Pandemia levou à ‘queda acentuada’ na arrecadação de Taubaté a partir de março

IPMT, Unitau e fundações universitárias também tiveram arrecadação abaixo da meta no primeiro quadrimestre

A pandemia do novo coronavírus provocou uma “queda acentuada” na arrecadação da Prefeitura de Taubaté.

A afirmação foi feita pela secretária de Finanças, Odila Sanches, em uma série de audiências públicas na Câmara para prestação de contas do primeiro quadrimestre.

De janeiro a abril, Taubaté arrecadou R$ 438,5 milhões, o que corresponde a 35% do previsto para o ano todo.

“Janeiro, fevereiro e março, a nossa receita estava correndo a contento, mas a partir do dia 20 de março, tivemos uma queda acentuada. Mesmo assim, a diferença não foi tão acentuada. Deveríamos estar em 38%. A gente vê que o taubateano preza muito o pagamento dos seus impostos, e viemos com a prorrogação de impostos para junho, julho e agosto”, explicou Odila.

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA.

Órgãos da administração indireta também acusaram o impacto da pandemia em suas contas.

A Unitau (Universidade de Taubaté) arrecadou R$ 46 milhões de janeiro a abril, o que corresponde a 24,57% do estimado para o ano.

“Houve queda da arrecadação, mas pouca queda na despesa, porque continuamos pagando todos os salários, encargos e contratos. Houve redução de água, luz e telefone, mas isso não vai a zero, provavelmente, deve ter caído 30%, pois parte da universidade está funcionando”, explicou o pró-reitor de Finanças, Francisco Grandinetti.

A Funac (Fundação de Artes, Cultura, Educação, Turismo e Comunicação) realizou R$ 5 mil no quadrimestre, equivalente a 7,15% do esperado para o ano. A Funcabes (Fundação Caixa Beneficente dos Servidores) obteve receita de R$ 1,9 milhão, correspondente a 20% da expectativa para 2020. A Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação) realizou R$ 32 mil no período, 1,88% da meta. E a Fust (Fundação Universitária de Taubaté) alcançou R$ 9,9 milhões, totalizando 19,58% do esperado no ano.

Já o IPMT (Instituto de Previdência do Município de Taubaté) realizou 22,18% da meta para o ano – em valores, R$ 37,9 milhões.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.