São José pode ter 2.200 casos de Covid-19, diz pesquisa da Univap

Levantamento estatístico feito por professor da Univap revela a taxa de subnotificação da doença no município, que tem 351 casos confirmados pela prefeitura; sem a subnotificação, o número de casos seria 6,5 maior do que é

Xandu [email protected] | @jornalovale

O número real de casos confirmados de Covid-19 em São José dos Campos pode ser até 6,5 vezes superior à contagem oficial da Secretaria de Saúde, que aponta 351 até sexta-feira (8). Na verdade, o número de infectados pode ser de 2.200, com a maior parte deles com pouco ou nenhum sintoma da doença, mas espalhando o vírus na população.

O motivo é a alta taxa de subnotificação dos casos, em razão de os testes serem feitos normalmente entre os pacientes mais graves da doença, e não na população em geral.

Para tentar obter um quadro mais real da doença na cidade, Paulo Barja, professor na FEAU (Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo) da Univap (Universidade do Vale do Paraíba), acompanha diariamente a divulgação dos casos oficiais para estimar a taxa de subnotificação.

Ele usa modelos matemáticos da Fiocruz e da PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio de Janeiro e explica que os dados utilizados são os dos chamados "casos concluídos" -- óbitos e curados.

A partir disso, é construído o fator e a estimativa dos 'casos reais', multiplicando-se o número oficial pela taxa de subnotificação.

Como os dados mudam todos os dias, a subnotificação também é variável e precisa ser recalculada diariamente, como ressalta o professor, que é formado em Física e tem mestrado e doutorado na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

"Em princípio, todo mundo fica assustado com o número. Mas digo que São José dos Campos está claramente melhor do que o Brasil como um todo. Nosso trabalho é técnico, não queremos alarmar ou minimizar", explica Barja.

Ele também calcula a subnotificação nos registros de morte por Covid-19.

Em São José, na sexta (8), a taxa foi de 2,5. Com isso, o número oficial de 16 óbitos confirmados pode ser, na realidade, de 40 mortes pela doença.

Os números merecem atenção e sempre são preocupantes. "Fato de estar melhor do restante do país não significa que podemos nos descuidar em São José", afirma Barja.

BRASIL.

O estatístico também estima o número real de casos de coronavírus no país, que alcançou 146 mil infectados na sexta (8) e 9.992 mortes.

Segundo Barja, a taxa de subnotificação de casos confirmados no país é de 11. Ou seja, o país pode ter mais de 1,6 milhão de pessoas infectadas por coronavírus neste momento. Já a quantidade de mortes pode ser cinco vezes maior, chegando a quase 50 mil. "Isso é assustador", diz ele.

Barja pondera que a análise dos casos confirmados é sempre como "olhar no retrovisor", em razão do tempo que leva desde o contágio por coronavírus até a obtenção do resultado positivo.

"Estamos sempre olhando para o passado. Não é previsão o que fazemos, não é bola de cristal", explica.

A subnotificação também pode escamotear a real gravidade da doença no país. Segundo Barja, a mortalidade estimada por vírus, em geral, fica na faixa de 1% ou menos. No Brasil, o índice vem se mantendo em 7%. "Não era para ser isso, é muito menos do que isso. Está acontecendo a subnotificação."

Da análise dos números, contudo, Barja percebe que o Brasil vai perigosamente se aproximando da curva de crescimento verificada nos Estados Unidos, hoje epicentro da doença no mundo, com 1,2 milhão de infectados e 76 mil mortes.

"O melhor é que nos aproximássemos da curva da Alemanha, mas o pior é que estamos mais perto da curva dos EUA".

O problema pode ser traduzido no número de testes por milhão de pessoas. Enquanto os EUA fazem, em média, 20 mil testes por milhão de pessoas, a Alemanha vai a 26 mil por milhão e o Brasil patina em 1.500 testes por milhão.

"Isso é muito mais do o '7 a 1', mais complicado. Uso essa frase para o pessoal entender a gravidade", diz Barja, em referência ao 7 a 1 na vitória da Alemanha sobre o Brasil na Copa do Mundo de 2014..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.