Câmara de São José aprova proposta da nova lei de Zoneamento

Em sessão extraordinária na noite dessa terça-feira, projeto de Felicio recebeu 18 votos a favor e dois contra; a oposição aponta falha em convocação de Amélia Naomi, o que poderá desencadear uma nova batalha judicial

http://www.ovale.com.br | Thais Perez

Atualizado às 21h59

Em sessão extraordinária realizada na noite dessa terça-feira, a Câmara de São José dos Campos aprovou o projeto de revisão da Lei de Zoneamento, elaborado pelo prefeito Felicio Ramuth (PSDB). A proposta recebeu 18 votos a favor e dois contra, dos vereadores Wagner Balieiro e Juliana Fraga, ambos do PT. Amélia Naomi, também do PT, não esteve presente na sessão.

Em meio a protestos de moradores nas galerias, a sessão foi marcada por duas discussões. A primeira delas foi sobre possíveis irregularidades na convocação da sessão extraordinária. Os vereadores petistas disseram que Amélia não havia sido notificada por escrito com 24 horas de antecedência, como determina o regimento interno do Legislativo. "Se a vereadora não está presente e não foi notificada com 24 horas de antecedência, essa sessão não poderia estar acontecendo", disse Balieiro. "A vereadora não quis assinar a convocação dela. Minha assessora esteve no gabinete da vereadora por três vezes", rebateu o presidente da Casa, Robertinho da Padaria (Cidadania).

A outra discussão foi sobre a suposta falta de estudos técnicos para subsidiar as modificações propostas - motivo que levou a Justiça a impedir a votação na semana passada. Segundo a oposição, o governo Felicio não explicou as alterações feitas entre o texto prévio, apresentado em junho, e o projeto final, protocolado na Câmara em agosto. "Foi protocolado um projeto com mais de 100 alterações. Tem alteração com pedido de construtora, tem mudança completamente contrária a pedido de moradores e também alteração que ninguém, ao menos oficialmente, pediu", disse Balieiro.

Relator do projeto na Comissão de Planejamento Urbano, Lino Bispo (PL) afirmou que "estudos técnicos embasaram o projeto". O presidente da comissão, Walter Hayashi (PSC), afirmou que a proposta foi amplamente debatida com a população.

Lino argumentou ainda que as 50 emendas propostas pelo PT, que foram barradas nas comissões, foram rejeitadas "tecnicamente", e não por questões políticas.

Essa será a sexta versão da Lei de Zoneamento de São José. Elaborada no governo Eduardo Cury (PSDB), a legislação vigente é considerada restritiva demais pelo setor da construção civil. Ela só permite, por exemplo, prédios de até 15 andares.

O projeto de Felicio é alvo de críticas de empresas, como a Petrobras, de órgãos como a Defensoria Pública, e também de grupos de moradores e ambientalistas. Os impactos ambientais da proposta, aliás, são analisados em um inquérito do Gaema (Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente), órgão ligado ao Ministério Público.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.