Logo Jornal OVALE

Polícia Civil identifica suspeitos de crime no 'fluxo do funk' em São José

Suspeitos de envolvimento no assassinato brutal da adolescente Jamile Fernandes da Silva, de 17 anos, foram identificados pela polícia; jovem desapareceu depois de ir para um 'fluxo do funk' na comunidade Santa Cruz

Julia [email protected] | @carvalho8123

A Polícia Civil identificou os suspeitos de envolvimento no assassinato da adolescente Jamile Fernandes da Silva, de 17 anos, que desapareceu após ir a um 'fluxo do funk' na comunidade Santa Cruz, na região central de São José dos Campos.

O corpo foi encontrado durante a manhã desta segunda na estrada do Sertãozinho, no bairro Buquirinha. Nesta terça-feira a polícia começou a coletar depoimentos de testemunhas, que ajudaram na identificação dos suspeitos.

De acordo com a DIG (Delegacia de Investigações Gerais), a equipe está realizando uma varredura nas câmeras do COI (Centro de Operações Integradas) e de estabelecimentos locais para tentar esclarecer o crime.

O celular da vítima ainda não foi encontrado.

Segundo a família, a vítima teria sido torturada. Marina Lima, tia de Jamile, conta que viu a jovem pela última vez no sábado, quando a menina saiu com uma amiga e três amigos.

"Um dos meninos ficou com ciúmes, as duas foram no banheiro, e quando elas retornaram ao carro, um dos meninos começou a bater nela dizendo que ela estava 'arrastando' a outra para o fluxo do funk", afirmou a tia.

Ainda segundo Marina, os três rapazes teriam usado uma chave de roda para torturar a adolescente. A polícia encontrou a ferramenta na cena do crime.

"Foi uma morte muito violenta e brutal, esperamos que seja feita Justiça, que sejam identificados e presos", disse a tia da vítima a OVALE.

O CASO.

Jamile estava desaparecida desde a noite do último sábado, quando saiu com quatro amigos para o baile de rua.

A família registrou BO e fez apelos nas redes sociais em busca da jovem. A polícia iniciou as buscas e encontrou o corpo da adolescente em um terreno baldio.

Os peritos encontraram o corpo na segunda-feira e informaram que tinha sinais de violência na cabeça, perna esquerda e mãos.

O enterro de Jamile foi realizado nesta terça-feira, no Cemitério Municipal Colonia Paraíso, em São José.

A Polícia Civil continua investigando o caso..