Logo Jornal OVALE

Câmara de Taubaté aponta fraude em lista de bolsas Simube

Vereadores da oposição e da base governista contestam o fato de que há, tanto na lista de espera de graduação quanta na lista de ensino técnico, alunos com grau de carência maior do que o de estudantes contemplados

Da redaçã[email protected] | @jornalovale

Vereadores da oposição e também da base aliada ao governo Ortiz Junior (PSDB) apontam possíveis irregularidades na lista de aprovados do Simube (Sistema Municipal de Bolsas de Estudo).

Divulgada no fim de abril, a lista tem 120 alunos contemplados com bolsas de estudo, sendo 102 de graduação e 18 no ensino técnico. Outros 72 estudantes ficaram na lista de espera, sendo 67 de graduação e 5 do técnico.

Os vereadores contestam o fato de que há, nas duas listas de espera, tanto de graduação quando do técnico, alunos com grau de carência maior do que o de estudantes que acabaram contemplados.

"A gente tem uma lista que mostra algo que é muito grave", disse a vereadora Loreny (Cidadania), da oposição. "A lista do Simube esse ano foi uma fraude. Não tem condições de um aluno ser mais carente e estar atrás, na fila, de um que tem mais condições de pagar", afirmou o vereador Douglas Carbonne (PCdoB), líder do prefeito na Câmara. Os dois parlamentares protocolaram requerimentos para cobrar explicações do governo Ortiz.

O orçamento do Simube esse ano é de R$ 6,25 milhões, sendo R$ 1,35 milhão para novas bolsas e R$ 4,9 milhões para manutenção de bolsas de anos anteriores.

Para graduação foram concedidas 11 bolsas custeio 100% (modalidade em que o dinheiro não precisa ser devolvido), 88 de financiamento 50% (o aluno recebe metade do valor da mensalidade, e precisa restituir após o curso), duas de estágio 100% e uma para portadores de necessidades especiais.

Da lista de bolsa custeio, três contemplados têm grau de carência (nota que leva em consideração fatores como renda familiar e eventuais gastos como aluguel, financiamento de imóvel, alimentação e transporte) menor do que o que alunos que ficaram na lista de espera. Na lista de financiamento 50%, esse número chega a 53.

Para ensino técnico, dos 13 contemplados para custeio 100%, um tem grau de carência menor do que estudantes da lista de espera. Dos cinco agraciados no financiamento 100%, um também tem grau de carência menor do que alunos que ficaram de fora.

Simone Gomes, presidente do Conselho de Administração do Fundo Municipal de Bolsas de Estudo, negou qualquer irregularidade.

Sobre os casos de contemplados na modalidade financiamento, Simone alegou que os alunos da lista de espera com grau de carência maior do que o deles optaram apenas pelas bolsas custeio.

Já no caso da bolsa custeio, os contemplados com grau de financiamento menor apresentaram documentos para comprovar terem estudado em escolas públicas - nesse caso, eles têm a bolsa garantida..