Primeiro debate do segundo turno é marcado por alfinetadas entre Saud e Loreny

Candidatos do MDB e do Cidadania participaram nessa quinta-feira de um debate promovido pela TV Band Vale, em parceria com OVALE

Os candidatos José Saud (MDB) e Loreny (Cidadania) participaram nessa quinta-feira (19) do primeiro debate do segundo turno da eleição para a Prefeitura de Taubaté.

O debate foi promovido pela TV Band Vale, em parceria com OVALE.

Durante o encontro, que foi dividido em quatro blocos e teve 1h30 de duração, os postulantes ao Bom Conselho trocaram alfinetadas.

PRIMEIRO BLOCO.

No primeiro bloco, os candidatos responderam a uma pergunta do jornalista Guilhermo Codazzi, editor-chefe de OVALE. Codazzi questionou de onde os postulantes pretendem tirar dinheiro para cumprir as promessas de campanha, uma vez que o novo prefeito terá grande parte do orçamento comprometido - citou exemplos como a dívida com o IPMT (Instituto de Previdência do Município de Taubaté), que já seria de R$ 70 milhões, e o início do pagamento do empréstimo do CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina), que pela cotação atual representa mais de R$ 300 milhões.

Loreny disse que fará "com que o dinheiro de Taubaté fique em Taubaté", por meio de "contratações diretas de pessoas", para gerar emprego no município. "A arrecadação acontece por meio dos impostos que a gente paga", explicou. "A gente vai promover economia na Prefeitura também", continuou. Disse ainda que, com uma Prefeitura menos burocrática, o setor da construção civil será reaquecido. Sobre as dívidas, disse que a prioridade é pagar o IPMT, para garantir as aposentadorias dos servidores.

"Nos primeiros dias queremos fazer uma economia de R$ 30 milhões", disse Saud, afirmando que pretende rever todos os contratos e acabar com mordomias, além de acabar com a tramitação de processos físicos na Prefeitura, para enxugar gastos com papel. "É uma economia gigante", continuou, afirmando que fará uma "gestão eficiente".

Loreny afirmou que informatização é importante e disse que, em seu mandato na Câmara, não usou nenhuma regalia. "Na Prefeitura, vou abolir regalias", disse Loreny, afirmando que cortará contratos de locação de veículos e que contratará taxistas e motoristas de aplicativo para a prestação de serviços.

Saud disse que é preciso ter "experiência e sabedoria" para administrar a cidade. "Nosso servidor público precisa ser valorizado. Com ele valorizado, vai ficar muito mais eficiente o serviço da Prefeitura".

Na sequência, Saud questionou Loreny sobre uma afirmação feita por ela, de que ele nunca estudou em escola pública e não usou serviços públicos de saúde. Loreny disse que fez as afirmações com base no que se sabe da vida do candidato do MDB. Afirmou ainda ser contrária às fake news e pediu para seus eleitores não compartilharem fake news sobre Saud. "As fake news e o discurso polarizado da política afastam até as famílias", disse Loreny, que afirmou ter estudado em escola pública e utilizar a rede pública de saúde. Na réplica, Saud disse que nasceu em hospital público e utilizou hospital público durante anos. "Não veio dinheiro de graça", disse. "Agora, que tenho condição, não vou ocupar a fila do SUS. Acho absurdo quem tem dinheiro ocupar a fila do SUS", completou, dizendo que estudou parte da vida em escola pública. Na tréplica, Loreny disse que "usar serviço público de saúde é obrigação de um político". "Como funcionária do povo, preciso sentir na pele o que a população passa", finalizou Loreny.

Na sequência, a candidata do Cidadania disse que pretende fazer um contrato emergencial para substituir mais de 1.300 servidores da Fust (Fundação Universitária de Taubaté) que foram dispensados no fim desse ano e questionou o que Saud pretende fazer a respeito. "Nós precisamos valorizar todos os professores", afirmou Saud, que disse que pretende dialogar com o Ministério Público sobre a aplicação de regras mais flexíveis para a contratação de professores. "Eu vou ter que contratar mais gente, não há outra possibilidade. O aluno não pode ser prejudicado". Na réplica, Loreny disse que será preciso ter planejamento para repor o ano letivo de 2020. "Toda e qualquer decisão sobre educação eu vou fazer consultando as famílias e a comunidade escolar. Qualquer coisa". Na tréplica, Saud disse que irá realizar concursos públicos para diretores de escolas ainda no ano que vem.

SEGUNDO BLOCO.

