Arco da Inovação e Via Cambuí completa serão liberadas para tráfego no dia 30

Em entrevista a OVALE e SPRio , secretário de Mobilidade Urbana confirmou que a ponte estaiada e o trecho que falta da Via Cambuí serão liberados no fim desse mês; Arco atrasou sete meses, e a Via Cambuí, seis meses

Julio Codazzi e Thaís [email protected] | @jornalovale

O governo Felicio Ramuth (PSDB) trabalha com a data de 30 de março para liberar para tráfego tanto o Arco da Inovação quanto a extensão completa da Via Cambuí. A data foi confirmada pelo secretário de Mobilidade Urbana, Paulo Guimarães, em entrevista a OVALE e SPRio .

"A gente acredita que o trânsito nas pontes [do Arco da Inovação] possa ser liberado até essa data, estamos trabalhando para na próxima semana começar a fazer os ajustes finais. Temos previsão de entrega da infraestrutura da ponte para o próximo dia 15, e aí a gente entra com sinalização para poder permitir o fluxo de veículos", disse o secretário.

Outras obras relacionadas ao Arco, como o alargamento da ponte que fica sobre o Córrego Senhorinha, além da parte de paisagismo e iluminação ornamental, serão concluídas até maio.

CAMBUÍ.

No caso da Via Cambuí, dos 8,6 quilômetros de extensão, 3,5 quilômetros já foram liberados - o prolongamento da Rua Saigiro Nakamura, na Vila Industrial (300 metros), e a ligação entre as rotatórias da Estrada Aeroporto-Tamoios e do Recanto dos Eucaliptos (1,5 quilômetro) foram liberados no ano passado, e o trecho no entroncamento com a Avenida Juscelino Kubitschek, na Vila Tatetuba (1,7 quilômetro), foi liberado em fevereiro desse ano.

"A Via Cambuí está em estágio mais avançado, e tem previsão de entrega total, sem mais nenhum tipo de obra complementar, no próximo dia 30", afirmou Guimarães. "Tem algumas alças complementares que a gente está finalizando nos próximos dias, e o trecho central, ligando o condomínio Verana à Igreja da Cidade, isso fica para o dia 30", reforçou o secretário.

ATRASO.

Duas das maiores vitrines do governo, as obras do Arco da Inovação e da Via Cambuí têm dois pontos em comuns: atrasaram e vão custar mais do que o previsto inicialmente.

Iniciada em fevereiro de 2018, a construção da Via Cambuí tinha prazo de entrega para 2 de outubro de 2019. Depois, a previsão de conclusão foi transferida para dezembro e, na sequência, para janeiro de 2020. Depois, para 30 de março. O valor inicial da obra era de R$ 90,397 milhões, mas o custo atualizado já está em R$ 110,213 milhões, devido à inclusão de itens não previstos e a reajustes contratuais para reposição da inflação. O serviço é executado pelo Consórcio ED, que é formado pelas empresas Enpavi e DP Barros.

Já a obra da ponte estaiada, iniciada oficialmente em 2 de julho de 2018, deveria ter sido concluída pela construtora Queiroz Galvão em 2 de setembro de 2019. O prazo foi adiado para 24 de dezembro e, depois, para o fim desse mês.

A obra, que custaria R$ 48,517 milhões, está 20,08% mais cara. O contrato, que já havia sido reajustado em R$ 1,838 milhão em abril passado, sofreu acréscimo de R$ 7,9 milhões em novembro, chegando a um custo de R$ 58,26 milhões.

Ao todo, serão gastos pelo menos R$ 9,743 milhões a mais do que o previsto..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.