Festival de Choro Pixinguinha no Vale tem programação gratuita em formato online

O Festival de Choro Pixinguinha no Vale chega à 6ª edição com uma série de shows, lives, oficinas e workshops gratuitos. Em formato online, respeitando o isolamento social, o evento terá atrações de 28 de fevereiro a 14 de março.

Com os recursos da Lei Federal Aldir Blanc, e realização da Fundação Cultural Cassiano Ricardo e Prefeitura de São José dos Campos, o maior festival de choro do Vale do Paraíba exibirá quatro shows especiais com convidados.

Para marcar a estreia do evento, o bandolinista Dudu Maia, com sólida carreira no Brasil e exterior – e indicação ao prêmio Grammy (2018) – participa de uma live e, na sequência, o público acompanha show do Quarteto Dudu Maia. Integram o conjunto os músicos Breno Alves (pandeiro), Dudu Sete Cordas (violão de sete cordas) e Pedro Vasconcellos (cavaquinho).

O grupo Chora - Mulheres na Roda, do Rio de Janeiro, é destaque no dia 6, com direito a uma live com a cavaquinista, compositora, arranjadora e cantora Laila Aurore, que integra o projeto de fomento da participação de mulheres em rodas de choro, ao lado de Carolina Chaves (flauta), Geiza Carvalho (percussão) e Samara Líbano (violão).

Outro momento que promete ser marcante é a apresentação exclusiva para o festival do bandolinista Milton Mori e do violonista Edmilson Capelupi, dois craques da música nacional. Mori tem uma rica carreira, que inclui trabalhos com Leila Pinheiro, Beth Carvalho, Emílio Santiago, Nelson Cavaquinho, Clementina de Jesus, Elza Soares, Zé Keti, Moreira da Silva, Inezita Barroso, Paulinho da Viola e Nelson Sargento, entre outros.

Capelupi também tem reconhecida presença no mercado fonográfico, participando em álbuns de Ivan Lins, Beth Carvalho, Jair Rodrigues, Antonio Nóbrega, Toquinho, Zizi Possi, Jane Duboc, Dominguinhos, Monarco, Nelson Sargento, Demônios da Garoa, Tom Zé, Jair Oliveira e Luciana Mello.

Os amigos formaram o duo Mori & Capelupi e gravaram um show inesquecível, que será exibido após live com participação dos artistas, no dia 7.

No dia 13, o grupo Descendo a Serra, de Caxias do Sul (RS), estará presente em live e show, no qual apresenta as faixas de seu primeiro EP, lançado no ano passado. O conjunto é formado por Zeca Duarte (violão de sete cordas), João Seben (bandolim), Felipe de Moraes (cavaquinho) e Eduardo Arruda (pandeiro).

Uma novidade desta edição é a mostra de composições regionais. Chorões do Vale apresentam suas composições em dois encontros, nos dias 6 e 13. Mestre Serapha, Everton Campos, Marquinhos Sun, Rogério Guarapiran, Maurício Redondo e Felipe Moreira participam da mostra.

Oficinas e workshops

Artistas da região comandam cinco oficinas gratuitas durante o evento. Rogério Guarapiran (bandolim), Everton Campos (sopros), Gabriel Amaral (violão 6 e 7 cordas), Luiz Paulo Muricy (cavaquinho) e Natália Brunelli (pandeiro) conduzem as atividades com músicos de todos os níveis de conhecimento dos instrumentos, em encontros que terão carga horária de cinco horas, de 1º a 5 de março. Os participantes que se cadastrarem e marcarem presença nas aulas virtuais receberão certificado digital.

Durante o evento, os alunos gravarão um vídeo especial e o material será editado para exibição no encerramento do festival, celebrando a participação entre alunos e professores.

Os workshops “Manuais de Dança da Sociedade Carioca (século XIX): Os Salões e o Nascimento do Choro” (Raquel Aranha), “Os Arranjos de Pixinguinha” (Paulo Aragão), “Memória do Cavaquinho Brasileiro: Revisitando Histórias do Choro” (Pedro Cantalice) e “A História da Música Popular Brasileira pela História do Regional do Canhoto” (José Armando) são oportunidades para conhecer mais sobre o gênero musical. As atividades terão acompanhamento de uma intérprete de libras.

