'Maioria dos europeus já enxerga Bolsonaro como um destruidor'

Em primeira pessoa, joseense Cássia Franco Müller, 49 anos, conta como superou a Covid-19 ao lado do marido, Bernhard Müller, em Rheinau, na Suíça, na divisa com a Alemanha: 'Mundo nunca estará totalmente seguro'

Cássia Franco Müller |

Publicitária e professora de arte |

Eu moro em Rheinau, estado de Zurique, desde o ano 2005.

Nossa cidadezinha tem 1.300 habitantes e faz divisa com a Alemanha. A ponte entre os dois países foi fechada. O controle da polícia é diário.

Devido ao coronavírus, meu marido trabalha em meio período. Eu trabalho em casa com artesanato e colaboro em projetos gráficos. Cancelei os cursos presenciais.

Saí de São José em 2005 e toda minha família mora na cidade, que não sai do meu coração. Por causa da pandemia, me preocupo muito com todos eles, principalmente com minha mãe, de 84 anos.

Meu marido e eu pegamos o vírus no final de março. Fizemos quarentena por mais de 14 dias. Meu marido fez o teste por estar com cansaço extremo, calafrios, dores fortes nos braços, pernas e diarreia. Eu comecei com dor de cabeça, cansaço extremo, calafrios e dores nas pernas, e mais perda de olfato e paladar.

Ficamos muito preocupados. Nos perguntávamos como a doença ia se desenrolar, se ficaria mais forte. Por todo o mundo, muitos sendo hospitalizados e até morrendo. Graças a Deus, melhoramos.

A Suíça permaneceu em lockdown de 16 de março a 11 de maio, com apenas serviços essenciais. Agora, lentamente, algumas escolas e comércios já podem abrir, mas com cuidados, como o distanciamento e uso de máscaras e luvas.

O governo suíço fez muito bem seu papel. Mas é claro que existem os que criticam e pensam diferente.

Já o descaso pela vida por parte do governo federal no Brasil me choca. A maioria dos europeus já vê Bolsonaro como um destruidor. Sinto-me triste por ver o desprezo com que esse presidente se posiciona perante a situação catastrófica. As imagens do cemitério superlotado em Manaus me faz chorar. Tão desumano.

Espero que a humanidade reconheça sempre o valor da ciência para a vida em geral, não permitindo que ela seja ignorada ou deturpada..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.