No segundo bloco, os candidatos responderam a pergunta de uma moradora sobre geração de emprego para comerciantes ambulantes.

Saud disse que a solução desse problema começa com capacitação. Afirmou ainda que pretende zerar a taxa de luz e reduzir o ISS (Imposto Sobre Serviços) de 5% para 2%. "A cada R$ 1 investido em você [eleitor], R$ 1,38 volta para a Prefeitura", afirmou o candidato do MDB.

Loreny afirmou que "a Prefeitura não pode mais atrapalhar quem quer trabalhar", dizendo que isso ocorre hoje, com "perseguições". Afirmou que irá implantar o "alvará fácil", que irá possibilitar que os ambulantes possam trabalhar. Defendeu "segurança pública com mais inteligência e nenhuma truculência", afirmando que a GCM (Guarda Civil Municipal) não impedirá a atuação dos ambulantes. "A liberdade econômica está aí, sou totalmente favorável a isso".

Saud disse que "não podemos esquecer das cooperativas, que precisam ser ampliadas". Afirmou que "o lixo é muito caro", e que a Prefeitura paga para enviá-lo a aterro. Afirmou ainda que os moradores receberão cartão-alimentação, em vez de cestas básicas, para gastar em estabelecimentos da cidade.

Loreny afirmou que "Taubaté é campeã em desemprego no Vale do Paraíba", segundo dados oficiais. Afirmou que "vai contratar pessoas do bairro para trabalhar no próprio bairro", em serviços como poda de rua, varrição, educação ambiental e educação de trânsito.

Na sequência, Loreny indagou Saud sobre geração de emprego no setor de comércios e serviços, e perguntou em quanto tempo e para quais setores o candidato do MDB pretende fazer a redução do ISS. Saud disse que a redução de ISS será feita de forma imediata. "Nós temos que gerar emprego de qualquer jeito". Loreny disse que Saud não respondeu a pergunta, que era quando a redução será feita e para quais serviços. Loreny disse que isso é impossível de ser feito em 2021, pois precisa estar previsto na Lei Orçamentária Anual, e o projeto para o ano que vem já está em discussão na Câmara. "Precisa entender como funciona para fazer promessas", disse Loreny. "Já que você é vereadora, podia organizar isso rápido, porque é isso que vou fazer", afirmou Saud. "Tem gente que acha uma pedra na frente e não sabe como vai resolver", completou o candidato do MDB.

Saud questionou Loreny sobre a fila de espera por exames e cirurgias, afirmando que fará convênios para zerar a fila em 180 dias. Na resposta, Loreny disse que essa proposta está no plano de governo dela. "Pretendemos zerar a fila de espera por médicos especialistas. Minha mãe esperou dois anos por um médico reumatologista", afirmou Loreny. Na réplica, Saud afirmou que é preciso "trabalhar a saúde básica", aumentando de 29 para 80 as equipes de ESF (Estratégia de Saúde da Família). Na tréplica, Loreny disse que vai valorizar profissionais do ESF e profissionais de enfermagem, e que pretende fazer contratações diretas de profissionais, substituindo as terceirizações no setor.

Na sequência, os candidatos responderam a uma pergunta da jornalista Rosimara Silva, da TV Band Vale, sobre eventuais projetos do atual governo que poderão ser mantidos caso eles sejam eleitos.

Loreny disse que vai "manter e melhorar tudo que for bom", sem agir como "políticos da velha política" que acabam com tudo o que foi feito por antecessores. Disse que manterá programas como Vizinhança Solidária, Atividade Delegada (que será ampliada para Polícia Civil, Polícia Ambiental e Bombeiros), a Flit (Feira Literária Infantil de Taubaté) e que irá "manter o vôlei e melhorar", mas dividindo os investimentos do esporte para "todas as modalidades".

Saud afirmou que "investir na base é importante" e "seguir o projeto do vôlei do importante", mas defendeu "irmos atrás de patrocinadores para melhorarmos outros esportes". "Todos os esportes terão que ter o mesmo benefício", disse o candidato do MDB. Afirmou que também manterá a Atividade Delegada. "Melhor sempre as coisas. Acabar com elas, não".

Loreny disse que é preciso "quebrar com essa lógica política de encerrar tudo que foi feito anteriormente" e afirmou que a proposta do cartão cesta básica, citada por Saud, está no plano de governo dela. Disse que também haverá um cartão para compra de materiais escolares em papelarias da cidade.

Saud disse que é preciso investir em turismo, criando três centros receptivos na cidade, facilitando a geração de emprego no setor.

