Governo Saud mantém calote no IPMT, mas em menor escala do que a gestão Ortiz

Enquanto a gestão do tucano repassava ao instituto cerca de 60% do valor devido por mês, governo do emedebista pagou 85% do valor referente a janeiro; dívida já soma R$ 78,9 milhões

No primeiro mês de governo José Saud (MDB), a Prefeitura de Taubaté manteve – mas em menor escala – a prática de não repassar ao IPMT (Instituto de Previdência do Município de Taubaté) o valor total devido.

Em janeiro, a Prefeitura deveria ter repassado ao instituto R$ 8,123 milhões, mas repassou 85% disso (R$ 6,921 milhões).

Do valor repassado, R$ 2 milhões se referem à contribuição descontada dos servidores (11% do salário); e R$ 4,915 milhões à contribuição patronal (valor pago pela Prefeitura, referente a 22% dos gastos com folha). O valor que deixou de ser repassado (R$ 1,2 milhão) é referente ao aporte extra fixado por lei.

O calote no IPMT começou em junho de 2019, ainda no governo Ortiz Junior (PSDB). A gestão tucana repassava ao instituto 100% do valor descontado dos servidores, 50% do valor referente à contribuição patronal e nada do aporte extra. Ou seja, a única diferença foi que, no primeiro mês, Saud repassou ao IPMT a totalidade da contribuição patronal.

Entre junho de 2019 e dezembro de 2020, o calote aplicado por Ortiz resultou em uma dívida de R$ 77,7 milhões da Prefeitura com o IPMT. Somando o valor que Saud deixou de pagar em janeiro de 2021, o montante chegou a R$ 78,9 milhões.

REPERCUSSÃO.

Questionado pela reportagem, o governo Saud informou, em nota, que “a dívida do IPMT está sendo objeto de estudos da ‘Comissão de Análises e Despesas de Restos a Pagar’ instituída pela atual administração”.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.