MP vai investigar pesquisa para mapeamento de casos em São José

Investigação foi aberta após denúncia de vereadora do PT, que questiona eficácia da metodologia das duas pesquisas feitas pelo instituto Indsat, que custaram R$ 144 mil

Julio [email protected] | @jornalovale

Após denúncia da oposição, o Ministério Público instaurou um inquérito para investigar supostas irregularidades no contrato firmado entre a prefeitura e o instituto Indsat para mapear o grau de contaminação da população de São José dos Campos pela Covid-19.

A investigação foi iniciada no dia 4 de junho pela promotora Ana Chami, após representação da vereadora Amélia Naomi (PT). O MP já fez uma série de questionamentos ao governo Felicio Ramuth (PSDB) e aguarda resposta.

Até agora foram feitas duas pesquisas - uma em 16 e 17 de abril e outra em 13 e 14 de maio. Ambas apontaram que 3,11% da população teve contato com o novo coronavírus. Cada pesquisa custou R$ 12 mil ao município. Já cada um dos 450 testes rápidos aplicados em cada rodada custou R$ 135. Ou seja, os dois levantamentos saíram por cerca de R$ 144 mil.

Na representação, a vereadora do PT alegou que "paira grande dúvida sobre a credibilidade, eficácia e utilidade dos serviços prestados pela empresa em questão, tendo em vista que a mesma vem testando uma parcela irrelevante numericamente da população joseense (450 pessoas) sem transparência quanto aos critérios utilizados, com índices que dão margem de erro de até 4 pontos percentuais" - na realidade, a margem de erro é de 4,8 pontos percentuais.

A vereadora alegou ainda na denúncia que "fica muito difícil mapear a infecção causada pelo coronavírus quando as estratégias adotadas para enfrentar o problema podem apresentar uma inconsistência numérica enorme (podendo o número ser mais que o triplo, tendo em vista que a margem de erro pode ser até 4 pontos percentuais maior, ou seja, elevando o número de infectados para mais de 50 mil infectados)", e disse existirem "indícios graves de desvio de finalidade para a qual a empresa está prestando os serviços, que à primeira vista, se mostram completamente inócuos, ante a duvidosa eficácia e confiabilidade dos métodos adotados pela mesma".

Em nota, o governo Felicio informou que "já recebeu a notificação do Ministério Público e enviará as informações necessárias". "A metodologia [no levantamento da Indsat] é a mesma utilizada pelo Ministério da Saúde para realização da pesquisa em 133 municípios brasileiros, incluindo São José dos Campos, em parceria com a Universidade Federal de Pelotas. Nesta ação [do governo federal] foram testadas 170 pessoas, quantidade muito inferior à aplicada pela prefeitura". O Indsat também defende a metologia da pesquisa e a credibilidade dos resultados.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.