TERCEIRO BLOCO.

No terceiro bloco, Saud questionou Loreny sobre a existência de 38 bairros não regularizados na cidade, e afirmou que pretende resolver o problema até o fim de 2021. "Isso é mesmo uma necessidade muito importante do povo de Taubaté", respondeu a candidata do Cidadania. Loreny disse também que pretende usar espaços de vazios urbanos para a construção de moradias populares, em "pequenas quantidades de casas, 10 casas, 20 casas", para zerar a fila de espera da habitação. Na réplica, Saud disse que fez parte do Conselho Municipal de Habitação e que, na ocasião, se posicionou contra reduzir de 42 metros quadrados para 38 metros quadrados o tamanho de moradias populares na cidade. Na tréplica, Loreny disse que a política de assistência social não é valorizada da forma como deveria. Prometeu mais orçamento para os Cras (Centros de Referência da Assistência Social) e para os Creas (Centros de Referência Especializado de Assistência Social).

Na sequência, Loreny questionou Saud sobre políticas para geração de emprego no período pós-pandemia e pediu para o candidato do MDB comentar o item 4 do eixo estratégico do plano de governo dele. Saud disse que isso era "desrespeito". "Itens são palavras, precisamos fazer as coisas", disse o candidato do MDB. Na réplica, Loreny disse que, "com todo respeito, não tem motivo para sua agressividade". "Se o senhor não sabe responder qual é o eixo estratégico número quatro do seu plano de governo, parece que o senhor não leu o que está escrito lá, eu li", afirmou a candidata do Cidadania. "Fazer pegadinha é o que me deixa chateado", respondeu Saud na tréplica.

Na sequência, os candidatos responderam a um questionamento de Otávio Baldin, jornalista da TV Band Vale, sobre políticas públicas na área de cultura e turismo.

Saud voltou a dizer que irá criar três polos receptivos de turismo em acessos da cidade, e afirmou que é importante também valorizar o turismo rural, com wi-fi gratuito em toda a zona rural. "A partir daí teremos um turismo andando a galope".

Loreny disse que é gestora de políticas públicas e que vê a cidade crescendo através de pessoas, e não de obras. Disse que irá criar a Fundação Cultural de Taubaté e a Taubatur, empresa taubateana de turismo, dobrando o orçamento do setor. Afirmou ainda que irá cuidar do patrimônio e explorar espaços como o Sitio do Picapau Amarelo por meio da iniciativa privada. Disse que fará um Centro de Convenções na 'esquina do Brasil'.

Saud afirmou que as figureiras precisam de infraestrutura para trabalhar e atender com qualidade. Disse que os museus também precisam passar por adequação.

Loreny disse que Saud foi secretário municipal de Turismo e Cultura e que não ocorreram avanços para o setor nessa época.

QUARTO BLOCO.

No quarto e último bloco, os candidatos responderam um questionamento de uma moradora sobre a situação das calçadas e das vias na região central de Taubaté.

Loreny disse que esse é um problema antigo de Taubaté e que pretende "contratar pessoas, moradores do próprio bairro, para fazer pequenos serviços, zeladoria, no local". Segundo a candidata do Cidadania, isso permitirá capacitar moradores desempregados e gerar empregos. Disse também que pretende ampliar a atuação das Escolas do Trabalho. "A formação técnica e profissionalizante garante entrada no mercado de trabalho".

Saud afirmou que "muitos prefeitos não gostam de fazer obras debaixo da terra, pois não aparecem", e disse que "não adianta nada arrumar a calçada se não arrumar o que está por baixo". Afirmou que, por ser engenheiro e "não político", vai fazer essas obras. "Não me preocupo se vou ter voto lá na frente", disse. "Obra gera mais emprego. Mais emprego é mais dinheiro arrecadado pela Prefeitura", completou.

Loreny disse que foi um engenheiro de sobrenome conhecido que fez as obras na região central, cujas tubulações romperam e resultaram em crateras, em referência ao ex-prefeito José Bernardo Ortiz (PSDB).

"Parece que ter família, ter sobrenome, é ruim. Eu não consigo entender isso", afirmou Saud.

No fim, cada candidato teve um minuto para fazer as considerações finais.

Saud disse que o dinheiro da campanha veio da família dele. "Não estou tirando dos cofres públicos", afirmou, em referência ao uso de recursos do Fundo Eleitoral por Loreny.

Loreny disse que agradece a Deus por ter sobrevivido a "tantas mentiras". Agradeceu aos pais: "mesmo que eles não tenham dinheiro, são família também".

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.