível qualquer apoio político”, diz a nota, sobre Saud. Nota do PSOL 4 “Nesse cenário, sabemos que a candidata do Cidadania mostra preocupação com temas como o direito das mulheres e LGBTs, tinha a prática de dialogar com movimentos sociais, enquanto vereadora, contudo é preciso afirmar que, ligações estabelecidas com grupos como RenovaBR, e por suas propostas privatizantes da saúde, da educação e da cultura não acreditamos que terá condições de promover mudanças estruturais na distribuição de recursos da cidade. A candidata se mantém muito mais comprometida com um discurso de mudança apenas de gestão, e não de orientação política, sem deixar claro o compromisso com o enfrentamento aos interesses dos setores que comandam a lógica econômica da cidade. Não vemos espaço no seu programa para as principais pautas que foram levantadas na campanha do PSOL para Taubaté, e que para nós são fundamentais para construir uma Prefeitura que governe para a maioria da população, de forma participativa, popular e democrática”, diz a nota, sobre Loreny. Nota do PSOL 5 “A partir de todas essas considerações, o PSOL de Taubaté toma por decisão não apoiar nenhuma candidatura neste 2º turno. O partido também orienta seus filiados e simpatizantes a tomarem, de maneira livre e consciente, a decisão do seu voto com base nos princípios dessa resolução”, conclui o comunicado. Outros partidos Anteriormente, o PCdoB, que concorreu no primeiro turno com Fernando Borges, já havia anunciado que não apoiará nenhum candidato. Já PRTB (Capitão Souza) e PTC (Dodô) ficarão do lado de Saud. Indefinição Dos partidos que tiveram candidatos no primeiro turno, apenas o Podemos (Fabiano Vanone) não se posicionou até agora sobre o segundo turno.
Pegou mal O projeto enviado pelo prefeito Felicio Ramuth (PSDB) à Câmara, que quer proibir o funcionamento de adegas após as 20h como forma de tentar combater os fluxos em São José dos Campos, não repercutiu bem nem entre vereadores do próprio partido. Emendas Na quinta-feira (19), mesmo dia em que o projeto foi enviado pelo prefeito ao Legislativo, dois vereadores do PSDB sugeriram três emendas para tentar amenizar os impactos da medida proposta por Felicio. Horário Dulce Rita (PSDB) propôs que as adegas possam funcionar todos os dias da semana até 21h, e não somente até 20h. Drive thru Já o vereador Sergio Camargo (PSDB) apresentou duas emendas que visam retirar do texto a proposta de Felicio de proibir vendas por drive thru nesses estabelecimentos - isso seria em qualquer horário. Pressa A base governista tentou votar o projeto ainda na sessão de quinta-feira, mas a oposição não abriu mão do prazo de emendas, que segue até o próximo dia 26. Já as comissões permanentes têm até 2 de dezembro para analisarem as emendas que já foram protocoladas pelos parlamentares. MBL contrariado O MBL (Movimento Brasil Livre) criticou o projeto de Felicio nas redes sociais. "Para coibir os fluxos, o prefeito Felício resolveu interferir na dinâmica do mercado, impedindo as adegas e depósitos de bebidas de funcionarem após 20h. Com isso, joga nas costas do empreendedor a responsabilidade do fluxo, aglomeração que é movida única e exclusivamente pela vontade dos participantes. Somos críticos a interferência do Estado na economia e, portanto, contra essa medida. Errou feio, prefeito". Contra Ex-coordenador do MBL, o vereador eleito Thomaz Henrique (Novo) também criticou o projeto. "A gente não pode continuar criminalizando quem quer trabalhar e gerar emprego e renda. Uma medida dessas gera desemprego. A adega não vende só bebida alcoólica. Vende água, vende leite, utensílios alimentícios, inclusive, coisas essenciais", argumentou. Pacote de maldade "Deixou para tomar essa medida após a eleição. Está errando o prefeito, está criminalizando quem trabalha, pela ineficiência de combater os fluxos", completou.