Logo Jornal OVALE

Em média, um motociclista morre a cada três dias no trânsito do Vale

Trata-se do maior percentual entre as vítimas fatais de trânsito identificadas na RMVale na série histórica do Infosiga, de janeiro de 2015 a março deste ano; depois aparecem os pedestres, motoristas de carros e ciclistas

Xandu [email protected] | @xandualves10

Em média, a cada três dias um motociclistas morre em acidente de trânsito no Vale.

Trata-se do maior percentual entre as vítimas fatais de trânsito na região de todos os públicos pesquisados pelo Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo), órgão do governo estadual.

Das 1.552 mortes com o perfil da vítima identificado entre janeiro de 2015 e março deste ano, 554 foram de motociclistas, 35,70% do total. Praticamente uma morte a cada três dias.

E o número de vítimas fatais sobre duas rodas motorizadas pode ser ainda maior, haja vista que o total de mortes em acidentes de trânsito desde o começo de 2015, na região, é de 1.652, mas com 100 óbitos cujo perfil da vítima não foi descrito.

Depois dos motociclistas, os pedestres foram as principais vítimas do trânsito na região desde 2015, segundo a série histórica do Infosiga.

Morreram 400 pedestres na RMVale desde o mês de janeiro de 2015, nada menos do que 25,77% do total de mortes com perfil da vítima confirmado, o que dá uma média de um pedestre morto no trânsito a cada 3,8 dias.

Os motoristas de carro aparecem em terceiro lugar no ranking das mortes, com 332 vítimas fatais (21,39%) desde 2015, contabilizando a média de uma morte a cada 4,6 dias.

Os ciclistas foram registrados em 188 mortes desde 2015, representando 12,11% do total e com a média de um óbito em 8,2 dias.

A boa notícia é que as quatro categorias tiveram queda nas mortes no primeiro trimestre deste ano comparado a igual período do ano passado: motociclistas (-5,56%), carros (-31,58%), pedestres (-14,29%) e bicicletas (-41,67%)..