“Mesmo com as restrições necessárias no atual momento, a intenção foi manter a tradição do festival e trazer uma programação variada. A experiência do evento online deu muito certo no ano passado, com a participação de mais 200 alunos, de 50 cidades de todas as regiões do país e sete municípios do exterior”, afirmou Raquel Aranha, que integra a comissão organizadora do festival, junto com Luiz Paulo Muricy e Gabriel Amaral.

Luiz Paulo Muricy destacou o objetivo de auxiliar os artistas em um momento difícil para a categoria, que teve poucas oportunidades de trabalho durante a pandemia. “A Lei Aldir Blanc permitiu a captação de recursos e procuramos envolver a maior quantidade possível de artistas. Esperamos que o público prestigie o evento e fortaleça a tradição do choro na região, e que possamos nos reunir nas rodas de choro em breve”.

Gabriel Amaral lembrou a importância do evento para jovens músicos, citando sua própria trajetória. “Um dos meus primeiros contatos com o choro se deu na 3ª edição do festival Pixinguinha no Vale, ao participar da oficina de violão de 6 e 7 cordas. Desde então me envolvi cada vez mais com este universo, e neste ano também atuo como professor de violão e proponente da 6ª edição do festival”, comentou.

A programação completa está disponível no site do evento (www.pixinganovale.com), no qual podem ser feitas as inscrições para as oficinas, e estão indicadas as plataformas de transmissão.

6º Festival de Choro Pixinguinha no Vale

Programação

SEMANA 1

Domingo (28/2) – LIVE / SHOW

10h15 – 10h45: Live com Dudu Maia

11h – 11h45: Show com Quarteto Dudu Maia

Segunda (1/3) a Sexta (5/3) – OFICINAS DE INSTRUMENTOS

19h – 20h: Oficinas de Choro com Everton Campos (sopros), Luiz Paulo Muricy (cavaquinho), Gabriel Amaral (violão 6 e 7 cordas), Rogério Guarapiran (bandolim) e Natália Brunelli (pandeiro)

Sábado (6/3) – MOSTRA DE COMPOSITORES 1 / LIVE / SHOW

16h – 16h40: Mostra de compositores do Vale do Paraíba

17h15 – 17h45: Live com Chora - Mulheres na Roda

18h – 18h45: Show com Chora - Mulheres na Roda

SEMANA 2

Domingo (7/3) – LIVE / SHOW

10h15 – 10h45: Live com Milton Mori e Edmilson Capelupi

11h – 11h45: Show com Duo Mori e Capelupi

Segunda (08/03) – WORKSHOP: Manuais de dança da Sociedade carioca (século XIX): Os salões e o nascimento do choro

19h – 20h: Raquel Aranha

Terça (09/03) – WORKSHOP: Os arranjos de Pixinguinha

19h – 20h: Paulo Aragão

Quarta (10/03) – WORKSHOP: Memória do Cavaquinho Brasileiro: revisitando histórias do Choro

19h – 20h: Pedro Cantalice

Quinta (11/03) – WORKSHOP: A História da Música popular brasileira pela história do Regional do Canhoto

19h – 20h: Armando Andrade

Sexta (12/03) – VÍDEO PARTICIPAÇÃO ALUNOS

19h – 20h: Transmissão do vídeo dos alunos das oficinas do VI Festival Pixinguinha no Vale

Sábado (13/03) – MOSTRA DE COMPOSITORES 2 / LIVE / SHOW

16h – 16h40: Mostra de compositores do Vale do Paraíba

17h15 – 17h45: Live com Descendo a Serra

18h – 18h45: Show com Descendo a Serra

Domingo (14/03) – ENCERRAMENTO: REPRISE DO VÍDEO DOS ALUNOS DA OFICINA + TEASER MELHORES MOMENTOS DO FESTIVAL

17h: Encerramento e exibição pela comissão organizadora do festival (Gabriel Amaral, Luiz Paulo Muricy e Raquel Aranha)

 

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.