Logo Jornal OVALE

Com projeto, Ortiz vai 'economizar' R$ 23 milhões em repasses até 2020

Dos R$ 48,011 milhões que a prefeitura teria que repassar ao IPMT até o ano que vem, quando termina o governo Ortiz, passarão a ser R$ 25,046 milhões, uma redução de 47,83%; base aliada garantiu a aprovação do projeto

Julio [email protected] | @jornalovale

Aprovado pela Câmara essa semana, o projeto que reduz os aportes de contribuição patronal ao IPMT (Instituto de Previdência do Município de Taubaté) vai permitir que o governo Ortiz Junior (PSDB) economize quase R$ 23 milhões em repasses até 2020, quando termina o mandato do tucano.

Dos R$ 48,011 milhões que a prefeitura teria que repassar ao IPMT em 2019 e 2020, passarão a ser R$ 25,046 milhões, uma queda de 47,83%.

O projeto, que aguarda sanção do prefeito, também reduzirá os aportes que a Unitau (Universidade de Taubaté), a Câmara e o próprio IPMT terão que fazer ao instituto. Ao todo, até 2020, o IPMT teria que receber R$ 66,232 milhões em contribuição patronal. Com o novo texto, esse valor cairá para R$ 34,551 milhões, uma queda também de 47,83%.

Ao todo, a redução dos aportes nos próximos 30 anos será de R$ 1,615 bilhão, o que representa queda de 30,9% nos repasses entre 2019 e 2048.

Segundo a lei atual, de 2017, a contribuição patronal nesse período seria de R$ 5,226 bilhões. Na proposta que revê o Plano de Amortização do Déficit Atual do IPMT, os repasses caem para R$ 3,611 bilhões.

O IPMT mantém atualmente cerca de 2.500 aposentados e pensionistas, e conta com a contribuição de aproximadamente 6,5 mil servidores de carreira, distribuídos entre prefeitura, Câmara, Unitau e o próprio instituto.

Pela lei atual, a prefeitura teria que repassar R$ 3,178 bilhões ao IPMT entre 2019 e 2048. Pela proposta de alteração, esse montante cairá para R$ 2,617 bilhões, uma redução de 17,64%. No caso da Unitau, a queda será de 51,57%: dos atuais R$ 1,8 bilhão para R$ 902 milhões. Os repasses da Câmara devem ter redução de 26,26%, passando de R$ 107,9 milhões para R$ 79,6 milhões nesse período. Já o aporte do IPMT passará de R$ 76,2 milhões para R$ 11,5 milhões, uma queda de 84,82%.

Atingido pela mudança, IPMT foi contra a redução nos aportes

O IPMT se posicionou contra a aprovação do projeto. Segundo um estudo feito pelo órgão, em vez de reduzir os aportes, seria necessário ampliar em R$ 365 milhões os repasses nos próximos 35 anos.

De acordo com o instituto, a mudança na lei poderá provocar um colapso no sistema previdenciário municipal, que já a partir do ano que vem terá despesas maiores do que as receitas. Como o texto não foi embasado em um estudo atuarial oficial, o IPMT alerta também para o risco de o município ter suspenso o seu CRP (Certificado de Regularidade Previdenciária), que é exigido para transferências e operações de crédito.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.