Pantanal vivo

José Luiz de Souza | Colunista social

Encerrou na última quarta-feira, a coleta de obras que foram doadas por fotógrafos e artistas de renome internacional – como Araquém Alcântara, João Farkas, Luciano Candisani e Marina Klink entre tantos outros – para um leilão com obras de arte expressivas (em diversas linguagens) de artistas contemporâneos renomados e atuantes, que tem por meta captar R$ 1 milhão, que será utilizado em brigadas rurais para combate a incêndios numa iniciativa da “Documenta Pantanal”, que atua em documentação, desenvolvimento e preservação do ecossistema por meio de diferentes ações. Unidas por esse desafio estão Fernanda Feitosa, Mari Stockler, Mônica Guimarães, Paula Azevedo, Susana Steinbruch, Teresa Bracher e Monica Tinoco que trabalharam na captação de obras, junto a artistas e colecionadores, que serão oferecidas a lance pelo leiloeiro Aloísio Cravo na plataforma Arremate e que iniciam agora a produção do catálogo virtual o leilão irá ocorrer em 26 de ,aio, às 20h. O montante arrecadado permitirá ao SOS Pantanal investir em equipamento, formação e manutenção de brigadas voluntárias contra incêndios na região pelo período de três anos. Nesse sentido, a instituição está articulando a conexão de uma rede de brigadas rurais voluntárias que já atuam em diferentes localidades do bioma (3 em Poconé, 2 em Corumbá, 2 em Barão de Melgaço, 2 na Chapada dos Guimarães e 1 em Santo Antonio de Leverger), compondo a Brigadas Pantaneiras. Além desses dez grupos (cada um deles com uma média de 12 pessoas), o SOS Pantanal ainda irá apoiar outras duas equipes, uma em Miranda e outra em Aquidauana. A destruição de grandes áreas do Pantanal por incêndios ganhou cobertura da mídia nacional e internacional nos últimos tempos. 2020 foi um ano especialmente trágico para a região, que sofreu com mais de 30% de seu território sendo completa ou parcialmente destruído pelas chamas. Graças a um conjunto de ações oficiais e voluntárias a expansão do fogo foi controlada, mas, para além dos estragos no bioma – muitos deles com prazos indeterminados para recuperação –, o risco de novas crises são ameaças constantes a moradores, fauna e flora. Em uma trajetória que completará dois anos em abril de 2021, o Documenta incentiva e ajuda a implementar ideias em campos diversos. São projetos de preservação, livros, filmes, documentários, vídeo-aulas científicas e trabalhos de difusão de ações relevantes nas redes sociais e na imprensa. O Documenta Pantanal atua na criação de conexões entre artistas, estudiosos, produtores e empresários, estimulando campanhas e viabilizando projetos. Nesse sentido, o leque de atividades se abriu nesse duro período de pandemia e transformar as dificuldades em qualidades passou a ser um propósito para o Documenta, que se afirma como um selo de qualidade. Com foco permanente na divulgação do bioma pantaneiro, seus habitantes, sua cultura e suas possibilidades econômicas, dá continuidade à promoção das boas iniciativas, dando suporte aos alertas e denúncias importantes.

Saiba Mais:

http://documentapantanal.com.br/

https://www.instagram.com/documentapantanal/

https://www.facebook.com/documentapantanal/

De casa nova

Funcionando em sede própria desde o final de 2020 – agora composta por dois prédios e espaços de convivência de 9,2 mil m² de área construída em um terreno de 31 mil m². São salas de aula, 15 laboratórios, consultórios, biblioteca, auditório para 216 pessoas entre outros espaços – a Humanitas, Faculdade de Ciências Médicas de São José dos Campos abriu as inscrições para o seu 1º vestibular na “casa nova” para o 2º semestre desse ano, que poderão se inscrever no site da Fundação Vunesp (www.vunesp.com.br ) até o dia 17 de maio próximo e concorrer às 60 vagas para o curso de Medicina em período integral. “Estamos muito felizes com a nova sede da Humanitas que acompanha o crescimento da faculdade e oferece aos nossos alunos mais espaços, conforto e modernidade para alcançar seus objetivos. Um ambiente de promoção da ciência com a missão de ensinar e formar profissionais de valor para atuar na área da saúde”, disse Luiz Antonio Vane, diretor-geral da Humanitas. Conheça melhor a faculdade no www.humanitas.edu.br.

Macaque in the trees
Luiz Antonio Vane

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.