Vale fecha semana epidemiológica com aumento de casos e mortes por Covid-19

Crescimento da epidemia na região pode ser reflexo das aglomerações do feriado prolongado de 7 de setembro; RMVale já ultrapassou 43 mil casos da doença

@Da redação | @jornalovale

Encerrada neste final de semana, a semana epidemiológica 38 foi marcada pelo aumento de casos confirmados e mortes por Covid-19 no Vale do Paraíba, interrompendo três semanas consecutivas de redução no número de novos contaminados.

Nos últimos sete dias terminados no sábado (19), a RMVale registrou 3.829 novos casos confirmados de Covid-19, 44% de aumento para os 2.660 novos casos da semana anterior.

Trata-se da maior quantidade de novos diagnósticos positivos na região em sete dias desde a semana epidemiológica 32, encerrada em 8 de agosto, quando o Vale registrou 3.912 novos casos.

As mortes também subiram na última semana, com 65 óbitos em decorrência da Covid-19 contra 59 na semana anterior, aumento de 10%.

O crescimento interrompe queda registrada na semana epidemiológica 37, quando a região teve 29% a menos de novas mortes.

O aumento de casos confirmados e mortes na RMVale acende o sinal amarelo na região.

Os indicadores sinalizam que os números pioraram após as aglomerações identificadas no feriadão prolongado de 7 de setembro, com praias e cidades turísticas lotadas na região.

Em 16 de setembro, pouco mais de uma semana depois do feriado prolongado, o número de novas internações por Covid-19 no Vale aumentou 201 em apenas 24 horas, segundo dados da Fundação Seade.

Nesta segunda-feira (21), a região passou de 43,2 mil casos confirmados da doença e 1.193 mortes, com mais 7,2 mil exames aguardando resultado e 24 mortes suspeitas, além de 33,3 mil pessoas curadas.

“Estamos num momento perigoso. Tem que manter os cuidados para evitar uma recaída, que é muito pior. Não podemos nos descuidar, como criar aglomerações, deixar de usar a máscara e de fazer a higienização correta. Temos que ser ainda mais cautelosos”, disse Ricardo Buchaul, diretor da Vigilância à Saúde de Jacareí.

“Os casos voltaram a aumentar, e estavam reduzindo. Atribuo esse refluxo ao ‘efeito praia’, que é regional. Em várias cidades está voltando a aparecer novos casos”, afirmou o estatístico Paulo Barja, professor da FEAU (Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo) da Univap (Universidade do Vale do Paraíba).

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.