Festival Afromusic #2 celebra a música preta com programação online nos dias 9, 10 e 11 de abril

Da Redação | @jornalovale

Repetindo a dose de autenticidade e frescor do ineditismo, neste ano o Festival AFROMUSIC realiza sua segunda edição com shows de artistas e bandas pretas que estão alavancando a nova cena independente, além de uma série de entrevistas que irão refletir sobre temas ligados à música e sociedade. Totalmente gravada no Teatro de Contêiner, no centro de São Paulo, as atrações vão ao ar nos dias 09, 10 e 11 de abril, sempre a partir das 19h, no canal do YouTube Universo Afromusic.

Viajando pelos ritmos tradicionais, contemporâneos e futuristas, Jup do Bairro, Gê de Lima, Izzy Gordon, Renato Gama, Biel Lima e Fabriccio são alguns dos convidados que destacaram repertório autoral em suas próprias linguagens. O grupo Mental Abstrato, por sua vez, realiza um feat inédito com a rapper baiana Mana Bella, que nesta versão funde suas rimas aos beats e células rítmicas consagradas do jazz atual. Já a Banda Nova Malandragem, que celebra o samba-rock clássico em composições instrumentais, convida o ilustre e experiente trompetista Walmir Gil.

Fechando a agenda, Ballet Afro Koteban faz um resgate ancestral com o espetáculo que mescla som e dança a partir de uma pesquisa aprofundada da cultura Malinkê, do oeste da África. E, no ano em que o carnaval foi cancelado em todo o país, em virtude da pandemia de Covid-19, o Bloco Afro Afirmativo Ilu Inã, acostumado às ruas de São Paulo, oferece ao público seu novo "MacumBrass".

Emparelhado aos shows, compõem a programação 10 pílulas de conteúdo sobre a construção do DNA musical afro-brasileiro. Nomes como o do multiartista Salloma Salomão, da pesquisadora Danielle Almeida, dos cantores e compositores Marina Afares e Aloysio Letra estão confirmados. A Deputada Erica Malunguinho abre o Festival discorrendo sobre o tema que orientou a construção desta edição: "Música tem Cor".

"Estamos no país mais preto fora da África e é fato que a população preta e originária do Brasil inscreveu expressões vitais em nossa identidade até os dias atuais", reflete Hever Alvz, idealizador e curador do festival. "O Afromusic #2 é um convite para conhecer um universo que enaltece a música preta brasileira e mostra com quantos tons é feito um encontro que fortalece a herança e a imensa criatividade do povo preto", complementa.

Totalmente online e gratuita, essa é uma iniciativa para romper com as fronteiras da cidade e brindar o público com a arte que, mais do que nunca, tem sido um alento frente ao conturbado contexto de isolamento social.

Assinando o registro e a montagem audiovisual, Joyce Prado, da Oxalá Filmes. A apresentação é da jornalista Nayara de Deus. A realização fica a cargo do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Do começo ao fim, o festival é uma expressão fundamental a favor da vida e da cultura da população afro-brasileira.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.