Ministério da Saúde não reconhece 'maquiagem' de Ortiz sobre 'UPAs'

Na eleição de 2016, governo tucano passou a chamar de UPAs três unidades que não integram o programa; sem adequação, município deixa de receber aporte milionário da União e unidades não têm estruturas ampliadas

Julio [email protected] | @jornalovale

O Ministério da Saúde não reconhece a 'maquiagem' feita pelo governo Ortiz Junior (PSDB) na nomenclatura das unidades de urgência e emergência da rede municipal de Taubaté.

Na campanha eleitoral de 2016, quando disputava a reeleição, o tucano alterou o nome das três mais antigas unidades de urgência e emergência do município - o PSM (Pronto Socorro Municipal) passou a ser chamado de UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Central; o PSI (Pronto Socorro Infantil) virou UPA Infantil; e o PA (Pronto Atendimento) do Cecap recebeu o nome de UPA do Cecap.

Na época da manobra, o prefeito passou a dizer que havia cumprido a promessa feita na campanha de 2012, em que havia se comprometido a construir quatro UPAs na cidade. Na realidade, no entanto, a gestão tucana havia implantado apenas duas unidades do programa criado pelo governo federal: a UPA do San Marino, inaugurada em dezembro de 2015, e que resultou no fechamento do PA da Gurilândia; e a UPA do Santa Helena, inaugurada em dezembro de 2016.

Esse ano, ao ser questionado pela reportagem, o Ministério da Saúde informou que apenas as unidades do San Marino e do Santa Helena são habilitadas como UPAs em Taubaté. A pasta explicou ainda que uma unidade mais antiga, que não tenha sido construída em parceria com a União, pode ser enquadrada no programa, passando a ser chamada de UPA 24h Ampliada. Para isso acontecer, no entanto, é necessário aval do ministério e adaptação da estrutura física para o porte mínimo exigido pelo programa.

Apesar de a possibilidade existir, o Ministério da Saúde informou que a Prefeitura de Taubaté nunca solicitou a inclusão das três unidades de urgência e emergência mais antigas da cidade no programa - ou seja, ocorreu mesmo apenas uma mudança no nome.

A inclusão das unidades no programa teria dois benefícios imediatos para o município e para a população que busca atendimento nelas. Um deles é que o Ministério da Saúde faz repasses mensais para auxiliar no custeio de UPAs e UPAs Ampliadas. O valor varia de acordo com o porte da unidade: a do San Marino, por exemplo, recebe aporte mensal de R$ 500 mil (o que representa R$ 6 milhões por ano), e a do Santa Helena, de R$ 300 mil por mês (R$ 3,6 milhões por ano). Se tivesse o aporte federal nas outras três unidades, o município economizaria verba própria, que poderia ser aplicada em outras ações. O outro benefício é que o município seria 'forçado' a ampliar a estrutura física e também os serviços oferecidos nas três unidades, para adequá-las ao programa. Desde janeiro a reportagem questiona o governo Ortiz sobre o caso, mas até agora não houve resposta..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.