Por quem os sinos dobram em são José?

Guilhermo Codazzi Jornalista e escritor |

editor-chefe de OVALE e Gazeta de Taubaté |

Por quem os sinos dobram?

Deitado em seu leito, onde repousava o corpo cansado, palco de uma dura batalha travada na entre vida e morte, o poeta John Donne (1572 - 1631) escutava o som vindo do campanário.

Era a pergunta que seguia-se, feita por pessoas próximas, por quem por ali passava.

Trocando em miúdos, de forma resumida, o questionamento era: 'quem morreu?'. O tilintar indicava uma morte.

Em sua obra intitulada Meditações, de 1624, o escritor e reverendo britânico publicou aquele que é seu poema mais conhecido, que resiste aos séculos e ainda segue sendo recitado nos dias atuais. E ele diz:

"Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Europa ficará diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti".

Traduzindo: não pergunte quem morreu, pois se um homem morreu, morreu também um pedaço de toda a humanidade.

Nos dias atuais, o sino dobra à exaustão em meio à luta contra a pandemia do novo coronavírus, que já matou aproximadamente 150 mil pessoas em todo o mundo. É a maior crise global desde a Segunda Guerra Mundial.

E quanto vale uma vida?

Segundo um estudo da Unifesp (Universidade Estadual Paulista), os casos da Covid-19 no interior paulista estão três semanas atrás dos números registrados na capital. "Então não é hora de relaxar a quarentena. Estamos vivendo a maior calamidade pública desde a gripe espanhola", diz o professor Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza, da Faculdade de Medicina da Unesp.

E nesse cenário tão crítico, que deverá se agravar nas próximas semanas, a Prefeitura de São José, contrariando a ciência, o Estado e a OMS (Organização Mundial da Saúde), cedeu à pressão do comércio e flexibilizou as regras para o isolamento social -- única arma contra o vírus.

É o maior erro deste governo.

Por quem os sinos dobram?

Eles dobram por ti. Blém-blém....

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 13 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.