Mudança em teto de isenção vai atingir 60% dos aposentados na Previdência de São José

Dos 5.999 servidores municipais aposentados de São José, 3.612 recebem abaixo do teto do RGPS (R$ 6.101,06) e estão, hoje, isentos de contribuição; com reforma, irão pagar 14% sobre o que exceder salário mínimo (R$ 1.045)

Julio [email protected] | @jornalovale

A redução do teto de isenção, proposta pelo governo Felicio Ramuth (PSDB) no projeto de Reforma da Previdência, vai atingir 60% dos servidores municipais aposentados de São José dos Campos. O levantamento foi feito pela oposição, com base em dados publicados no Portal da Transparência do IPSM (Instituto de Previdência do Servidor Municipal).

Pela regra atual, os inativos contribuem com 13% sobre o valor que ultrapassar o teto do RGPS (Regime Geral da Previdência Social), que é de R$ 6.101,06. Pela proposta de Felicio, a contribuição passará a ser de 14% do que exceder o salário mínimo (R$ 1.045). Segundo o levantamento, dos 5.999 servidores aposentados, 3.612 recebem abaixo do teto do RGPS e são, hoje, isentos de contribuição.

"Os aposentados, muitos deles doentes, acamados, terão grande redução de salário. É um direito adquirido, as pessoas pagaram a vida inteira", reclamou a vereadora Amélia Naomi (PT). "Quem ganha R$ 3 mil, por exemplo, vai pagar R$ 280 por mês. É um confisco", completou a petista, que defende a manutenção do teto do RGPS para a isenção e o aumento da alíquota patronal, de 26% para 28%, como contrapartida.

Líder do governo na Câmara, o vereador José Dimas (PSDB) disse que a alteração no teto de isenção foi estudada pela base aliada, que avaliou apresentar uma emenda para modificar a regra proposta, mas recuou. "Nós discutimos todas as possibilidades. Mas, em todos os cenários, não encontramos embasamento jurídico", disse Dimas. "Pela lei, é preciso haver equiparação entre ativos e inativos. Se déssemos algo para os aposentados, teríamos que dar também para quem está trabalhando".

Estudos feitos pelo governo Felicio apontaram que, hoje, o funcionalismo contribui com R$ 16 milhões/mês, sendo R$ 14,256 milhões de servidores na ativa e R$ 1,748 milhão de inativos.

Com a aplicação da reforma proposta pelo prefeito, a contribuição mensal passaria a R$ 19,276 milhões (R$ 14,621 milhões dos ativos e R$ 4,655 milhões de inativos). A diferença mensal seria de R$ 3,272 milhões. Por ano, chegaria a R$ 42,541 milhões. No cenário com a alíquota a 14%, mas a isenção no teto do RGPS, a contribuição anual teria aumento de R$ 6,5 milhões (R$ 500 mil/mês).

Justiça nega novo pedido para impedir votação de projeto pelo Legislativo

O juiz Silvio Pinheiro dos Santos, da 1ª Vara da Fazenda Pública, negou nessa terça um pedido de reconsideração feito pelo Sindicato dos Servidores. Na quarta-feira passada, em ação do sindicato, o magistrado chegou a proibir que a Câmara votasse a Reforma da Previdência. Na sexta, depois de esclarecimentos do governo Felicio, voltou atrás e revogou a liminar.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.