notícias

Ilhabela iniciou a retomada de suas atividades turísticas de maneira gradual e com foco na segurança de moradores e turistas. A adoção de protocolos de prevenção e segurança definidas pela Prefeitura tem o objetivo de evitar a transmissão da Covid-19. Por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, a administração pública tem disponibilizado materiais para os estabelecimentos comerciais no arquipélago com orientações para bares e restaurantes, náuticos, comércio e hotéis. Os informes tratam da forma de comunicação com os clientes, os cuidados com os funcionários, medidas sanitárias em áreas comuns e distanciamento no pagamento e no delivery. Ainda voltada para empreendedores e colaboradores de todos os segmentos turísticos (hospedagem, alimentação, comércio, eventos, guias e agências), a secretaria desenvolveu cursos sobre protocolos sanitários. On-line e com certificado, eles podem ser feitos até o dia 30 de outubro. Para garantir o cumprimento das normas e a segurança de todos, a fiscalização dos estabelecimentos reabertos ocorre diariamente. Na fila da balsa há uma barreira educativa na qual são exibidos vídeos para orientação pessoal e acontece uma distribuição de máscaras. A ilha permanece com sinalizações e a presença de carros de som e monitores nas praias do Perequê e do Curral para evitar aglomerações. Já o parque estadual segue fechado por determinação do Governo do Estado de São Paulo. EXPECTATIVA. Ilhabela está focada no turismo de natureza, investindo na manutenção e estruturação de trilhas da cidade e pontos turísticos. Os caminhos da cachoeira de Três Tombos, Parque das Cachoeiras e Porto dos Frades estão ganhando degraus, corrimões, guarda-corpos, bancos e decks, entre outros elementos. Outros acessos às demais praias e cachoeiras estão listados no planejamento municipal das manutenções, assim como o Centro de Atendimento ao Turista. A formação de guias turísticos através do convênio com a ETEC, workshops de avistamento de aves e baleias para profissionalizar o segmento, a sequência do incentivo ao roteiro histórico e mais de 300 vagas de capacitação em diversas áreas relacionadas são parte do plano de retomada, para qualificar trabalhadores e fomentar o setor. Para saber mais sobre as ações realizadas em Ilhabela, acesse: turismoilhabela.com
“Alô? Oi, mãe, tudo certo por aí? Escuta… Me ensina a fazer café?”. “Quer aprender do jeito mineiro ou paulista?” “Sei lá! Você faz como?” “Eu sou mineira, né, filha. Faço do jeito que aprendi com sua avó”. “Então pronto”. “Certo. Pega aquela leiteira vermelha que você tem e coloca até metade de água…” Assim começou minha quarentena. Isolada em casa, resolvi que era hora de encarar o desafio. Pois é… Tenho 30 e poucos anos e passei apenas duas vezes café na minha vida. Em ambos casos, aliás, o risco da azia não valia a pena a tentativa de um segundo gole. Achei melhor não arriscar mais. Mas no meio daquela tarde, um cafezinho caia tão bem... Água no fogo. Em tempos de pandemia, as palavras “descobertas” e “redescobertas”, “encontros” e “reencontros” e, sobretudo, “aprendizado” nunca fizeram tanto sentido. Buscamos na memória boas lembranças para nos sentirmos minimamente confortáveis imaginando um mundo que não existe mais. Mas, na verdade, tudo é um exercício de reconexão com a sua essência. O cheiro do café, por exemplo, lembra a casa da minha mãe às 16h de domingo. Água fervendo, hora de pôr o pó: duas colheres bastam. “Não desgruda o olho, o café vai subir como se fosse leite e, se você não desligar, vai sujar todo o fogão”. Tudo tem mudado muito rápido. Encaramos a cozinha, comemos mais salada, reduzimos gastos, queremos tanto um quintal florido… Tem tanta tralha nessa casa! Intimidade. É dela que a reportagem de capa da revista +São José trata. Como o isolamento tem nos afetado? Ouvimos inspiradoras histórias de moradores da cidade, há quem tenha mudado de profissão, descoberto novo hobby, redescoberto a casa ou tenha firmado laços ainda mais profundos com quem já amava. Batemos papo com quem guarda a memória viva da cidade; com profissionais que não pararam para que São José não parasse; falamos da crise econômica com o fechamento de pequenas empresas, e das novas oportunidades de negócios que surgiram; da recuperação da Embraer; sobre a ponte estaiada, nosso novo cartão postal; dos novos rumos da arte e, claro, propomos a abertura de um interessante debate de o que fazer para nos tornarmos, de fato, uma cidade inteligente. Eis uma revista diferente. Produzida com a equipe em isolamento, usando todas as tecnologias disponíveis no momento na apuração e sua produção. Diferente das outras que traziam temas como futuro e mobilidade, esta edição sugere calma. De onde viemos, para onde vamos, nossas conexões e memórias. Usando o velho coador de pano, exatamente como minha avó fazia, passei o café. Gesto simples para muitos, tão relevante para mim. “Bruno, o café está na mesa!” Marido beberica como se fosse um mestre cafeeiro! “Ficou bom”, dá o veredito. Ufa… Espero que você, leitor, ao pegar essa edição, prepare também um cafezinho quentinho (ou a bebida que preferir!) e a aprecie. Uma excelente leitura. Paula Maria Prado, Editora de Projetos Especiais de OVALE Serviço. A revista, que complementa a edição impressa de OVALE, tem distribuição gratuita. Leitores podem ainda acessar a edição por meio do flip, no site do jornal. Boa leitura..
