Reality musical

José Luiz de Souza | Colunista social

O trabalho sociocultural qualificado da Fundação Lia Maria Aguiar, de Campos do Jordão, tem rendido bons frutos. O mais recente deles chama-se Larissa Kaiany que integra há onze anos o Núcleo de Teatro da fundação e, a partir de amanhã, poderá ser vista no reality show musical ‘Revelações Brasil’, da TV Aparecida, exibido sempre às quartas-feiras, 19h30. A atração, que busca descobrir uma nova voz brasileira, é apresentada por Amanda Françozo e conta com um time de jurados formado pelo Maestro Rodrigo Costa, produtor e diretor musical do programa, e pelas cantoras Thaeme e Adryana Ribeiro. São eles os responsáveis por avaliar as performances da jordanense de 19 anos, que descobriu sua paixão pela arte ainda criança, através da música e da dança, e desde então vem se dedicando a estudar técnicas vocais e a encontrar maneiras de imprimir sua personalidade na forma como canta.

“Estou extremamente feliz. Acredito que essa participação me trará muitas oportunidades. Sempre quis ser reconhecida pela minha arte e isso está acontecendo. A fundação Lia Maria Aguiar me trouxe muitas oportunidades e sou extremamente grata por tudo. Me tornaram a artista que sou, e que pretendo continuar sendo, mostrando meu trabalho para o mundo”, conta ela, que celebra a experiência considerada única” comenta Larissa, que sempre contou com o auxílio do professor de canto, Thiago Gimenes.

Sabor tradição

Com lugar garantido entre os mais tradicionais e conhecidos doces brasileiros, a Bananinha de Paraibuna acaba de lançar seus novos produtos: bananinha mini sem açúcar; mix de castanhas (caju, do Pará e amendoim) com e sem chocolate. Além de trazer todo o sabor da tradicional Bananinhas, esses novos produtos são ainda mais saudáveis. A versão mini vem coberta de farinha de banana verde (em vez de açúcar), que tem vitaminas e minerais, assim como as castanhas, que são ricas em selênio e outras substâncias antioxidantes.

Natural e saudável, a Bananinha é a fruta concentrada em forma de doce – e sem qualquer componente químico “A Bananinha de Paraibuna é um doce do bem. Não há adição de glúten, adoçantes, corantes, conservantes. É banana pura. Prova disso é que consumimos cerca de 12 toneladas da fruta por dia”, diz Letícia Paiola, gerente de marketing da marca.

Se a Bananinha já era recomendada por nutricionistas como uma ótima opção para o lanche e sobremesa de quem gosta uma alimentação saudável, com essas novas versões ela ganhou ainda mais adeptos. Desde 1975, a Bananinha vem sendo feita num processo muito semelhante ao inicial – em tachos muito semelhantes aos antigos de Paraibuna.

Macaque in the trees
Mockup com mini bananinhas sem açúcar

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.