notícias

Ao final da primeira rodada da Copa América, realizada no Brasil, os quatro jogos dos dois grupos tiveram um total de 10 gols marcados, até a última segunda-feira. No entanto, na quarta, o Ministério da Saúde confirmou 52 casos de Covid-19 relacionados a organização da Copa América. Ou seja, o número de contaminados pela doença que muitas vezes pode ser letal foi cinco vezes maior do que o número de gols na competição. Será que valeu a pena? Ainda de acordo com os dados do ministério, entre os infectados, 33 são jogadores e membros de delegações e os outros 19 estão entre prestadores de serviços contratados pela Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol)para realização da competição. Até o momento, a Seleção Brasileira não contou com diagnósticos positivos para a doença. Mas a Venezuela, por exemplo, adversária da estreia da seleção, teve 13 membros contaminados. O atacante Marcelo Moreno, da seleção boliviana e também do Cruzeiro, artilheiro do time da Bolívia nas Eliminatórias, é um dos que testou positivo. Vale lembrar que, inicialmente, a Copa América seria realizada na Colômbia e na Argentina. O primeiro país desistiu da disputa. E, há poucos dias do início, os argentinos também desistiram. E, assim, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não pensou duas vezes antes de aceitar receber os jogos, mesmo com uma média de quase 2.000 mortes diárias. Muitos jogadores ficaram contrariados com o torneio. A seleção da Argentina, por exemplo, prefere treinar em uma bolha montada em Ezeiza, onde eles consideram mais seguro do que ficar no Brasil.. POSIÇÃO. O técnico Tite revelou se sentir "desconfortável" com os privilégios do futebol em meio à pandemia de Covid-19. Para o comandante da Seleção Brasileira, o mundo da bola acaba levando vantagem sobre outras pessoas na vacinação. "Eu fico torcendo para que não tenhamos nenhum caso em nossa comissão, esse é meu sentimento. Tenho a opinião de que o futebol é privilegiado em relação a isso, eu me sinto desconfortável. O futebol é privilegiado em relação a tantas outras pessoas que precisam de vacina. Aqui não estamos falando de política, mas de saúde. As pessoas precisam de vacina para para voltar a seus empregos e voltar a dignidade", afirmou. Em abril, a Conmebol recebeu 50 mil doses de vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac. O imunizante está disponível às seleções que disputam a Copa América e às equipes que participam da Libertadores e Sul-Americana..
Neymar foi as lágrimas logo após a vitória da Seleção Brasileira sobre o Peru, por 4 a 0, nesta quinta-feira. Em entrevista, assim que saiu de campo, o jogador falou do seu novo recorde com a camisa do Brasil. Com o gol que marcou na partida, ele chegou a 68, um a mais do que Ronaldo Fenômeno, com quem dividia a posição de segundo maior goleador da seleção, atrás apenas de Pelé. Durante a sua resposta, o jogador se emocionou e chorou. Ele disse que passou por muita coisa nos últimos dois anos — fora dos gramados, ele foi acusado de estupro e assédio.  — É óbvio que, para mim, é uma honra muito grande fazer parte da história da seleção brasileira. Para ser bem sincero, meu sonho sempre era jogar pela Seleção, vestir essa camisa. Nunca imaginei chegar a esses números. Para mim, é até emocionante, porque passei por muita coisa nesses dois anos, que são bem difíceis, complicadas, e esses números não são nada. A felicidade que eu tenho de jogar pelo Brasil, de representar meu país, minha família — disse o jogador.  Neymar foi o autor do segundo gol da vitória do Brasil sobre o Peru pela segunda rodada da Copa América.   TITE PEDE CALMA  Em entrevista coletiva, Tite foi perguntado sobre o desempenho de Gabigol, que não foi bem na partida e foi substituído no intervalo. O treinador pediu que não se crie uma expectativa excessiva em cima do jogador e garantiu que ele terá novas oportunidades na seleção:  — Calma. O futebol é feito de calma, senão a gente cria uma expectativa excessiva de que o jogador já tem que entrar e produzir tudo o que ele faz no clube. Futebol é uma engrenagem, ele demora um pouquinho até se ajustar. No segundo tempo, usamos um número excessivo de atacantes, porque a gente achou que era o que o jogo pedia. Talvez, se tivesse o Everton com Gabriel e Neymar, seria melhor. Esses ajustes, a gente tem que ter calma. A gente vai trabalhando essas situações.  O Brasil volta a campo na próxima quarta-feira, também no Nilton Santos, para enfrentar a Colômbia.