Territory, novo SUV médio da Ford, chegará ao Brasil no próximo dia 7 de agosto em pré-venda. O lançamento oficial ocorrerá no início de setembro. O veículo havia sido revelado pela primeira vez como carro-conceito no Salão do Automóvel 2018. Segundo Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul e Grupo de Mercados Internacionais, o Territory é um produto que se baseia em três pilares: conforto, conectividade e tecnologia. "Dentro do carro, você imediatamente sente a superioridade em espaço e acabamento, com conectividade e tecnologias intuitivas", afirmou ele. "Com o FordPass, que estará conectado ao modem embarcado, os consumidores terão acesso a várias informações e funções remotas do veículo. É um produto para consumidores conectados", continua. Ainda de acordo com o executivo, o Territory amplia a gama de SUVs maiores oferecidos pela marca. Vale lembrar do pioneirismo do EcoSport, edesenvolvido no Brasil, e a presença do Edge ST, SUV esportivo."Identificamos que havia uma oportunidade de expandir a nossa linha com o Territory, posicionado numa faixa de preço entre esses dois modelos", disse Watters. "Só no ano passado, nós vendemos cerca de 1,5 milhão de SUVs globalmente. É uma linha com 15 modelos de sucesso - desde o EcoSport ao Lincoln Navigator - incluindo os novos Bronco e Bronco Sport, que acabam de ser revelados globalmente, e o Mustang Mach-E, que chega em breve ao mercado mundial". TECNOLOGIA.  O veículo chega ainda mais tecnológico que os demais carros Ford. "Sempre digo que tecnologia é irrelevante se ela não resolve problemas. E, entre os elementos presentes estão carregamento sem fio para celulares, câmera 360º com vista panorâmica e uma tela 10,1 polegadas", finalizou.
A pandemia de Covid-19, sobretudo a quarentena que obrigou as pessoas a ficarem em casa, pesou no bolso do brasileiro, segundo estudo do Instituto Ipsos divulgado recentemente. Pesquisa apontou que 60% das famílias sentiram aumento nos gastos, principalmente, em relação às despesas domésticas, com supermercados, farmácia e utilidades do lar exercendo o maior peso. A assessora de investimentos e educadora financeira Luciana Ikedo acredita que tal aumento está conectado a uma migração de parte da despesa do consumo que era feito fora de casa para dentro de casa. "As famílias passaram a ficar mais tempo no lar, muitos trabalhando em sistema home office e as crianças com aula à distância. Isso fez com que as contas de energia elétrica, água e gás tivessem aumentos significativos", disse Luciana. Na percepção de 46% dos entrevistados os custos fixos aumentaram, outros 45% disseram que os gastos estão iguais e 9% tiveram diminuição nos valores. Já o custo dispendido em impostos ficou maior para 33%, enquanto 7% relataram queda nos custos e 60% não notaram diferença. Para concluir a pesquisa, o Ipsos ouviu 18 mil pessoas com idades de 16 a 74 anos de 26 países (1.000 do Brasil), entre os dias 22 de maio de 5 de junho de 2020. A margem de erro para o Brasil é de 3,1 pontos percentuais. ANOTE NO CADERNINHO. A educadora financeira avalia que nunca foi tão importante o equilíbrio das contas como agora. Diante deste cenário, Luciana dá dicas de consumo e recomenda medidas que podem ser tomadas na crise. "Quando consumimos de forma consciente, sem desperdícios, temos uma otimização dos recursos em todas as frentes, não só financeira", afirmou. Para não comprometer a renda familiar com os custos dos serviços fixos, a especialista afirma que é fundamental: encurtar o tempo no banho, juntar todas as roupas para serem lavadas de uma única vez, evitar utilizar o ferro de passar adotando a prática de já dobrar e guardar as roupas assim que as tiramos do varal, utilizar mais a panela de pressão e menos as elétricas e não usar a iluminação artificial desnecessariamente. Listar todas as despesas, inclusive, as diárias também ajuda a controlar as finanças. "Colocando em prática essas medidas é possível reduzir os gastos entre 10 a 20%", garantiu a especialista. FIQUE DE OLHO. De acordo com a Aneel (Agência Nacional de Energia), a partir de agosto a tarifa de energia elétrica terá reajuste de 3,65%. Já a tarifa de água e esgoto terá correção de 2,4924%.
