'É cenário de um filme de terror', relata moradora da região em Moçambique

Em primeira pessoa, moradora do Vale narra drama e tensão para conseguir sair de Moçambique em meio ao caos da crise

M. Jornalista de São José dos Campos | @jornalovale

Morava em Maputo, capital de Moçambique, há quatro anos e, no final de 2019, vim para o Brasil me casar. Logo em seguida, meu marido foi trabalhar na Alemanha. Eu o encontraria em abril.

Voltei para Moçambique em janeiro para dar avisar meu trabalho, uma empresa de reciclagem na qual tenho um cargo de liderança.

Ainda não havia nada sobre o coronavírus. Combinei de ficar até o final de abril e depois iria para a Alemanha.

Começaram os rumores sobre a doença e as fronteiras e os aeroportos estavam começando a fechar, e não teria como sair de Moçambique.

Então, achei melhor tentar sair naquele momento e continuar trabalhando online até abril. Aí começou o drama.

A Alemanha já tinha fechado as fronteiras.

Falei com o consulado e estrangeiros não poderiam entrar, e minha única alternativa era voltar ao Brasil.

Anunciaram o primeiro caso em Moçambique em 22 de março, dia da minha passagem de volta ao Brasil. No dia 19, a companhia cancelou todos os voos. Não consegui ir para a África do Sul. As rotas estavam se fechando.

Na África ainda tinham alguns voos para São Paulo, mas eu não tinha como chegar lá.

Estava muita pressão e eu bem assustada. Tinha feito cadastro na Embaixada do Brasil em Moçambique, com outros brasileiros que não conseguiam voltar. A Embaixada apontou um voo da Etiópia.

Era um voo bem mais longo. Informação era que tínhamos que ir para a Etiópia e passar a noite em um hotel.

Eu e mais dois amigos saímos de Maputo para Guarulhos, com escala na Etiópia, no dia 3 de abril.

Arrumei minhas coisas e vim. Pegamos o primeiro voo e chegamos em Adis Abeba, capital da Etiópia. O aeroporto estava vazio, foi muito estranho. Normalmente a cidade e o aeroporto são muitos lotados.

Passamos por testes de temperatura, pessoal com máscaras e luvas, médicos. Demorou um pouco. Tínhamos que pegar o visto para passar a noite no país, num hotel.

Foi minha mais longa saga num aeroporto.

O hotel era ótimo, mas não podíamos sair dos quartos por medidas de prevenção. Mediram a temperatura e o jantar e o café foram no quarto. Por descuido, deixei a porta aberta para pegar minha refeição e soou um alarme. Tinha esse controle bastante rígido.

No dia seguinte, fui para o aeroporto. O voo estava bem lotado, com muitos brasileiros e alguns argentinos e uruguaios.

Cheguei a Guarulhos e o aeroporto estava muito vazio, muito estranho ver essa cena.

Meus pais são idosos e não podiam me buscar. Convenci um Uber a me levar para São José. Sensação de alívio ao chegar. Estou isolada, e só quero agora poder me encontrar com meu marido..

 

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.