+ Design

AINDA FORA DE CONTROLE

Reabertura econômica e vacinação podem dar a falsaimpressão de que a pandemia está controlada no Vale

05/05/2021 às 00:00.
Atualizado em 01/07/2021 às 01:01

O flanco aberto.

Na guerra contra o coronavírus, o Vale do Paraíba entra numa fase perigosa e arriscada, de possível relaxamento das tropas.

A reabertura econômica e a vacinação podem dar a falsa impressão de que tudo está voltando ao normal. Não está. Aliás, a situação está longe de chegar perto do que podemos classificar de normal.

Abaixar a guarda no atual estágio da pandemia é abrir a barricada para uma terceira e ainda mais letal onda do coronavírus, que pode chegar com a temporada mais fria do ano, nos dois próximos meses.

"Estamos falando de uma terceira onda no Brasil, que pode ser um tsunami. Ainda que tenhamos uma desaceleração, a melhora foi bem mais tênue do que a gente acreditava porque o cenário ficou pior que o esperado," disse Carlos Lula, presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e secretário de Saúde do Maranhão, à CNN Brasil.

O quadro piora com o crescimento da doença entre os mais jovens, que ainda não foram vacinados. De acordo com secretários de saúde do Vale, a mortalidade vem caindo nas faixas etárias mais altas da população, que já tomaram as duas doses do imunizante, e crescendo entre os mais novos.

"A projeção que tínhamos no final do ano levava em conta a aceleração da vacinação contando do que a população jovem resistisse a Covid-19 como no ano passado. Porém, hoje a doença se rejuvenesceu, temos jovens entre a maioria dos internados e daqui a pouco eles serão a maioria dos óbitos pela Covid-19 no Brasil", disse Lula.

Na região do Vale da Fé, por exemplo, a queda na taxa de isolamento da maior cidade, Guaratinguetá, veio acompanhada de uma onda mortal.

A cidade registrou 68 mortes por Covid em todo o ano de 2020 e já tem 149 em 2021, até 13 de maio. O mês tem 30 mortes pela doença contra 36 em todo o mês de abril, até então o período mais letal em Guará.

Não à toa, o município é a cidade do Vale com uma das menores taxas de isolamento social da região, de 38% na quinta-feira (13), superada apenas por Cruzeiro, com 37%.

Essa "interiorização" da Covid no Vale, como uma 'onda dentro da onda', é confirmada pelo estatístico Paulo Barja, professor da Univap (Universidade do Vale do Paraíba)..

Siga OVALE nas redes sociais
Copyright © - 2021 - OVALETodos os direitos reservados. | Política de Privacidade
Desenvolvido por
Distribuido por