Liminar suspende evolução salarial de 88% em 3 anos para servidor da Câmara de Taubaté

Servidor do Legislativo viu seu salário passar de R$ 9.701,24, em dezembro de 2016, para R$ 18.316,29 atualmente; após ação do MP, Justiça suspendeu os atos que permitiram isso

Julio [email protected] | @jornalovale

Após pedido do Ministério Público, a Justiça de Taubaté concedeu uma liminar que suspende a eficácia dos atos administrativos que possibilitaram que um servidor da Câmara tivesse seu salário aumentado em 88% em menos de três anos. A decisão foi tomada segunda-feira pelo juiz Paulo Roberto da Silva, da Vara da Fazenda Pública.

"Se houver continuidade do pagamento de verbas possivelmente não devidas a ele, o prejuízo público será latente, se a ação for procedente", destacou o magistrado, que acrescentou que, caso a ação seja julgada improcedente, o servidor poderá receber a diferença salarial com atualizações devidas.

Em nota, a Câmara afirmou que "entende que a equiparação do vencimento do servidor está de acordo com os ditames legais e constitucionais e estudará as providências a serem tomadas".

Por meio de seu advogado, o servidor Luis Henrique Maduro da Silva informou que irá recorrer da decisão. "O ato administrativo editado pela Câmara apenas atendeu o que está na legislação. Assim que formos notificados, vamos recorrer", disse o advogado Fábio Antunes.

CARGO.

Admitido via concurso público em 2006, o analista legislativo de administração recebia salário de R$ 4.911,95 em 2010, quando foi destacado para o cargo em comissão de chefe da Secretaria Geral. Silva ficou no cargo até agosto de 2014, quando o salário já era de R$ 7.241,18. Mesmo deixando a função, ele manteve o vencimento, já que a legislação garante 100% de incorporação da vantagem pecuniária, para fins de irredutibilidade, após quatro anos.

A irregularidade, segundo o MP, ocorreu em janeiro de 2017, um mês após a Câmara aprovar uma reforma administrativa, que extinguiu o cargo comissionado de chefe da Secretaria Geral e criou a função de confiança de secretário, com salário maior. Em janeiro daquele ano, Silva solicitou o recálculo da vantagem que havia sido incorporada à sua remuneração, sob o argumento de que os cargos eram equivalentes. O pedido foi aceito de imediato. Em dezembro de 2016, o salário dele era de R$ 9.701,24. Logo em janeiro de 2017, passou a R$ 14.830,76. Atualmente, já é de R$ 18.316,29. Ou seja, em menos de três anos, o vencimento quase dobrou.

O MP apontou que a Câmara "atuou de modo ilegal, contrário ao interesse público, e lesivo ao patrimônio público" e que os cargos de chefe da Secretaria Geral e secretário têm "natureza diversa", e que a nova função tem "atribuições diversas e mais amplas", que o servidor jamais exerceu..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.