Toyota acaba de trazer para o Brasil a Kinto, sua nova companhia de soluções de mobilidade. Trata-se de uma joint-venture entre a Toyota Financial Services Corporation e a Mitsui & Co. Ltd., conglomerado japonês focado em investimentos e operações estratégicas, com o qual a Toyota já possui múltiplos projetos colaborativos ao redor do mundo. A iniciativa é parte da visão estratégica global da marca oferecer variadas soluções, atendendo às necessidades específicas de diferentes tipos de consumidores. “A Kinto é peça chave de nossa estratégia de crescimento dos negócios na América Latina. Ao unir serviços de mobilidade ao nosso modelo de negócios atual poderemos responder às necessidades dos novos consumidores, em uma sociedade que passa por profundas transformações, ainda em meio a um cenário recente e de preocupações em torno da saúde no mundo”, afirmou em nota Masahiro Inoue, CEO da Toyota para a região da América Latina e Caribe. A aposta na companhia ocorre em meio a um período de grandes mudanças e expectativas. A Toyota aposta que, no período pós-pandemia, haverá uma tendência de uma parcela da população em evitar o transporte público, devido a aglomeração. Neste sentido, a demanda pelo uso de carros, mais do que a propriedade do bem, crescerá ainda mais. NEGÓCIOS.   No primeiro momento, a Kinto assume o serviço de compartilhamento de carros já existente no Brasil e na Argentina. Sendo assim, o atual Toyota Mobility Services passa a se chamar Kinto Share. As conveniências oferecidas anteriormente pela Toyota Mobility Services, como seguro, veículos conectados com telemática, acessórios e valet, serão mantidas sob a nova marca. Até o final do ano, será lançado no país o Kinto One, focado na gestão de frotas corporativas, com todos os serviços incluídos na mensalidade.
Agora é lei. Quem não usar máscaras de proteção em áreas comuns de condomínios, como elevador, garagem ou corredor, poderá ser multado em todo o Estado de São Paulo. A medida faz parte da nova resolução 96, conforme previsto no Decreto 64.959/20, anunciada pelo governador João Dória (PSDB). O texto prevê multa de R$ 524,59 para pessoas físicas e R$ 5.025,02 para estabelecimentos comerciais. Mas, no caso dos conjuntos residenciais, a autuação segue duas regras diferentes. A pena pode ser aplicada pela Vigilância Sanitária, no caso dela entrar no condomínio e flagrar a irregularidade. Nesta circunstância, a penalidade pode ser repassada ao morador que descumpriu a norma. Mas a atuação também poderá ser feita pelo administrador do condomínio, que tem regimento interno próprio e pode decidir as regras a serem seguidas para o uso de máscaras nas áreas comuns. “A regra é válida inclusive para a entrada do edifício e nos halls. No caso da garagem, o morador poderá entrar sem a máscara. Porém, ao estacionar e descer do seu veículo (e bicicleta) ele deve imediatamente fazer uso do equipamento até a sua unidade. A resolução estabelece uma multa correspondentes a R$ 5.025,02 para cada morador que não estiver utilizando a máscara”, disse o advogado empresarial Marcus Gomes. No entanto, é fundamental que o síndico comunique aos condôminos de forma transparente as novas regras e o porquê de estar proibindo ou permitindo o uso em determinado espaço. ADAPTAÇÃO. Enquanto o fim da pandemia não chega, é necessário nos adaptarmos às situações que são obrigatórias e redobrar os cuidados com a higiene e segurança. Maíra Michelena Andrade Medeiros, advogada condominial, esclarece que, com exceção de crianças com menos de dois anos de idade, todos devem fazer o uso do item. “Vale lembrar que as recomendações também se estende para visitantes e prestadores de serviços”, frisou. O texto da lei destaca ainda o risco de contaminação em locais como elevadores, pilotis (pilares), parquinho, ruas, hall de acesso e todas as áreas onde há trânsito de pessoas.