Setor empresarial diverge sobre paralisao de atividades na regio

Entidades ligadas ao comrcio e indstria no Vale do Paraba divergem sobre deciso de fechar as portas em todo estado; governo Doria declarou quarentena nos municpios

Caque Toledo @CaiqueToledo | @caiquetoledo

Na esteira do debate polarizado entre o governo federal e os governos estaduais, as principais entidades que representam o setor empresarial da região se dividem entre qual é a melhor estratégia a se adotar para combater a pandemia e o avanço do novo coronavírus.

Na semana passada, tanto o governador João Doria (PSDB) quanto os prefeitos das maiores cidades da região, Felicio Ramuth (PSDB) em São José dos Campos e Ortiz Junior (PSDB) em Taubaté, defenderam o fechamento dos comércios, com exceção dos serviços essenciais.

Entidades que representam o comércio aprovaram a medida, e orientaram a classe a seguir as determinações. "Resolvido esse problema, parcial ou total, teremos muito mais força para enfrentar o segundo problema, a questão da economia, que tem a ver com emprego e sobrevivência das famílias. Só a união de todos vencerá", afirmou Humberto Dutra, presidente da ACI (Associação Comercial Industrial) de São José.

A Acit (Associação Comercial Industrial de Taubaté) também orientou seus associados a fecharem as portas. A entidade afirma que trabalha em conjunto com a prefeitura para tentar facilitar aos comerciantes a questão de pagamento de impostos e suspensão de taxas municipais.

Já o presidente do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) na regional de São José, César Augusto Teixeira Andrade, vê riscos à economia no atual cenário e defende o isolamento vertical, medida sugerida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). "Acho que o lockdown geral será muito mais danoso que o próprio vírus. Estou a favor de um isolamento vertical, tratar varias opções de maneira cirúrgica sem paralisar a economia", afirmou. "Acho que outras medidas tinham que ser discutidas sem ficar este embate político-ideológico que não ajuda em nada nosso país. Claramente estão criar ruptura social para derrubar nosso governo, o que não apoio", completou Andrade.

Antonio Ferreira Junior, presidente do Sinhores (Sindicato de Hotéis, Restaurantes e Similares), também se mostrou preocupado com a economia, e cobrou definições por parte dos governantes. "Temos que achar um caminho intermediário, que ainda não sabemos qual é. Temos que encontrá-lo, porque senão, quem não morrer da doença, depois pode estar em uma situação completamente caótica"..

 

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 8,5 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.