Cannabis medicinal: avanços

Epilepsia, autismo, glaucoma, Alzheimer, dores crônicas e outras doenças podem ser tratadas com produtos à base da cannabis medicinal. No Brasil, em novembro de 2019, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) regulamentou a venda de produtos medicinais à base da planta nas farmácias brasileiras, mediante prescrição médica. A produção também foi autorizada, mas só com matéria prima importada.

"Hoje, muitos estudos sobre o uso medicinal da maconha ainda são bastante enviesados por preconceito. Em todo o mundo, 40 países já legalizaram a canabis medicinal e é uma tendência global. Nos Estados Unidos, por exemplo, temos 33 estados com a maconha já regulamentada e desde 2018 a produção do canho com baixo teor de THC é legalizada", conta Diego de Carvalho, diretor de portfolio da Nurnberg Messe Brasil, uma das principais promotoras de eventos e congressos do mundo, que em novembro realizará em São Paulo o WNTC (We Need To Talk about Cannabis), que traz à tona o debate sobre os avanços da cannabis medicinal mundo a fora.

"Em nosso país, a regulamentação permite que produtos com THC ou CBD para uso medicinal podem ser comercializados pelas farmácias mediante a prescrição medica. Antes, os pacientes precisavam de uma autorização da Anvisa para importar o medicamento, o que adiava o tratamento e os tornava mais caros", explica Diego, que completa: "A regulamentação da Anvisa exige que as empresas fabricantes apresentem certificações, autorizações e certificados das boas práticas de modo a garantir o controle e sua qualidade medicinal".

O cultivo de cannabis para fins terapêuticos ou científicos no Brasil não é permitido, mas algumas famílias que alegam dificuldades financeiras para comprar a medicação têm conseguido na justiça autorização para plantar

COVID.

A Abrace (Associação Brasileira de Apoio a Cannabis Esperança) realizou uma pesquisa que pode avaliar o impacto dos canabinoides no tratamento dos sintomas de estresse agudo e crônico em profissionais da saúde que atuam na linha de frente da Covid-19.

A entidade, única no Brasil a ter permissão judicial para cultivar cannabis para uso medicinal, abriu espaço para recrutar 300 médicos e enfermeiros para um estudo clínico com óleo a base de substâncias encontradas na planta. A pesquisa foi validada no final de junho pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e será conduzida por profissionais da UFSC e da Abrace.

"Acreditamos no uso da cannabis medicinal para melhora da saúde e qualidade de vida. Não hesitaríamos em utilizar, por exemplo, entre os membros de nossa família", relata Fabiano Ribeiro, da F3 Entretenimento..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.