DO PLANO SP?

Prefeito de São José declara 'independência' do Centro de Contingência do governo estadual, aposta em dados próprios e mantém cidade na fase amarela, contra recomendação do Estado

Xandu Alves e Thais Leite @jornalovale | @jornalovale

Independência ou morte?

São José dos Campos comanda o movimento de resistência no Vale do Paraíba que questiona os critérios do Plano São Paulo e defende dados próprios para medir o avanço da pandemia, independente da estratégia estadual.

Por sua vez, o Estado diz que há risco de morte e que a região está em alerta com avanço de casos de Covid-19 e aumento de internações de pacientes graves, dois dos principais indicadores da doença.

No meio da disputa está a manutenção do Vale na fase laranja do Plano São Paulo, criticada por prefeitos e recomendada pelo Estado. A medida breca novas reaberturas.

A resistência ao controle da pandemia na região pela gestão João Doria (PSDB) aumentou nesta semana e levou cinco prefeitos à capital, questionar os dados do Estado.

Enquanto isso, a doença avançava e batia novos recordes, ultrapassando 18,2 mil diagnósticos positivos e 580 mortes na sexta-feira (31).

A aceleração do coronavírus arrefeceu os ânimos e fez com que o prefeito Ortiz Junior (PSDB), de Taubaté, desistisse de passar a cidade para a fase amarela do plano estadual, como fez Felicio Ramuth (PSDB) em São José.

A maior cidade do Vale manteve a decisão de avançar a flexibilização e acabou surpreendida, ainda na sexta, com a suspensão do decreto da fase amarela pela Justiça.

Felicio criticou a decisão e prometeu recorrer. "Infelizmente, nesta decisão a juíza demonstrou que não quer considerar quaisquer dados técnicos", diz a prefeitura, em nota.

É mais um round da disputa entre prefeituras e Estado, que terá novos capítulos no Vale nos próximos dias.

Em coletiva, Felicio questionou dados usados pelo Comitê de Saúde do governo Doria e garantiu que o sistema municipal é mais completo, colocando a cidade na fase amarela, mesmo sem o aval do Estado.

"Após uma semana de abertura dos estabelecimentos na fase amarela, a cidade teve uma redução de 12% no número de óbitos e 2% nas internações", informou a prefeitura.

"Há discordância do prefeito Felicio com esses dados, mas nós seguimos com os dados oficiais. Pedimos para a prefeitura seguir na fase laranja", rebateu o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

Mesmo contrário à recomendação do governo, Felicio evitou entrar em confronto direto com a gestão Doria.

"Não estou criticando e nem denunciando nada. Temos equipe competente e dados mais adequados para tomar a decisão. Para uma cidade pequena que não tem nada, o Plano São Paulo é ótimo. Mas nós temos estrutura necessária para tomar decisão".

AMARELA.

Terceira fase do Plano São Paulo, a amarela permite a reabertura de bares, restaurantes e similares, mais salões de beleza e academias. O Estado diz que são atividades de risco e ainda não podem ser liberadas no Vale..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.