Até 2025, a velocidade média na região do Arco vai cair 25%, aponta perícia

Daqui a pouco mais de quatro anos, velocidade média na região do Arco será de 22,44 km/h, abaixo da média (24,03 km/h) verificada em 2018, quando a ponte ainda não existia

Julio [email protected] | @jornalovale

Até 2025, a velocidade média do tráfego na região do Arco da Inovação, em São José dos Campos, vai cair 25%.

A informação está no laudo pericial feito pelo Departamento da Área de Engenharia Ambiental e Urbana da UFABC (Universidade Federal do ABC) e foi destacada em parecer do CAEx (Centro de Apoio Operacional à Execução), órgão técnico ligado ao Ministério Público.

Segundo o estudo, caso o Arco da Inovação já estivesse pronto em 2018 (a ponte estaiada só foi liberada para tráfego em abril de 2020), a velocidade média seria de 30,53 km/h. Sete anos depois, cairia para 22,44 km/h, abaixo da velocidade média (24,03 km/h) verificada no cenário de 2018 sem nenhuma intervenção. Ou seja, em 2025, mesmo com a obra, o trânsito na região será mais lento do que era em 2018, quando não havia a ponte estaiada.

A perícia foi feita no processo em que o MP e a Defensoria Pública contestam a eficácia do Arco da Inovação. O estudo da UFABC também apontou que a obra “perderá a qualidade de suas funções já a partir de 2025” (ou seja, em pouco mais de quatro anos já não será capaz de desafogar o trânsito no local), e que a ponte estaiada, que custou R$ 60,972 milhões, tem capacidade de absorver apenas 12% a mais de veículos do que um cenário em que fosse realizada apenas otimização semafórica. O laudo também apontou que, além de não propiciar ganhos ao transporte público, o Arco ainda deve aumentar o tempo das viagens de ônibus em 23% até 2028.

Protocolada em dezembro de 2018, a ação visava impedir a construção do Arco. Como a obra já foi concluída, o MP pede agora que a Prefeitura seja obrigada a realizar um projeto básico e executivo para prever um conjunto de intervenções para tentar evitar a saturação de tráfego em 2025 e o prejuízo ao fluxo do transporte coletivo.

Governo Felicio contesta perícia e pede novo estudo após o fim da pandemia

Também em manifestação feita à Justiça esse mês, o governo Felicio Ramuth (PSDB) voltou a apontar supostas falhas no laudo da UFABC, como já havia feito em agosto. Segundo a gestão tucana, a perícia deixou de analisar outras mudanças feitas pela Prefeitura no trânsito da região, como melhorias semafóricas, reformulação da rede de transporte público, implantação de sistema cicloviário e intervenções em vias.

O governo Felicio pede que seja realizado um novo estudo, presencialmente (o laudo foi feito usando programas especializados, com base em dados fornecidos pela Prefeitura), após o fim da pandemia, quando o trânsito estará normalizado.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.