notícias

Após um vídeo que mostra meninas praticando parkour viralizar na web, o grupo de Taubaté se manifestou e publicou na internet uma nota em que defende a prática e o combate de estereótipos no esporte, praticado majoritariamente por homens. O vídeo virou 'meme' após uma reportagem feita pela TV Vanguarda, que apresentou nesta segunda-feira (27) um encontro de mulheres que praticam o esporte na cidade. Após a divulgação do vídeo, internautas passaram a criticar o grau de dificuldade das manobras feitas pelas meninas.  O caso chegou a ser comparado com outros grandes 'memes taubateanos', como o caso da grávida. Na nota do grupo, é reforçado o apoio para todas as mulheres que podem ter sido expostas com a divulgação do vídeo. Confira a nota na íntegra Recebemos este final de semana na cidade o 11º Encontro Feminino de Parkour, um encontro de nível nacional que tem como objetivo fomentar e potencializar a prática no meio das meninas. Parkour é um ambiente majoritariamente dominado por homens e um evento deste possui uma importância imprescindível para o empoderamento feminino dentro da prática, sobretudo nos dias atuais. Gostaríamos de dizer que o Parkour Taubaté é exatamente o que é mostrado no vídeo, independente de deboches inescrupulosos ou risadas maldosas. Somos um grupo que representa uma prática que não julga, não segrega, não exclui e não reforça estereótipos imbecilizados que uma parte da sociedade pinta para praticantes de qualquer que seja o esporte. Acolhemos todxs que nos busquem e nos esforçamos diariamente para criar um ambiente receptivo, amigável e motivador para qualquer pessoa que se sinta á vontade para tentar algo novo. Parkour é uma ferramenta coletiva de empoderamento que usamos a todo tempo para mostrar para as pessoas que elas são capazes de ocupar o lugar que sentir vontade. Mais do que isso, sentimos orgulho e nos sentimos honrados por receber praticantes fantásticas e extraordinárias, tanto dentro quanto fora da prática, na nossa cidade. Vivemos num momento onde não daremos espaço para preconceitos de qualquer que seja a natureza. Enquanto alguns tentam subverter a respectiva cena de forma maliciosa em uma forma de bullying, nós enxergamos esta mesma cena como algo lindo e extremamente forte, pois ele não difama e sim exalta a representatividade feminina dentro da prática independente de qualquer característica física ou nível de habilidade. Reforçamos que a prática de qualquer atividade para saúde, lazer e bem-estar é perfeitamente receptiva a todos os tipos de pessoas desde que você respeite seus limites e tenha bom-senso. Declaramos abertamente nosso incondicional apoio a todas as praticantes expostas nestas postagens e gostaríamos de lembra-las de que vocês são nossas heroínas. Obrigado por compartilhar o brilho de cada uma de vocês nas terras taubateanas. Somos pessoas reais, que valorizam sentimentos e que ativamente tentam construir um ambiente menos nocivo e irracionalizado para se conviver. Atenciosamente, toda a comunidade de Parkour em Taubaté.
Uma jovem foi assediada dentro de um ônibus do transporte coletivo na tarde desta segunda-feira (27) na zona sul de São José dos Campos. Após o assédio, o vídeo do crime ainda foi parar em sites pornográficos. Nas redes sociais, a estudante relatou o caso: "Estou sem chão", desabafou. Pelo Twitter, Jaiane Silva conta que estava dentro de um ônibus indo estudar quando ocorreu o assédio. Ela diz que chegou a pensar que fosse algo de sua cabeça, mas que depois recebeu e se identificou em um vídeo do crime que foi gravado e publicado em sites pornográficos. "Fui assediada. Isso porque eu saí de casa para ESTUDAR. Ser mulher é ter medo de ir pra rua correr atrás do próprio futuro. Sabem o pior? Gravaram o assédio. Fui parar num site pornô. Estou sem chão, não tenho psicológico pra lidar com isso. Por favor, me ajudem a divulgar o ocorrido", disse. Na mesma rede social, Jaiane diz que o caso foi por volta das 13h, em um ônibus que estava no Jardim Satélite. O assediador seria um homem de mais de 55 anos, branco, alto e de cabelo loiro. "Um amigo disse que recebeu esse vídeo no celular dele e reconheceu meu rosto. Fui informada na hora, ele ficou muito assustado com a situação", contou. Depois disso, a vítima e o namorado já teriam encontrado o vídeo em ao menos cinco sites de pornografia, com mais de 70 mil visualizações. "Não desejo para ninguém a sensação de se sentir usada, como se fosse um objeto!! Nunca pensei que fosse acontecer comigo as coisas que vemos na TV. O machismo está mais próximo de nós, do que imaginamos", continuou a jovem. O caso é registrado na DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) nesta terça-feira (27).  
Os motoristas de ônibus de Ilhabela entraram em greve nesta madrugada madrugada de terça-feira (28). Nesta manhã, 30% da frota foi mantida em circulação. As linhas são Balsa-Borrifos (de hora em hora), Balsa-Vila Direto (a cada meia hora), Balsa Armação Via Reino (de hora em hora) e Balsa Carijós (a cada meia hora).  O Sindicato dos Motoristas alega que a Prefeitura de Ilhabela encerrou as negociações na tarde de segunda.  O salário de um motorista de ônibus em Ilhabela é de pouco mais de R$ 1,6 mil. Nesta terça-feira (28) está prevista uma reunião envolvendo representantes da categoria, empresa e prefeitura no Tribunal Regional do Trabalho em Campinas, o que pode selar um acordo. Em nota, a Prefeitura de Ilhabela afirmou que "sempre observou rigorosamente as disposições do Contrato de Concessão n.º 93/2011, principalmente no que diz respeito aos reajustes tarifários. Portanto, desde a assinatura do Contrato em 2011, a fixação da tarifa, como remuneração pela execução do serviço, sempre se deu pela Administração Pública Municipal da mesma forma, em respeito à fórmula estipulada na cláusula 30 do instrumento contratual".    A Expresso Fênix, por meio de nota, informou que aguarda o posicionamento da Prefeitura de Ilhabela com relação ao pedido de aumento de salários dos motoristas de ônibus que atuam na cidade. "A empresa vem tentando um acordo desde outubro do ano passado e, no início de janeiro, chegamos a um acordo com o sindicato para conceder pelo menos 15% de aumento real nos salários. Sendo que, para que isso fosse possível, ficou acordado que tal aumento seria feito ao longo de três anos, dando 5% de aumento real por ano", diz a nota.