nas ruas da cidade que foi minha

Guilhermo Codazzi Jornalista e escritor |

editor-chefe de OVALE |

Passo a passo, minhas pegadas ficam demarcadas no compasso do tempo -- mesmo nesse tempo tão repleto de contratempos, de notas dissonantes e fora de tempo, nesses tempos de pandemia.

A pé, depois de tanto tempo em isolamento, percorro passo a passo as veias abertas da velha cidade que foi minha, mas que, de concreto, já não é mais.

Ao caminhar pela minha terra natal, a já quase quatrocentona Taubaté, os meus pés acariciam a face oculta da rua e, pisando de leve sobre os ladrilhos gastos pelas invernais estações do tempo e melancolia, me levam a passear pelas alamedas da memória. E, nesse entroncamento entre ontem, hoje e um amanhã à espreita, ali na esquina, parto logo cedo em busca de um café e jornal, enquanto meu olhar espanta-se diante das mudanças profundas impostas pelos ponteiros da vida no cenário da terra onde nasci e cresci. Mas onde está a cidade que foi minha?

Na praça Santa Terezinha, ali tão perto de casa, havia um casarão construído respeitando a arquitetura alemã, assemelhando-se a uma daquelas simpáticas cabanas dos contos de fada -- meus irmãos (Marina e Julio) e eu, por sinal, por anos acreditávamos que ali viviam a Branca de Neve e os sete anões. Mas, o imóvel hoje 'era uma vez'. Tornou-se pretérito, dando lugar a uma insossa e tristonha farmácia de um tão combalido azul, apesar de ainda ser conjugado no presente dentro de mim. Ele segue de pé em minha lembrança, enquanto eu sigo a pé.

E caminhando daqui para lá e de lá para cá, encontrei portas fechadas, além de outras farmácias e igrejas, como a que ocupa hoje o espaço daquele antigo cinema onde eu quase nasci, no meio de uma sessão noturna de sexta-feira em 1981.

Minha mãe conta que em cartaz estava o filme "Apertem os cintos, o piloto sumiu". Admito que eu prefiro a versão paterna, de que a telona do Cine Palas exibia 'O iluminado' naquela noite de 30 de janeiro.

Mas, voltando ao trailer desta minha vida em cartaz, percorro a pé uma cidade que muda a todo o momento.

E tem remédio?

Esta é a receita do 'progresso', diz o outro na prece do desenvolvimento. Seria saudosismo? Não sei. Afinal, o que é bom mesmo para a memória?

Esqueci. Que pecado. Só me lembro que...

A pé, após tanto tempo afastado, eu percorro passo a passo as veias abertas da cidade que foi minha, mas que hoje, de concreto, já não é mais.

Depois de tantos anos, porém, a reconheço onde ninguém mais a vê, no contrapé da obviedade erguida à vista de todos, tijolo por tijolo.

E ela me reconhece também?

Aposto que quando me vê, ali naquelas ruas, pensa o mesmo.

E nessa esquina da cidade que foi minha e hoje, de concreto, já não é mais, os meus pensamentos guardam morada na sombra de uma jabuticabeira que, após anos de frutos, hoje dá saudade.Uma saudade doce, colhida na pontinha do pé.

O tempo todo..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.