Com 23% de testes positivos, Vale sofre com subnotificação

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), quanto maior a positividade menor a quantidade de testes feitos para identificar o novo vírus, o que impede um panorama real

Xandu Alves @xandualves10 | @jornalovale

A porcentagem de testes de coronavírus que dão resultado positivo no Vale do Paraíba, de 23%, indica que o número real de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus na região pode estar subestimado.

O mesmo ocorre com o Brasil, cuja taxa de positividade é de 31%, também considerada alta por especialistas.

A região alcançou na quinta-feira (10) mais de 9.400 pessoas diagnosticadas com a Covid-19, além de 335 mortes.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), quanto maior a positividade menor a quantidade de testes feitos para identificar o novo coronavírus, o que impede um panorama real da doença.

"Nos países que aplicam grande número de testes, a porcentagem de positivos fica perto de 5%", afirmou Michael Ryan, diretor-executivo da OMS, em entrevista coletiva.

Na região, segundo dados das prefeituras e do Codivap, a Associação de Municípios do Vale do Paraíba, apenas São Sebastião tem uma taxa de positividade próxima à dos países que mais testam no mundo.

Não à toa, o município do Litoral Norte passou de 10,5 mil testes e atingiu a segunda maior marca de toda a região, com 643 casos positivos e 10 mortes por Covid-19. São Sebastião ainda tem o maior percentual de testes por cada grupo de 1.000 habitantes --101.

São José dos Campos é a cidade com maior número de testes feitos do Vale --mais de 15.300--, com mais de 4.000 diagnósticos positivos de Covid-19 e 118 mortes.

A porcentagem de testes que dão resultado positivo em São José é de 26%, mais de cinco vezes acima do índice considerado adequado pela OMS.

O maior município do Vale tem 21 testes para cada grupo de 1.000 habitantes, 4,8 vezes a menos do que São Sebastião.

Depois de São Sebastião, as cidades do Vale com a positividade nos testes mais baixa são Ilhabela (10%), Taubaté (12%) e Bananal (21%).

Taubaté tem mais de 7.000 testes realizados, com 842 casos confirmados e 29 mortes em decorrência do coronavírus.

O segundo maior município da região registra ainda 22 testes feitos a cada grupo de 1.000 habitantes.

Outras cidades do Vale com altas taxas de positividade, indicando número subestimado de doentes, são Guaratinguetá (30%), Ubatuba (44%), Cruzeiro (49%), Jacareí (52%), Lorena (52%), Caraguatatuba (68%) e Pindamonhangaba (73%).

"Fazer testes é fundamental para ter maior segurança e diminuir a transmissibilidade da doença", disse Wilson Cunha Junior, Gestor Médico do Grupo Sabin, professor e médico endocrinologista.

"Infectologistas relatam número de casos 10 a 12 vezes superior ao registrado, porque maioria é assintomática e não é testada"..

 

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.