Nesta quinta-feira, a Seleção Brasileira derrotou o Peru por 4 a 0, no Estádio Nilton Santos, em jogo válido pela segunda rodada da Copa América. Com gols marcados por Alex Sandro, Neymar, Everton Ribeiro e Richarlison, o time comandado por Tite garantiu a classificação às quartas de final do torneio de maneira antecipada. O primeiro tempo não foi de grandes oportunidades criadas. Postado em um ofensivo 4-2-4 quando tinha a bola, o Brasil não criou diversas chances, porém foi efetivo, com Alex Sandro aparecendo dentro da área para marcar. Na segunda etapa, o grande diferencial foi Neymar, que esteve muito mais ligado e ativo nas ações ofensivas da Seleção. Além de marcar o seu gol, deu bons passes e teve boas chances para anotar mais. Na reta final, Everton Ribeiro ainda marcou o terceiro, após bela trama coletiva da equipe. Deu tempo de Richarlison fazer o quarto e sacramentar a vitória. Com a vitória, o Brasil foi aos seis pontos, na liderança isolada do grupo B. O time só volta a campo na quarta-feira da semana que vem, contra a Colômbia, no Nilton Santos, às 21h. Enquanto isso, o Peru segue sem somar pontos, na lanterna da chave. O próximo compromisso da equipe é contra a Colômbia, no domingo, às 21h, no Olímpico. O jogo – Postado em um ofensivo 4-2-4 com a bola, o Brasil tomou a iniciativa no início do primeiro tempo e conseguiu abrir o placar aos 11 minutos. Everton fez o cruzamento da esquerda, Gabriel Jesus mandou de primeira do outro lado, e Alex Sandro apareceu como centroavante para marcar. De fora da área, Fabinho levou perigo ao arriscar chute forte, mandando à esquerda do gol. O Peru também tentou de longe, porém a finalização de Tapia foi tranquilamente defendida por Ederson. Na sequência, Yotún tocou por cima do goleiro, porém Danilo tirou a bola com o peito. Na última chance do Brasil nos 45 minutos iniciais, Alex Sandro recebeu na entrada da área e chutou por cima do travessão. Para o segundo tempo, Tite sacou Gabigol e Everton Cebolinha, promovendo as entradas de Everton Ribeiro e Richarlison. Na primeira chance, Danilo apareceu por dentro, conduziu a bola e fuzilou à esquerda do gol. Aos 60 minutos, Neymar foi derrubado por Tapia dentro da área, e o árbitro assinalou o pênalti. No entanto, Patrício Loustau foi chamado para o monitor do VAR e voltou atrás na marcação. Sete minutos depois, Neymar marcou o segundo da Seleção. Fred encontrou o camisa 10 na entrada da área, e o craque girou e finalizou cruzado para fazer o seu. Em seguida, Neymar deu passe para Richarlison, que saiu na cara de Gallese e parou em defesa do goleiro. O camisa 10 estava ligado na partida e quase marcou mais um, arriscando chute de fora da área, que saiu à esquerda do gol. O Peru desperdiçou uma grande oportunidade com Valera, que, na pequena área, isolou a bola. Neymar teve nova chance, dessa vez batendo falta. A bola passou rente à trave esquerda. Firmino perdeu oportunidade incrível, recebendo passe de Richarlison e chutando em cima de Gallese. Já aos 43 minutos, Everton Ribeiro tabelou com Neymar e foi para dentro da área. Richarlison serviu o meia do Flamengo, que finalizou com precisão para marcar o terceiro. Por fim, Neymar lançou Firmino, que finalizou e parou em Gallese. No rebote, Richarlison precisou de duas tentativas para fazer o seu e sacramentar o placar. FICHA TÉCNICA: BRASIL 4 X 0 PERU Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ) Data: 17 de junho de 2021, quinta-feira Hora: 21h (de Brasília) Árbitro: Patrício Loustau (ARG) Assistentes: Gabriel Chade (ARG) e Ezequiel Brailovski (ARG) VAR: Mauro Vigliano (ARG) Cartões amarelos: Gabriel Jesus (Brasil); Ramos, Yotún (Peru) GOLS Brasil: Alex Sandro (11 minutos do 1º tempo), Neymar (22 minutos do 2º tempo), Everton Ribeiro (43 minutos do 2º tempo) e Richarlison (46 minutos do 2º tempo) BRASIL: Ederson, Danilo (Emerson), Thiago Silva, Éder Militão e Alex Sandro (Renan Lodi); Fabinho, Fred, Neymar, Gabriel Jesus (Roberto Firmino), Everton Cebolinha (Richarlison) e Gabigol (Everton Ribeiro) Técnico: Tite PERU: Gallese, Corzo, Christian Ramos, Abram e Marcos López; Tápia, Yotún (Arias), Carrillo, Cueva (Távara), Peña (Iberico); Lapadula (Valera) Técnico: Ricardo Gareca