UPA superfaturada: Justiça nega pedido do governo Ortiz para obrigar empresa a devolver dinheiro

Por erro na planilha, Prefeitura de Taubaté pagou R$ 183 mil a mais pela obra da UPA San Marino, segundo o TCE; pedido para que empresa devolvesse a quantia foi negado

A Justiça julgou improcedente a ação em que a Prefeitura de Taubaté pedia que a empresa Cem Dez Construções, responsável pela construção da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) San Marino, fosse condenada a devolver ao município R$ 183 mil que teriam sido pagos indevidamente.

A decisão, de primeira instância, foi tomada pelo juiz Pedro Henrique do Nascimento Oliveira, da Vara da Fazenda Pública de Taubaté.

Procurado nessa sexta-feira (1º), o governo Ortiz Junior (PSDB) informou que irá recorrer ao Tribunal de Justiça.

SUPERFATURAMENTO.

A ação havia sido proposta pela prefeitura em agosto de 2016, após o TCE (Tribunal de Contas do Estado) apontar superfaturamento no contrato firmado pelo governo Ortiz em agosto de 2013.

Segundo o TCE, a irregularidade teve origem na planilha de preços do contrato. A falha é relacionada ao BDI (Benefícios e Despesas Indiretas), elemento orçamentário que calcula custos indiretos da obra. Para elaborar a planilha, a prefeitura usou uma tabela da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação) que já possui o BDI embutido em seus preços. Mesmo assim, ao finalizar a planilha, o governo Ortiz aplicou novamente um BDI, elevando os preços em 20%.

A construção da UPA custou R$ 5,58 milhões, sendo R$ 2,6 milhões do governo federal e R$ 2,98 milhões da prefeitura. O sobrepreço calculado pelo TCE foi de R$ 183 mil.

A obra deveria ter durado seis meses, mas sofreu seis aditivos. A unidade só entrou em funcionamento com 21 meses de atraso, em dezembro de 2015.

AÇÃO.

Após o apontamento do TCE, o governo Ortiz admitiu a falha na planilha e ajuizou a ação para pedir que a empresa devolvesse o valor pago a mais.

Na decisão sobre o caso, datada de 30 de abril, o juiz considerou improcedente o pedido da prefeitura – ou seja, o prejuízo pelo erro da gestão tucana ficará para o próprio município.

Na sentença, o magistrado destacou que a contratação havia sido feita pelo preço global. Segundo o juiz, a Lei de Licitações “estabelece que a empreitada por preço global se dá quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo e total. Neste contexto, é certo que a ré [Cem Dez] estava obrigada a concluir a construção determinada pelo preço proposto no contrato e no aditivo firmados, independentemente se os materiais ou métodos construtivos contabilizassem ou não os exatos custos previstos”, diz trecho da decisão.

“Desta feita, considerando-se que a ré alegou que concluiu a obra contratada, e que o autor não nega que, de fato, a obra tenha sido concluída, supõe-se que houve o cumprimento do contrato, não havendo que se falar em restituição de valores”, conclui a decisão.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.