Liminar barra retorno de funcionários da Fundhas

Com decisão da Justiça do Trabalho, servidores da fundação cumprirão expediente de forma remota

Uma decisão liminar da Justiça do Trabalho suspendeu a determinação para que os funcionários da Fundhas (Fundação Hélio Augusto de Souza) voltassem ao trabalho presencial.

O retorno estava previsto para o último dia 3, mas no dia 1º o juiz Maurício Matsushima Teixeira aceitou pedido do Sindicato dos Servidores e determinou que, ao menos por enquanto, os servidores façam apenas trabalho remoto. A fundação tem 574 funcionários.

Na ação, o sindicato alega que o retorno às unidades colocaria os funcionários em risco, e pede que eles só voltem ao trabalho presencial quando os alunos também voltarem às atividades.

Em nota, a Fundhas informou que tomou ciência do processo nessa sexta-feira (5) e que “irá encaminhar a manifestação ao juiz”.

O sindicato chegou a mover ação semelhante na Justiça comum para tentar impedir o retorno dos professores às escolas, mas não conseguiu.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.