Desmatamento da Amazônia é o maior desde 2008, apontam os dados do Inpe

HISTÓRICO. O desmatamento na Amazônia apontado pelo Inpe no período de 12 meses (10 mil km²) é o pior desde 2008, quando o Prodes revelou uma perda de 12.911 km². Desde então, o desmatamento da região sempre esteve abaixo dos 8 mil km². O menor valor foi obtido em 2012: 4.571 km². A partir de maio do ano passado, o desmatamento disparou. Foi quando os alertas do Deter, outro sistema de monitoramento do Inpe, começaram a ser destacados na imprensa estrangeira levando o presidente Jair Bolsonaro a colocar em dúvida os dados do Inpe. Ele chegou a dizer que os números eram mentirosos e que o então diretor do instituto, Ricardo Galvão, estaria "a serviço de alguma ONG". Galvão retrucou e acusou Bolsonaro de ser "pusilânime e covarde". Ele acabou exonerado do cargo.

Em nota técnica, pesquisadores do Inpe revelaram preocupação com o impacto que esses cortes poderiam ter sobre as queimadas. "Sabemos que essas áreas desmatadas são posteriormente queimadas, e em um clima mais seco, podem causar incêndios descontrolados", apontou o grupo liderado pelo pesquisador Luiz Aragão. Nos corredores do Inpe, a opinião não mudou muito. Um pesquisador ouvido por OVALE, sob anonimato, classificou de "desastrosa" a política ambiental do governo..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.