Covid-19: pesquisa revela perda nos setores cultural e criativo

Alana Gandra | Agência Brasil

Resultados preliminares da pesquisa Percepção dos Impactos da Covid-19 nos Setores Culturais e Criativos do Brasil, divulgados na segunda-feira (29), no Rio de Janeiro, em videoconferência, revelam que os setores da cultura e da economia criativa foram os mais afetados pela pandemia do novo coronavírus, “porque tendem a voltar à atividade só no fim da crise”.

A análise foi feita pelo sociólogo Rodrigo Amaral, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (Universidade de São Paulo) e um dos idealizadores do estudo. Segundo ele, a sondagem confirma o cenário de perda. “A preocupação das pessoas está muito negativa, de perda generalizada”, disse.

Como em todos os setores da economia, o impacto da pandemia sobre a cultura e a economia criativa é muito forte, afirmou. Entre as organizações ligadas aos dois setores, mais de 40% disseram ter registrado perda de receita entre 50% e 100%.

Já para os trabalhadores, as perdas narradas ficaram na média de 35%. Os dois setores movimentam R$ 171,5 bilhões por ano, o equivalente a 2,61% de toda a riqueza nacional, empregando 837,2 mil profissionais. Antes da pandemia, esses segmentos culturais e criativos tinham previsão de gerar R$ 43,7 bilhões para o Produto Interno Bruto (PIB) até 2021. O PIB é a soma de todas as riquezas produzidas pelo país.

Rodrigo Amaral informou que o trabalho recebeu uma forte participação da Região Norte, por meio do Amazonas e, sobretudo, de Manaus, onde foi percebido um comportamento mais acentuado de perda de receita provocada pela pandemia.

O menor impacto foi observado em São Paulo, onde 31% disseram ter perdido toda a receita entre março e abril. Em contrapartida, o maior impacto ocorreu no Rio Grande do Sul, onde 63% afirmaram que não tiveram receita no mesmo período.

ESFORÇO CONJUNTO.

O levantamento foi concebido a partir do esforço conjunto de pesquisadores, gestores públicos, universidades e instituições culturais, interessados em registrar a visão de indivíduos e coletivos sobre os impactos da Covid-19 nas suas áreas de atuação, nas cadeias de produção e distribuição.

O trabalho foi lançado no último dia 10 e ficará aberto para coleta de dados até o dia 16 de julho. A divulgação do relatório final está prevista para 31 de julho. Os resultados serão oferecidos às secretarias de cultura, como subsídio para a formulação de políticas públicas para os setores.

Até o momento, mais de 964 organizações e trabalhadores dos setores cultural e criativo responderam ao questionário, que pode ser acessado no link. Desse total, 69% foram respondentes individuais e 31% organizações, com predominância de artes performáticas, música e celebrações.

Entre os que responderam ao questionário, foi observada predominância de pessoas da cor branca, com ensino superior acima da média e com paridade entre homens e mulheres, na faixa etária entre 30 e 39 anos de idade (34%).

Durante a vídeoconferência, a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) anunciou ter recebido do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, a notícia da sanção presidencial à Lei Emergencial da Cultura Aldir Blanc. Ela foi relatora do projeto. A lei determina o repasse de R$ 3 bilhões para o setor cultural e foi sancionada integralmente, à exceção do prazo de 15 dias para repassse dos recursos a estados e municípios.

MEIO DIGITAL.

Rodrigo Amaral salientou que, embora todos estejam sofrendo igualmente, algumas áreas da cultura e da economia criativa não conseguem fazer uma transição muito simples para as plataformas digitais. A exceção é o setor da música. Afirmou que o meio digital pode ser uma porta de saída que oferece disponibilidade de infraestrutura a um preço adequado.

A ideia agora é fazer um aprofundamento mais qualitativo da pesquisa, que conta com apoio do Sesc (Serviço Social do Comércio), da representação da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) no Brasil, do Fórum dos Secretários e Dirigentes de Cultura Estadual e das secretarias de Cultura de Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraná, Pernambuco e Sergipe.

O pesquisador André Lira, também idealizador do projeto, disse que vai se procurar ampliar o número de parceiros para permitir ter dados que contemplem todo o país e permitam pensar soluções e implementá-las.

INTERIORIZAÇÃO.

A pesquisa busca interiorizar a captura de dados nas diferentes regiões brasileiras, contemplando profissionais que residem em cidades distantes dos grandes centros, incluindo comunidades indígenas, ribeirinhas, quilombolas e ciganas, entre outras. No âmbito das secretarias municipais, Amaral indicou que os respondentes informaram que a maior parte das ações de apoio aos setores culturais e criativos na pandemia tem se dado por meio da criação de editais e na distribuição de auxílios de pequena monta e cestas básicas, “na forma de socorro emergencial”.

A diretora de Programas Sociais do Departamento Nacional do Sesc, Lúcia Prado, disse que o Sesc acredita muito na possibilidade de promover essa capilaridade e interiorização, foco da pesquisa e da instituição. Lembrou que o Sesc conta atualmente com 600 unidades espalhadas pelo Brasil, totalizando dois mil municípios. Segundo ela, o Sesc pode ajudar a promover a pesquisa em todo o país.

Para a presidente do Fórum dos Secretários e Dirigentes de Cultura Estadual, Ursula Vidal, o estudo vem em um momento oportuno, porque entra como instrumento auxiliar muito importante no processo de mapeamento da cultura, da arte e da economia criativa. “Será uma ferramenta muito importante para essa radiografia e instrumentalização de estados e municípios”.

A coordenadora de Cultura da Unesco no Brasil, Isabel de Paula, não tem dúvidas da importância do levantamento para mapear o setor cultural que sofre com a pandemia e vai encontrar caminhos para o desenvolvimento de políticas públicas para o setor. “Teremos que pensar em uma nova maneira de construir esse trabalho”, disse Isabel, garantindo o apoio da Unesco a esse esforço.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.