Zombado em novo filme de 'Borat', Trump critica Sacha Baron Cohen: 'Não acho engraçado'

Agência O Globo |

Em meio à reta final das eleições americanas, o presidente Donald Trump achou tempo para comentar o novo filme do ator e comediante Sacha Baron Cohen, "Borat 2", lançado no Amazon Prime Video na última semana.

No mockumentary, Rudolph Giuliani, advogado de Trump e ex-prefeito de Nova York, cai numa armação de Cohen e dá uma "entrevista exclusiva" para a atriz Maria Bakalova, que interpreta uma repórter menor de idade filha de Borat, o protagonista do filme, vivido por Cohen. Na cena, Giuliani aceita o convite da jovem para o quarto e é flagrado deitando na cama e colocando a mão dentro da calça. Até ser interrompido pela estrela da comédia.

Questionado por jornalistas sobre esta passagem durante voo do Air Force One, Trump disse: "Não sei o que aconteceu. Anos atrás ele tentou me enganar, mas fui o único que disse não. É um cara mentiroso. Não acho engraçado. Tudo que sei dele é que tentou me pregar uma peça."

Cohen aproveitou sua conta no Twitter para responder ao depoimento do presidente americano neste sábado. "Donald, eu agradeço a publicidade gratuita para o Borat! Eu admito, também não te acho engraçado. Mas mesmo assim o mundo inteiro ri de você", disse o ator, que continuou: "Eu estou sempre procurando pessoas que interpretam racistas bufões, e você vai precisar de um novo trabalho depois de 20 de janeiro. Vamos conversar!".

Na mesma rede social, Giuliani escreveu que "o vídeo do Borat é uma fraude completa. Eu estava ajeitando minha camisa após retirar o equipamento de gravação. Em nenhum momento antes, durante ou depois da entrevista eu fui inapropriado. Se o Sacha Baron Cohen insinua o contrário, ele é um grande mentiroso".

Um deboche sobre o comportamento ultraconservador, negacionista e preconceituoso de parcela da sociedade americana, o novo filme de Cohen é a continuação de "Borat" (2006), que arrecadou mais de US$ 250 milhões de bilheteria. A história do personagem, um atrapalhado repórter do Cazaquistão, rendeu ao filme uma indicação ao Oscar de melhor roteiro adaptado.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.