EYSA deve ser nova empresa da Zona Azul em São José

Empresa se comprometeu a repassar ao município 38,5% de todo o valor arrecadado durante o novo contrato

A EYSA deve ser a nova empresa responsável pela Zona Azul em São José dos Campos. A classificação da licitação foi oficializada pela prefeitura após o julgamento das propostas apresentadas pelas três concorrentes, realizado na última quinta-feira (14). Até o dia 22, as outras duas empresas ainda podem apresentar recurso contra o resultado.

Pela proposta apresentada, a EYSA repassará ao município 38,5% de todo o valor arrecadado durante o novo contrato – a Serbet ofereceu 19,67% e a Rizzo 17,99%.

Com base na estimativa de arrecadação do sistema feita pelo governo Felicio Ramuth (PSDB), que apontou receita bruta de R$ 70,04 milhões durante sete anos, isso representaria um repasse de R$ 26,965 milhões à prefeitura nesse período.

Além disso, a vencedora da licitação terá que pagar uma outorga fixa de R$ 9,2 milhões pela exploração do serviço. Assim, o contrato deve render R$ 36,165 milhões à prefeitura.

APAGÃO.

O contrato anterior da Zona Azul, firmado em abril de 2006 com a Serttel (a empresa repassava 14,5% da receita ao município), terminou no dia 3 de abril. Desde então, a cidade está sem o sistema de estacionamento rotativo.

A expectativa do governo Felicio é de concluir o processo licitatório e de retomar a operação do sistema até o mês de junho.

O novo contrato terá tarifa de R$ 2/hora, um aumento de 66% sobre o valor anterior (R$ 1,20/hora). O sistema, que contava com 3.936 vagas, passará para 5.126. Elas serão distribuídas por 10 áreas: Centro (1.672 vagas), Andrômeda (327 vagas), Jardim São Dimas (1.156 vagas), Vila Jaci (582 vagas), Vila Adyana (355 vagas), Jardim Paulista (277 vagas), Jardim Maringá (160 vagas), Aquarius (432 vagas), Tivoli (100 vagas) e José de Alencar (65 vagas).

Segundo o edital, a nova concessionária terá que instalar, em determinadas vias, ao menos 14 equipamentos visuais que informarão a quantidade de vagas disponíveis naquele trecho. Também será possível consultar em tempo real, por meio de aplicativo de celular, as vagas disponíveis. O edital também prevê o uso de um veículo, equipado com ao menos quatro câmeras capazes de fazer leitura de placa, para fiscalizar o pagamento do serviço.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.