uma mentira todo dia

Presidente volta a torturar os fatos e distorcer declaração de diretor da OMS para defender fim do isolamento social

Dia 31 de março de 2020. Em um novo pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, pontualmente às 20h30, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falou à Nação e, como já havia feito ao longo desta terça-feira, distorceu a verdade -- ou, sem rodeios, mentiu. O chefe do Poder Executivo brasileiro distorceu declaração do diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom, em um esforço para justificar sua tentativa de flexibilizaro isolamento social, o remédio mais eficiente contra a disseminação do novo coronavírus. Essa foi a terceira menção de Bolsonaro a respeito de Adhanom em um só dia, sempre tirando palavras do contexto. Ao falar sobre a importância de cuidar da população, o diretor não defendeu o fim do distanciamento social, como o apregoado pelo capitão, tanto que completou -- em trecho ignorado pelo mandatário brasileiro -- que os governos "precisam garantir o bem estar das pessoas que perderam a fonte de renda e que estão necessitando desesperadamente de alimentos e saneamento".

Traduzindo: no dia 31 de março, uma triste data da história da democracia brasileira que é celebrada por alas do bolsonarismo, devido ao golpe militar de 1964, que iniciou os 21 anos de chumbo da ditadura militar, o presidente da República torturou os fatos e a verdade, não em um porão obscuro, mas em plena cadeia nacional de rádio e televisão.

Ele mentiu.

E isso, infelizmente, não é novidade. Muito pelo contrário. Trata-se de uma regra. Levantamento feito pelo 'Aos Fatos', agência de checagem de dados, revela que o presidente mentiu ou distorceu a realidade 793 vezes em 450 dias.

É mais de uma por dia.

Ao longo da crise do Covid-19, o desgovernado presidente intensificou declarações falaciosas, contrariando até mesmo o posicionamento oficial do seu governo e chegando até a se referir à doença, que ameaça matar milhares e milhares de brasileiros e pessoas ao redor do planeta, como 'gripezinha', 'fantasia', 'resfriadinho' e 'histeria'. Lamentável.

Com o compartamento errático e desequilibrado, Bolsonaro chegou a ter postagem excluídas por redes sociais, por atentarem contra o esforço mundial de combate à pandemia. Facebook e Twitter estariam em uma conspiração 'de esquerda' contra o presidente?

Fato é que Bolsonaro, diante da maior crise do século, está fazendo política, criando uma mentirosa dicotomia entre vidas e empregos, de olho em 2020 -- ele busca atribuir aos governadores a grave crise que se abaterá na economia (que já era do 'pibinho').

Ao invés de resolver o problema, o Palácio do Planalto prefere terceirizar a culpa.

Afeito aos boatos, obscurantista e negacionista, o capitão isolado consolida-se cada dia mais como inimigo da ciência, da liberdade e da democracia, além do jornalismo independente e crítico.

Os dados são claros.

Capaz de torturar a realidade, mentindo ou distorcendo inacreditáveis 793 declarações em 450 dias, Bolsonaro é inimigo mortal da verdade dos fatos.

Para o presidente, todo dia é dia 1º de abril..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.