Informações em tempos de pandemia

Izaias Santana |

Presidente do Codivap e prefeito de Jacareí |

A ética socrática nos ensina que, antes de divulgarmos qualquer informação, devemos submetê-la a três peneiras: é verdade? É útil? É o melhor que você pode dizer a respeito desta questão (bondade)?

A verdade deve ser sempre o primeiro valor a nortear a informação fornecida pelo agente público. A verdade não é a convicção do agente à 'sua verdade', mas deve ser lastreada em fundamentos teóricos, dados, pesquisas e opiniões de autoridades. A informação é verdadeira quando todos, mesmo tendo opiniões divergentes, podem chegar a ela se a buscar pelos caminhos corretos.

Quanto à utilidade, pode ser que a verdade não seja útil para o interesse do agente ou para o interesse do Órgão, mas, mesmo assim, o agente deve informar. Este juízo de utilidade é de domínio absoluto do cidadão. Quando a informação contrariar os interesses do agente ou do Órgão, ele deve explicar e justificar, mas nunca omitir, camuflar ou distorcer.

O juízo de utilidade estará sempre contaminado pelo interesse eleitoral e pela necessidade de sustentação da imagem do agente ou de sua gestão. Caberá ao responsável pela Comunicação Oficial identificar estes riscos e apurar a utilidade para o cidadão, a utilidade para a compreensão dos problemas e a utilidade para que o cidadão formule, por si só, sua opinião. Os interesses e os pontos de vista podem ser pessoais, mas a informação é pública e republicana. Aqui, vale a máxima kantiana: só pode ser útil o que é bom. Só é bom o que é verdadeiro. A terceira peneira é a da bondade que, no ambiente público, deve ser compreendida como o compromisso de dispor ao cidadão todos os dados e nuances de determinada questão. O compromisso de ser generoso para com o cidadão, sem preocupações de se proteger, sem preocupações de esconder dados, ou seja, é ser generoso neste sentido de não se ater a artimanhas.

A informação deve revelar este perfil de não esconder dados sob nenhuma circunstância. Deve-se permitir a análise crítica de especialistas, do cidadão comum e, inclusive, da oposição, uma vez que o dado é de domínio público. Cabe ao agente público a defesa de suas escolhas. E até para que haja compreensão destas escolhas, o agente deve disponibilizar as informações. A bondade na Administração Pública deve ser entendida na Comunicação Pública como uma postura de alguém motivado pelos deveres de moralidade e lealdade.

É o melhor que se deve informar? Este teste exige do agente e do Órgão a busca pela melhor informação. Aquela mais próxima do fim maior do interesse público. Aquela que permitirá a todos os cidadãos a compreensão do problema e seus contextos.

Em tempos de pandemia e fake news, somente a informação correta e verdadeira pode ser útil e é a melhor vacina..

 

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.