Oscar 2021, uma vitória da diversidade. Veja todos os ganhadores

Da Redação | @jornalovale

Uma vitória da diversidade. Esse pode ser considerado o balanço da histórica edição de 2021 da Cerimônia do Oscar que, se não teve o glamour dos anos anteriores por conta das restrições impostas pela Covid-19, ao menos valorizou quem poucas vezes teve espaço no prêmio mais importante do cinema mundial.

A cobrança global de uma plateia que exigem filmes e histórias mais globais e multiétnicas começam a ser atendidas. E a última edição do Oscar premiou que teve desta que em 2020.

Chloé Zhao, cineasta chinesa, foi o grande expoente desta edição ao ver o seu filme, Nomadland, ser premiado em três categorias: além de melhor filme, também teve a melhor direção e a melhor atriz. E, mais: ela foi a primeira cineasta não-branca a ganhar a tão cobiçada estatueta.

Frances McDormand, vencedora do prêmio de melhor atriz, foi protagonista de um filme diferente, que teve personagens reais contracenando com ela em um longa que mostra a realidade de pessoas que perderam tudo durante a crise da década passada nos Estados Unidos e passaram a viver, como nômades, em trailers e ônibus no país.

RACISMO.

Em um ano onde o racismo foi assunto bastante discutido, com uma histórica manifestação mundial em protesto à morte de George Floyd, um homem americano negro, assassinado por um policial branco, os negros ganharam também espaço na telona.

Um dos grandes exemplos da conquista de espaço nesta edição do Oscar foi Daniel Kaluuya, ator negro que levou a estatueta de Melhor Ator Coadjuvante por “Judas e o Messias Negro”.

Travon Free, diretor do vencedor “Dois Estranho”, na categoria curta-metragem, aproveitou seu discurso para criticar a violência de policiais brancos contra negros nos Estados Unidos.

Ainda no campo da diversidade, a sul-coreana Yuh-Jung Youn desbancou a renomada e badalada Glenn Close, faturando o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante por “Minari”, outro filme que também concorreu ao Oscar nesta temporada.

RELIGIÃO.

Na edição 2021 do Oscar, pela primeira vez houve indicação a Melhor Ator a um homem muçulmano. Riz Ahmed disputou a estatueta com o Chadwick Boseman ("A Voz Suprema do Blues"), Anthony Hopkins ("Meu Pai"), Gary Oldman ("Mank") e Steve Yeun ("Minari"), que sagrou Hopkins. Ahmed não venceu, mas deixou seu nome na história.

Veja todos os vencedores da edição 2021 do Oscar:

Melhor filme

Nomadland (Em cartaz nos cinemas)

Melhor direção

Chloé Zhao, de Nomadland (Em cartaz nos cinemas)

Melhor ator

Anthony Hopkins, de Meu pai (Now, Google Play)

Melhor atriz

Frances McDormand, de Nomadland (Em cartaz nos cinemas)

Melhor ator coadjuvante

Daniel Kaluuya, de Judas e o messias negro (Em cartaz nos cinemas)

Melhor atriz coadjuvante

Youn Yuh-jung, de Minari (Em cartaz nos cinemas)

Melhor filme internacional

Druk - Mais uma rodada, Dinamarca (Now, Apple TV, Google Play)

Melhor roteiro adaptado

Christopher Hampton e Florian Zeller, por Meu pai (Now, Google Play)

Melhor roteiro original

Emerald Fennell, por Bela vingança (Estreia nos cinemas prevista para maio)

Melhor figurino

Ann Roth, por A voz suprema do blues (Netflix)

Melhor trilha sonora

Trent Reznor, Atticus Ross e Jon Batiste, por Soul (Disney+)

Melhor animação

Soul (Disney+)

Melhor curta de animação

Se algo acontecer... te amo (Netflix)

Melhor curta-metragem de ficção

Dois estranhos (Netflix)

Melhor documentário

Professor polvo (Netflix)

Melhor documentário de curta-metragem

Collete

Melhor som

Nicolas Becker, Jaime Baksht, Michelle Couttolenc, Carlos Cortés e Phillip Blath , por O som do silêncio (Amazon Prime Video, Now, Google Play, Apple TV, Looke)

Melhor canção original

Fight for you, de Judas e o messias negro (Em cartaz nos cinemas)

Melhor cabelo e maquiagem

Sergio López Rivera, Mia Neal e Jamika Wilson, por A voz suprema do blues (Netflix)

Melhores efeitos visuais

Andrew Jackson, David Lee, Andrew Lockley e Scott Fisher, por Tenet (Now, Apple TV, Google Play, Looke)

Melhor fotografia

Erik Messerschmidt, por Mank (Netflix)

Melhor edição

Mikkel E.G. Nielsen, por O som do silêncio (Amazon Prime Video, Now, Google Play, Apple TV, Looke)

Melhor design de produção

Donald Graham Burt e Jan Pascale, por Mank (Netflix)

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.