Logo Jornal OVALE

vale das fantasias

SO JOS DOS CAMPOS E JACARE SEDIAM NICO FESTIVAL TOTALMENTE DEDICADO AO CINEMA FANTSTICO, COM BATE-PAPO, EXIBIES GRATUITAS E ESTREIAS REGIONAIS

Thais Perez @_thaisperez | @_thaisperez

O Vale do Paraba esconde muitos mistrios. Alguns deles, inimaginveis para mentes mais fechadas. Se a cabea no conseguir chegar sozinha nos cantos escuros do desconhecido, os filmes e livros fantsticos podem ser um caminho sem volta para o oculto.

A 4 Edio do Festival POE de Cinema Fantstico, tem incio em So Jos nesta quinta, dia 15, e chega a Jacare no dia 23.

Carregando o nome de um dos mestres do suspense, o festival rene mostras competitivas de cinema regional e nacional, sempre evidenciando produes independentes.

Entre as categorias, esto a de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Fotografia e outras divises, bem como um "Oscar" do cinema fantstico da regio.

Com apoio da FCCR (Fundao Cultural Cassiano Ricardo e Prefeitura Municipal) e Fundao Cultural Jacarehy, o evento acontece no Cine Santana em So Jos e no Museu de Antropologia do Vale.

Na abertura, em So Jos, haver uma sesso gratuita do filme Suspiria, remake lanado em abril deste ano, com a atriz Tilda Swinton.

O evento vai reunir cineastas como Carlos Primati, que discutir em uma mesa redonda o tema "Horror no Cinema Brasileiro", na sexta-feira, s 19h.

J no sbado, o destaque o primeiro encontro de Literatura Fantstica do Vale do Paraba, que contar com escritores como Thunder Dellu, autor do livro "Alm do Vale do Terror e da Imaginao".

No mesmo dia, haver exibio de diversos filmes, incluindo a antologia Cemitrio das Moscas II, que contou com a participao de trs diretores joseenses.

"O cinema aqui em So Jos e na regio est crescendo. Sempre tivemos uma cena de dana forte, de msica tambm. Agora queremos fortalecer nosso audiovisual, mostrar que temos potencial para produzir e para atrair diretos para nossos cenrios", afirma Danilo Moraes, diretor de cinema e organizador do festival.

A cineasta Aline Aros, de 26 anos, vai apresentar seu primeiro curta metragem no festival.

Intitulado "Ano 3000", o filme conta a histria de um futuro distpico. Produzido com apenas R$ 420, o curta discute o que aconteceria se a tecnologia pudesse extinguir a raa humana.

"Conseguimos um bom resultado sem muito dinheiro, imagina se tivssemos patrocnio. O objetivo captar recursos para realizar uma srie", explica ela..