PGJ contesta lei sobre os temporários da Prefeitura de Taubaté

Caso ação seja julgada procedente pelo TJ, prefeitura não poderá, por exemplo, contratar professores e agentes de saúde dessa forma; de 6.282 servidores, 1.007 são temporários

Julio [email protected] | @jornalovale

A PGJ (Procuradoria Geral de Justiça) ajuizou uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) para contestar trechos da lei municipal de 2015 que regulamenta a contratação de servidores temporários pela Prefeitura de Taubaté. A lei permite a contratação de temporários pelo município em oito diferentes casos. Na ação, a PGJ aponta que cinco deles são inconstitucionais, incluindo dois incisos que citam a admissão de professores.

Segundo dados do Portal da Transparência, dos 6.282 servidores que a prefeitura mantém hoje, 1.007 são temporários, sendo 579 deles professores. Caso a Adin seja julgada procedente, os funcionários que se enquadram nos trechos contestados terão que ser desligados.

A ação será julgada pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça, que é composto por 25 desembargadores. Em nota, o governo Ortiz Junior (PSDB) informou que irá defender no processo "a legalidade da referida legislação".

Na ação, a PGJ sustenta que a contratação temporária só pode ser feita em casos de "extraordinariedade, imprevisibilidade e urgência". Os três trechos não contestados permitem esse tipo de admissão para: situações de calamidade pública; emergências em saúde pública; combate a emergências civis.

Já os trechos contestados permitem a contratação temporária para: ações de vigilância e inspeção, na área da saúde; professor substituto para suprir a falta de professor efetivo; encargos temporários de obras e serviços; professor para suprir demandas decorrentes da expansão da rede; atender afastamentos transitórios de servidores. Segundo a PGJ, esses trechos se referem a fatos corriqueiros da administração, em situações que podem ser contornadas pelo próprio quadro de servidores ou com a contratação de novos funcionários admitidos via concurso.

"O serviço público deve estar organizado para atender a tais demandas provisórias sem a contratação temporária, com seus próprios recursos", diz trecho da ação..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.