'Não sou travesseiro para ela deitar a cabeça', diz Karol Conká sobre Camilla para tentar se livrar do paredão no 'BBB 21'

Agência O Globo | @jornalovale

O efeito rebote da saída de Nego Di no último paredão embalou a casa do "Big Brother Brasil 21" durante todo o domingo, numa espécie de ressaca moral. Integrante do grupo que o público já apelidou nas redes sociais de "Gabinete do ódio", ele deixou o reality show com 98,76% dos votos, percentual que imprimiu um recorde histórico de rejeição.

Lá nos idos do Projac, entre quatro paredes, ninguém sabe desse número. Mas calou fundo a exclusão pelo público de um dos participantes que carregavam nos ombros o peso de ter, justamente, excluído Lucas e Juliette, membros do G4, como foi apelidada a "turma do bem". Na dinâmica de um jogo de confinamento, inclusive, a dicotomia do bem x mal ganha contornos mais marcantes.

Líder da semana e tida como voz mais sensata no G3 (depois da baixa de Lucas), Sarah já mirou sua indicação para o paredão em quatro integrantes: Pocah, Projota, Arthur e Karol Conká. Todos do tal "Gabinete do Ódio".

Pocah ela argumentou sentir uma certa "falsidade", Projota ela considera articulador, Arthur brigou com Gil, seu maior aliado, e Karol, além de ter se metido na treta entre Gil e Arthur, brigou com a influencer Camilla de Lucas. A discussão envolveu militância e questão racial, dividiu os participantes e fez Karol receber críticas até dos aliados. No calor do bate-boca, ela disse que Camilla não queria "outra preta" competindo com ela no jogo.

Como consequência, a rapper passou o dia conversando com cada participante para justificar sua posição, alegando que Camilla teria sido barraqueira ao fazer referência ao seu estilo lacrador como modus operandi na vida e na carreira musical. Por trás da articulação, existe uma tentativa de evitar possíveis votos da casa no paredão deste domingo.

— Não sou travesseiro para ela deitar a cabeça — disse Karol para Pocah.??

Camilla também fez uma ronda de argumentos com os participantes. No início da noite, teve uma longa conversa com Lumena, conhecida por seu ativismo dentro da casa.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.